sexta-feira, 5 de julho de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Enquanto isso, no Castelo da Dinamarca...

Aparecido Raimundo de Souza

OS SENHORES SE LEMBRAM daquele ‘slogan’ “Lula solto?” Teve um gaiato que alterou para “Lula preso, Lula solto”. Deu certo. O petista não está mais encarcerado. Lula agora está solto. Perdão, “souto”. Encarceradamente preso na Polícia Federal, em Curitiba, a cidade que ele ama de coração. Pretende comprar um apê por lá, talvez um novo tríplex ou um sítio, ainda não decidiu. Enquanto não se decide, sabemos que Lula não dá um peido sem que os cachorrinhos que o vigiam deem aquela cheirada básica. Se a coisa feder diferente, Lula não vai. Se feder de acordo como manda o figurino, com perfume francês, por exemplo, Lula vai. Vai aonde?  Ali mesmo, dez passos ou doze.

Lula está sendo protegido, zelado e observado pior, nos perdoem a comparação, mais monitorado e dissecado que o fantástico e instrutivo programa “BBB”, aquela “casa diferente” da Rede Globo. Para quem não sabe, a tal “casa” é conhecida entre nós, seres mortais, como “BBB”.  “BBB” se traduz desde a sua edição prima, por (Boca, Boceta e Bunda). Vamos adiante. Lula parece ter perdido aquela “umildade” dos tempos em que “dava um duro danado trabalhando”.

Não fosse pela perca fatal de um membro, ou seja, de um dedinho, com certeza, até hoje, estaria suando a camisa. Lula sempre foi um ativo e desembestado. Mais desembestado que ativo. Dinâmico, eficaz laborioso e essas qualidades, os senhores sabem, vieram de berço.  Lula nasceu para executar, obrar, pôr em prática, sobretudo, enfrentar as situações difíceis. Haja vista seus arroubamentos em face do tríplex de Guarujá e o sítio de Atibaia. Nenhum “capinha preta” metido a juiz ou, lado outro da “moerda”, os deuses intocáveis e melindrados miSinistros do olimpo (STJ), conseguiram provar que ambas as propriedades eram suas. Pois bem!

Hoje, a postura do cidadão mais conhecido em São Bernardo do Campo, pela sua bravura e “onradez”, como essas moedinhas de um real, sem dúvida alguma, a figura lacigóstica de Lula.  Entretanto, por algum oposto ainda não devidamente explicado, Lula se tornou uma cobra irritante, um ser acrimonioso, irascível e abespinhado. Mais camalioso que aquele sujeito que come bosta e se delicia com o prato pedindo bis. Faz beicinho. Mostra a língua. De Lula, virou Fula e agora, a sua Gula não tem limites.

Lula come as próprias fezes e faz cara feia, cara de zanga. Mantém o cenho franzido, como um menininho travesso. Não se comporta como gente grande. Como ex-presidente de uma nação que ajudou a enfiar no ralo. Assim, sem mais nem menos, Lula resolveu atacar outro personagem partícipe da sua história. Quem?! O miniSinistro Sergio Porro, desculpem, Sergio Moro. E como ele ataca? Dando tiros nos ônibus de seus “companheiros?”.  Na, ne, ni, no, NÃAAOOO!  Lula mudou de estratégia. Reparem.

Em entrevista ao site Sul 21, afirmou de dezenove dedinhos cruzados, que o “Moro está se transformando em um boneco de barro”. E não ficou só nisso. Bateu o pezinho observando que “Ele, um dia, nem que seja no dia da extrema-unção, vai ter que pedir desculpas à sociedade brasileira pela mentira deslavada que ele contou ao meu respeito”. Claro que tal declaração procede. Lula é um santo, senhoras e senhores. Um SANTÉRRIMO. Lula deveria ser “caninonizado” (caninonizado é uma corruptela de cão, de auau bem tinhoso), “beastificado” (de besta) pelo Líder da Santa Madre Igreja Católica como o “SANTINHO DO PAU OCO”.


