sexta-feira, 10 de julho de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Curva sem deflexão

Aparecido Raimundo de Souza

UM BANDO DE OITO ENFERMEIRAS, na folga do hospital em que trabalhavam resolveu pregar um trote no novo estagiário de medicina, aliás, um pedaço de apetência em forma de homem capaz de virar a cabeça de qualquer mulher em estado de avidez  desesperadora e pronta para transgredir   todos os outros tipos de pecados existentes.

Até as consideradas sérias e castas não ficariam de fora. Diante da sua insana luminosidade, se derreteriam como plástico jogado ao fogo. Depois que cada uma deu vida e forma a sua “aprontação”, se reuniram num restaurante no centro da cidade e passaram a contar as peraltices que fizeram, enquanto almoçavam e bebiam cerveja:

- Eu coloquei algodão no seu estetoscópio  - disse a primeira, caindo na caquinação.
A segunda não deixou por menos:
- Escondi as roupas dele no armário do diretor, e  ele teve que ir embora pra casa de jaleco e Uber. E gargalhou a mais não poder.

-  Fiz pior, amigas -, esclareceu a terceira  enfermeira, uma morena de fechar o comércio e  tirar o planeta do eixo: - Passei a mão num dedo que cortei de um defunto e coloquei no prato dele lá no refeitório, quando ele se levantou para pegar um copo de refrigerante. Como as demais, se escangalhou de tanto que rinchavelhou do pobre infeliz.

Foi a vez da quarta:
- Meninas, substituí as fichas de seus pacientes e, no lugar delas coloquei fotos de mulheres peladas. Vocês precisavam ter visto a reação dele. Da mesma forma que as demais, galhofou tanto que chegou aos píncaros dos soluços.

A quinta  antes de contar a sua façanha, entornou o copo da cerveja sobre a própria roupa. Chasqueava por antecipação da impostura levada à cabo:
- Amigas, despejei óleo de rícino na sopa que serviram na hora do jantar. Não demorou e ele correu espavorido, para o banheiro.

A sexta enfermeira escreveu várias cartas de amor  como se fosse o pobre do estagiário se declarando, e colocou os envelopes, um de cada vez, em dias alternados, na bolsa da doutora Eva, uma ginecologista chata de galochas que tratava  todo mundo como se fosse suas empregadas.
- E ai, o que aconteceu – quis saber as demais?

- Amigas, na última eu assinei o nome dele. A doutora Eva, que andava cabreira, ao saber de quem se tratava, pegou o coitadinho na garagem do hospital, rasgou as cartas, jogou os pedacinhos na cara dele, e, não contente, aplicou um belo de um tapa na sua fuça.  Meu Deus! Cheguei a ficar com pena. A força da mão da doutora se fez tão forte e vigorosa que até agora pareço estar sofrendo junto com a bofetada desferida.

Chegou a vez da sétima enfermeira trazer à baila a sua sacanagem realizada com o desventurado do estagiário:
- Amigas, eu fui mais sádica na minha perversão. Encontrei um monte de preservativos no bolso do seu jaleco. Sabem o que veio à cabeça? Imaginem! A moça troçava a cada palavra pronunciada,  como se aquilo fosse a coisa mais natural do mundo. Vocês não vão acreditar. Furei todas, todas, sem deixar uma sequer, com uma agulha que passei os cinco dedos assim que cheguei no plantão, pra trabalhar.

A oitava enfermeira, a mais nova do grupo, e diga-se de passagem, a mais bonita e atraente da turma, até então oculta entre mil palavras, invisível aquele instante das demais colegas, teve entrementes,  um difícil e contínuo fim inesperado: Desmaiou.    

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, no Espírito Santo. 10-7-2020

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-