sábado, 17 de dezembro de 2016

Passos Coelho Ainda Não Governou

Cristina Miranda

No governo de Sócrates, o país gozou de uma prosperidade “caviar socialista” onde não faltou festa em todo o sector público. O dinheiro que caía do céu aos trambolhões, “made in” UE, dava para tudo. Não houve, na história de Portugal, período de maior regabofe que este que nos hipotecou por décadas. Nele nasceram os piores negócios ruinosos de sempre na CGD, com SWAPS e PPP. Depois da festa, Sócrates cortou pensões e salários dos funcionários públicos para manter o barco à tona e subiu IVA. Mas o buraco no casco era tão grande que em Março de 2011, já só havia dinheiro para pagar mais um mês de salários e pensões. Estávamos falidos. Teixeira dos Santos chama a Troika e o memorando de entendimento foi assinado. A UE resgatou-nos.

Dizer-se que quem veio a seguir, governou, é desonestidade intelectual. Na verdade, veio cumprir o que tinha sido acordado pelo governo anterior. Portanto, na melhor das hipóteses, veio aplicar o receituário ao doente, prescrito pelos médicos do anterior executivo, ou seja, cumprir deveres assumidos. Sem alternativas. Recebeu um país doente, quase moribundo, que era preciso curar antes de o pôr a produzir bem-estar. Por isso, não pode ser imputada nenhuma responsabilidade pela austeridade imposta. Os cortes nos salários e pensões já tinham sido feitos. O aumento do IVA para 23%, também. As outras decisões estavam definidas no memorando. Governar era a fase seguinte. Aquela em que, depois de cumprida a missão de resgate, o país, já estabilizado, retomaria seu caminho. Esse percurso foi de facto iniciado. Mas foi abruptamente interrompido por eleições.

Sem vencer nas urnas, o nosso “Indiana Jones” português, não perdeu tempo. Sabendo dos cofres cheios, transformou-se em salteador da arca, e apoderou-se do poder enquanto havia dinheiro para gastar. Uma manobra de mestre, diga-se, que, à conta de todo o esforço sofrido dos contribuintes durante 4 anos, pagou promessas eleitorais a uma classe amplamente privilegiada, com rendimentos acima da média e deu umas migalhas para os asnos do privado. A popularidade subiu. Pelo meio, repete incessantemente que o Passos é quem tem a culpa das dificuldades impostas aos portugueses porque, claro, vem aí mais eleições e o dinheiro está a acabar. Por isso há que ser rápido antes que a máscara caia…

Quem governa efectivamente e sem desculpas, é Costa. Porque recebeu um país sem Troika, que no 2° trimestre de 2015 subia a procura interna (3,7%); subia exportações (7,1%); subia investimento (5,2%); subia crescimento (1,5%). Mas em igual período deste ano, e sem explicação plausível, sem crise pelo meio, a sua geringonça baixou todos os indicadores para valores miseráveis. Baixou todos alto lá! O défice aumentou de 49 milhões para 933 milhões.

Ninguém pode dizer como seria efectivamente se Passos tivesse governado, mas a avaliar pelo pouco legado que deixou, teríamos, seguramente, à semelhança de Espanha, um franco crescimento, e consequentemente mais emprego, menos impostos, juros mais baixos, reposições graduais sustentadas de rendimentos, menos dívida. Nesse âmbito, teria havido espaço para implementar políticas sociais que estiveram comprometidas com o resgate.

Mas Passos não governou… ainda. Não teve tempo. Resgatou apenas um país da bancarrota e isso faz toda a diferença.

Que o diga Mário Soares, que em 1983, depois de ele mesmo ter falido e resgatado o nosso país, afirmou: “Fez-se a política de austeridade, sabendo de antemão que era tremendamente impopular, embora imprescindível. E, efectivamente, fez-se sangue. O poder de compra diminuiu, houve salários em atraso, contratos a prazo, falências… Era inevitável. Mas a verdade é que não havia outro caminho.”

Porque em boa verdade, nas falências não há políticas de direita nem de esquerda. Segue-se o receituário da cura. Governar é sempre a seguir.
Título e Texto: Cristina Miranda, Blasfémias, 16-12-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-