segunda-feira, 6 de julho de 2020

Ciro Button. Ou Benjamin Gomes

O sessentão estacionado na primeira infância quer brincar de Robin Hood no gabinete presidencial

Augusto Nunes


Candidato à Presidência da República pela quarta vez, Ciro Gomes resolveu chegar ao Palácio do Planalto pelo caminho do meio, o mais adequado a quem pretende mostrar-se igualmente distante da extrema direita fiel a Jair Bolsonaro e da extrema ladroagem comandada por Lula. (No Brasil, usa-se extrema ladroagem porque, como ensinam os doutores em ideologia, a antiga extrema esquerda se dissolveu na frente ampla composta pelos 70% que declararam guerra ao fascismo em defesa da democracia. A porcentagem inclui os nostálgicos do stalinismo homiziados em movimentos sociais e os órfãos do maoísmo acampados no PCdoB. Essa caricatura das Diretas Já também sonha com a liberdade dos corruptos, mas isso não é coisa a ser dita em manifestos.) O problema de Ciro é que a estrada escolhida só se pode percorrer sem sobressaltos por homens públicos providos de sensatez, tolerância, equilíbrio e coerência. Nada a ver com uma figura que primeiro fala e pensa depois. Isso, quando pensa.

O beligerante cearense nascido no interior paulista nem precisa de adversários para perder disputas presidenciais: em 1998, 2002 e 2018, Ciro Gomes deixou claro que sabe melhor que qualquer um como se derrota um Ciro Gomes. Na primeira tentativa, a candidatura começou a fazer água quando Ciro chamou de “burro” um eleitor que dele divergiu durante a conversa telefônica transmitida ao vivo por uma emissora de rádio. E afundou de vez no momento em que o candidato definiu o papel a ser desempenhado durante a campanha pela atriz Patrícia Pillar, com quem estava casado: dormir com o candidato, resumiu o maridão. Quase vinte anos depois, ao chamar para a briga o juiz Sergio Moro, Ciro confirmou que, quando se trata de gente, graves defeitos de fabricação não têm conserto.

“Hoje esse… esse Moro resolveu prendê um… um bloguero?”, desandou no meio de uma entrevista o campeão de bravatas e bazófias. “Ele que mande me prendê, que eu recebo a turma dele na bala.” Endereçado ao juiz que simboliza a Operação Lava Jato, o tiro ricocheteou na língua portuguesa antes de atingir, de novo, a testa do pistoleiro que faz mira só depois do disparo. Se fosse mais gentil com o idioma, Ciro receberia à bala, nunca “na bala”, os agentes da Polícia Federal que formavam o que chamou de turma do Moro. Se respeitasse a inteligência alheia, não diria que o juiz federal “resolveu prendê um bloguero”. Moro apenas determinara que um blogueiro incluído entre os alvos de uma investigação prestasse depoimento.

Ao pousar na casa da família em Sobral, a criança que nem aprendera a falar já era um velho coronel sertanejo

Por terem lido o conto ou assistido ao filme, quase todos os leitores conhecem o estranho caso de Benjamin Button. Criado pelo escritor F. Scott Fitzgerald e interpretado no cinema por Brad Pitt, o personagem chega ao mundo com aparência de octogenário e vai remoçando com o tempo. Ultrapassa a velhice, chega à maturidade, desfruta da idade adulta, alcança a adolescência, faz escala na infância, desaprende a falar e morre com o frescor de quem acabou de vir ao mundo. Disso muita gente sabe. O que poucos notaram é que há no Brasil uma versão degenerada da criatura forjada pela imaginação de Fitzgerald. Seu nome é Ciro Gomes.

Ao pousar na casa da família em Sobral, a criança que nem aprendera a falar já era um velho coronel sertanejo. Adolescente, tinha ideias tão grisalhas que se filiou ao PDS, legenda surgida das cinzas da Arena para garantir a supremacia do regime militar no Congresso e nas assembleias legislativas. “Entrei no PDS porque era o partido do meu pai”, recita o primogênito que se tornou deputado estadual com pouco mais de 20 anos. Ele nunca revelou quais laços de sangue determinaram as sucessivas trocas de partido. Depois do PDS, estagiou no PSDB, no PMDB, no PPS, no PSB e no PROS. Antes de pousar no PDT, Ciro foi prefeito de Fortaleza, governador do Ceará, ministro do governo Lula, deputado federal e três vezes candidato à Presidência.

Pretende taxar pesadamente os ricos. Quer ser presidente da República e Robin Hood ao mesmo tempo

As mudanças de partido e de cargo não alteraram a trajetória de Ciro Button. Ou Benjamin Gomes. Quarentão, lembrou um jovem inconveniente ao qualificar a capital cearense de “puteiro a céu aberto”. Chegara aos 50 quando revelou à atriz Letícia Sabatella, com a delicadeza de colegial que briga todo dia na porta do colégio, uma regra que não pode ser esquecida por quem faz política: “Tem de meter a mão na merda”. Aos 62 anos, anda cada vez mais parecido com um delinquente juvenil em gestação. Ataca Lula, ofende FHC, elogia Lula, insulta Bolsonaro, critica Lula, manda militantes do PT “à puta que os pariu”, afaga Lula. No dia seguinte chama um general de “canalha” e de “filhos da puta” eleitores anônimos que o provocaram ao passar diante do bar em Fortaleza. Troca palavrões por discurseira de ministro do Supremo quando aparece na TV, desfia rosários de números em lives e faz o diabo para manter-se em campanha.

Tanto faz que, para escancarar na gravação de um vídeo a dor que sentia ao pensar no sofrimento dos moradores de rua ameaçados pela pandemia de Coronavírus, caprichou na pose de menor abandonado e tentou cair no choro. Não apareceu uma única e escassa gota no canto de qualquer olho. Então, Ciro escavou no semblante rugas e vincos tão convincentes que acabou inventando o pranto convulsivo sem lágrimas. Nada de mais para quem prometeu em 2018 pagar todas as dívidas dos milhões de inadimplentes e agora promete arrecadar R$ 3 trilhões em dez anos cobrando impostos pesadíssimos dos detentores de grandes fortunas. Os ricaços do Brasil que se cuidem: um sessentão estacionado na infância quer ser presidente da República e Robin Hood ao mesmo tempo.

Ao virar setentão, o Benjamin Button à brasileira vai acordar aos berros os companheiros de berçário enquanto troca a calça curta pela fralda. Na última semana de vida, já sem saber falar, fará cara feia para a babá. Ou para um dos irmãos. Bebês de colo são tão imprevisíveis quanto um Ciro Gomes.

Título, Imagem e Texto: Augusto Nunes, revista Oeste, nº 15, 3-7-2020

Relacionado:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-