segunda-feira, 13 de julho de 2020

Por críticas, China impõe sanções a dois senadores dos EUA

Decisão foi comunicada pelo Ministério das Relações Exteriores da China; não foi divulgado em que consiste essas sanções

Gabriel Oneto

Imagem: mohamed mahmoud hassan/ Public Domain
A China anunciou que vai impor sanções aos senadores norte-americanos Marco Rubio e Ted Cruz, ambos do Partido Republicano. Essa medida tem caráter mais simbólico e é uma retaliação à posição dos EUA sobre a repressão chinesa na província de Xinjiang.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, afirmou que as sanções começam a valer nesta segunda-feira. Essa medida, que não foi detalhada, também vai atingir o embaixador Sam Brownback, o representante Chris Smith e a Comissão do Congresso para a China.

“Xinjiang é um assunto interno da China e os EUA não possuem o direito de interferir”, afirmou Hua. “Nós exigimos que os EUA imediatamente voltem atrás das suas decisões erradas, pare de interferir em assuntos internos da China. Nós vamos tomar novas ações de acordo com o desenvolvimento da situação”, concluiu.

Conforme já divulgado por Oeste, o Congresso dos Estados Unidos, com o apoio de ambos os partidos, aprovou um projeto de sanção contra autoridades chinesas que participam da repressão ao povo uigur, em Xinjiang. Além disso, a repressão chinesa a Hong Kong também é alvo das sanções norte-americana. A informação é da agência de notícias Bloomberg.

Repressão aos uigur
O povo uigur possui cerca de 25 milhões de pessoas que moram majoritariamente na província de Xinjiang, no extremo oeste da China. A região possui um forte movimento que luta pela autonomia e que é fortemente reprimido pelo regime comunista de Pequim.


Conforme denúncia feita pela ONU, cerca de um milhão de uigur estão detidos em campos de concentração que são mantidos pela ditadura chinesa. Desde que o atual presidente da China, Xi Jinping, assumiu o poder em 2015, a repressão aumentou consideravelmente.

Existem denúncias que empresas chinesas utilizam a mão de obra escrava de prisioneiros uigur. Como já divulgamos, no dia 13 de junho a Agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP) apreendeu 13 toneladas de produtos vindos de Xinjiang suspeito de utilizar mão de obra escrava.

Título e Texto: Gabriel Oneto, revista Oeste, 13-7-2020, 11h45

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-