Entendemos que já passou do tempo. Oxalá, alguém de peito e coragem precisa dizer isso ao mingau, desculpem, ao papa Francisquinho em Roma, antes que o “Pontífififice” bata as botas e vá ver a Glória do Eterno comendo as raízes dos sagrados jardins babilônicos do “Vaiticano”. “Vaiticano” igualmente corruptela de “Vaidarocano”. Lula, a nosso entender, deveria estar de terço nas mãos rezando para o diabo vir logo buscá-lo. Percebam que a desgraça, em entrevista recente, vomitou a altos brados, que viverá até os CENTO E VINTE ANOS. 

No mesmo mote, se Deus permitir, aos cento e vinte, esse porco verá (como viu o brazzzil) a socióloga Rosângela da Silva virar um amontoado de poeira.  E ainda terá fôlego para arranjar outra idiota para substituir dona Mariza. Entendemos que, por agora, Lula necessitaria, careceria sem mais delongas trocar urgentemente seu quadro de advogados. Os causídicos que militam em seus processos, os doutores Cristiano Zanin Martins e a doutora Valeska Teixeira Martins (apesar de estarmos pagando religiosamente em dia seus honorários minguados, ou a bagatela de R$ 40 mil reais por hora), até ontem NÃO CONSEGUIRAM PROVAR A INOCÊNCIA DE SEU PRAGMÁTICO E CONSUETUDINÁRIO CLIENTE. 

Atentem, caros leitores, para um detalhe de suma importância. Não foi só o Lula, que cutucou a curta vara de Moro com a onça do outro lado dependurada no pau. O “deuputado” do PSOL, Glauber Praga (não Braga), chamou Moro de “juiz ladrão”. Glauber Braga pasmem!... em apenas quatro anos aumentou seu patrimônio pessoal em mais de 360%. Como?! Pergunta besta, sô! Trabalhando arduamente. Braga é um lutador.  Aferrado de unhas dentes e colchões, mil perdões colhões. Outro “deuputado”, desta feita, o frustioso Renildo Galheiros, do PC do B-PE, que gafe, a nossa, Calheiros.

Calheiros emparedou o ex-juiz Serginho Moro berrando no circo armado cognominado de “Audiência Pública das Comissões de Trabalho, Direitos Humanos e Minorias e de Justiça e Cidadania”: ‘Vossa Excelência responde muito mal as perguntas. Foge de várias e as que responde Vossa Excelência baixa a cabeça e lê um texto. Qualquer pessoa experiente sabe que quem fala a verdade não precisa toda hora olhar para um texto’.

O fato é que essa galera que vemos cotidianamente por aí está com a vida ganha. E reganha. Aliás, esses políticos de merda fedorenta, que abundam a Capital do País, vivem para reganhar.  Ganham e reganham, portanto, para latirem o que bem entenderem a bel prazer, porque a justiça não os alcança. E quando tenta a grana aparece por debaixo dos panos, fala mais alta. Dita ordens.  Esbraveja palavras de ordem. Eles, os nossos representantes, em Brazzzilia, trazem nos bolsos de suas calças, uma máscara poderosa. A máscara da IMUNIDADE PARLAMENTAR. Imunidade lembra JUSTISSSSSSA.

Fosse um “cu sujo”, do povo, a chamar o Moro de ladrão, ou um desses parlamentares de meia pataca, ou meia boca de vigarista, pilantra e safado (que por traz do carguinho fingem mostrar as unhas, em favor do proletariado sofrido), estaria vendo o sol nascer quadrado, porque para ele, o pobretão, o miserável, seria aplicada a JUSTIÇA. Em resumo de toda essa putaria, de toda essa sacanagem sem precedentes que estamos vendo aí, caríssimos leitores, só nos resta reganhar os dentes e sorrir. Gargalhar e gargalhar. Enquanto seu lobo não vem... kikikikikiki... o juiz Bonat e a sua MÃO PESADA... plim plim... plim...plim...
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha no Espírito Santo, 5-7-2019

Colunas anteriores:
Carta de adeus à Cleuza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-