segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O homem que está a mais (2)

Henrique Pereira dos Santos

"Os sociais-democratas assumem que há desconforto com as autárquicas... e com a liderança de Passos Coelho. Mas o líder ainda mantém muitos apoios no partido".

A jornalista poderia ter escrito "Há sociais-democratas que assumem que há desconforto com as autárquicas e com a liderança de Passos Coelho [foto], que mantém muitos apoios no partido".

Foto: João Girão

Provavelmente, teria sido mais fiel à informação objectiva e demonstrável de que dispõe, embora, por falta de espaço, mais uma vez grande parte das fontes de informação da notícia não tenham sido identificadas, o que naturalmente limita a capacidade do leitor perceber exactamente se a jornalista tem realmente informação ou é simplesmente um amplificador de agentes políticos activos.

Desde um debate em Setembro de 2015, antes das eleições, que o BE definiu três propostas que o PS teria de retirar do seu programa para ter o apoio do BE a um governo seu.

Uma dessas propostas era o abandono da descida da TSU.

O acordo de concertação social celebrado há dias prevê uma descida da TSU, transferindo para os contribuintes parte do esforço que as empresas teriam de fazer para assegurar a subida do salário mínimo decidida pelo Governo.

Parecer-me-ia lógico que as notícias dessem relevo ao facto do BE ter abandonado uma das suas três exigências básicas para apoiar um governo do PS ou, em alternativa, que destacassem o facto de Costa se ter comprometido com o abandono da TSU para ter o apoio do BE, tendo aproveitado a fragilidade estratégica do BE para se escusar a cumprir a palavra dada, no primeiro momento em que teve necessidade de o fazer.

Mas não, o Público titula "BE recusou proposta de Costa que baixava TSU dos trabalhadores" (uma informação marginal face à dimensão da cedência do BE) e o editorial do Público chama coragem à enésima demonstração de falta de palavra de Costa, para quem os compromissos de hoje são amanhã meras dificuldades de comunicação que é preciso gerir com atenção.

E será assim mais um ano: tudo o que Passos fizer, faça o que fizer, é evidentemente uma estupidez, tudo o que Costa fizer, faça o que fizer, é um golpe de génio para a grande maioria dos jornalistas que escrevem sobre política.

E se uma eleição no futuro vier desmentir tudo o que os jornalistas foram escrevendo no entretanto, a responsabilidade será de qualquer coisa que logo se verá, nunca será dos jornalistas que simplesmente se demitiram de procurar entender a realidade, investindo cada vez mais no esforço de a formatar.
Texto: Henrique Pereira dos Santos, Corta-fitas, 26-12-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-