quarta-feira, 11 de março de 2020

Cota para mulher em empresas médias? Que tal em mina de carvão?

Rodrigo Constantino

Já faz tempo que venho alertando para duas coisas:

1. o movimento feminista radical de hoje, em sua terceira geração, pouco ou nada tem a ver com a mulher ou com igualdade de gênero, e muito ou tudo a ver com o esquerdismo; como o socialismo calcado em classes fracassou, é pelo feminismo que ele vem tentando se infiltrar, com relativo sucesso, nos últimos anos.

Cheguei a escrever um texto afirmando que o socialismo venceu por meio do feminismo, e mencionei casos de estado se intrometendo na propriedade privada para impor "equiparação salarial", sem qualquer elo com a produtividade individual. Volto ao tema agora, pois o Senado está discutindo justamente cotas femininas para empresas de médio porte:

No mês da mulher, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) pode aprovar um projeto que cria uma cota de vagas de trabalho para mulheres em empresas com mais de 50 empregados. O Projeto de Lei do Senado (PLS) 216/2016, com a reserva de 30% das vagas nas empresas para mulheres, está na pauta da reunião de quarta-feira (11), às 9h, do colegiado.


Apresentada pela ex-senadora Regina Sousa, a proposta conta com o apoio da relatora na CAS, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). No relatório, Eliziane estabelece que o preenchimento dessas vagas será feito de modo escalonado até atingir o percentual proposto pelo projeto: 30% de mulheres na atividade-fim do estabelecimento. No texto original do projeto, a regra já valeria para as empresas com mais de dez empregados, o que foi modificado por meio de emenda da relatora.

O deputado Paulo Eduardo Martins desabafou: "Projeto obriga que 30% das vagas em empresas sejam para mulheres. Você não será contratada pela necessidade e adequação ao que a empresa precisa, vai ser contratada porque a empresa tem que lacrar. Ou seja, ninguém será contratado. É pra lacrar o caixão do país".

Alexandre Borges ironizou: "Por que não 100%? Se o estado quer escolher quem pode ser contratado em empresas privadas, por que só se meter em 30% das vagas? Não pensem pequeno, intervencionistas! Carga tributária obscena, produtividade mínima, CLT herdada do fascismo, mas para o politburo ainda é pouco".

De fato, o Brasil cansa. O único caso em que aceito uma exceção é uma empresa de mineração de carvão. Cota de 50% para mulheres, de preferência feministas. Bora colocar as feminazis para descer nas minas de carvão em nome da igualdade de gênero!

Força, guerreiras!
Título, Imagem e Texto: Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo, 11-3-2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-