sábado, 4 de fevereiro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Fora dos trilhos

Aparecido Raimundo de Souza

ALOÍSIO PEGARIA o trem às 7h30 de sexta-feira, impreterivelmente. Nenhum minuto a mais, nem a menos. Preparou as malas. Reviu item por item o que pretendia levar na bagagem. Dormiria cedo. Nada de televisão esta noite. Antes de se recolher botou o celular para despertar às 5h. Ligou para Ana, sua noiva. Meia dúzia de palavras. Dia seguinte teriam mais de quinze horas para ficarem juntos num passeio que prometia ser inesquecível. Trocaram carinhos. Beijos e juras de amor. O essencial para manter acesa a chama do coração. Desligaram simultaneamente com um meloso “boa noite, durma bem. Te amo”.

As 5h, em ponto, o celular despertou Aloísio de um sono gostoso. Pulou da cama ligeiro e correu para o banheiro. Fez a barba, tomou banho, vestiu as roupas novas que havia comprado. Discou para a noiva às 5h30. Ela estava pronta, esperando a ligação:
— Falta só engolir o café que a mãe fez, amor, e comer um pãozinho com manteiga.
— O trem sai às 7h30 em ponto.
— Legal. Estarei lá.
— Então, até...
— Até.
— Te amo!
— Eu também.

Do bairro onde ficava a casa de Aloísio até à estação, meia hora. Dava para fazer o percurso a pé, caso optasse por não pegar ônibus lotado. Talvez, por isso, Aloísio tenha, realmente, resolvido caminhar. Geralmente, àquela hora, apesar de ser o último dia útil, os passageiros dos coletivos andavam iguais a sardinhas em lata. O quadro não mudava nunca. Somado a isso, o inconveniente da galera, aglutinada (apesar do desodorante e do perfume baratos), conservava os sovacos cheirando a bacalhau apodrecido. Pensando nesses contratempos, saiu e se pôs em marcha, com uma boa margem de antecedência. Quando Ana saltou, do outro lado da pista, ele igualmente descia as escadas de acesso à estação ferroviária, trazendo, a reboque, uma bolsa enorme. Foi a jovem quem o avistou primeiro. Levantou os braços e gritou:
— Beeeeeem... espere.
Aloísio ouviu a voz da consorte na segunda chamada. Deteve os passos. Ana cruzou a avenida movimentada, usando a passarela enorme que se estendia de um lado a outro, indo afluir, de frente, ao átrio de embarque. Depois de um amontoado de beijos e abraços à volta ao mundo real.

— Vamos nessa?
— Demorô.
— Que horas?
— Sete em ponto.
— Temos ainda trinta minutos.
— O trem nem encostou...
— E não chegou muita gente, pelo visto.
— Mas observe que está tudo aberto.
— Percebi.
— Dá tempo para comprarmos alguma coisa para comermos pelo caminho, se você quiser. Embora eu ache que não seja preciso. Mamãe fez cachorros quentes e sanduíches de mortadela e queijo.
—Tem razão, amor. Vamos economizar. Sua sogra mandou frutas, biscoitos e dois litros de refrigerantes, além daquele bolo de chocolate que você tanto gosta.


O chefe da estação, de andar lento e cansado (lembrava o velho e obeso sargento Garcia da série Zorro) barrou os dois à roleta de acesso à plataforma:
— Bom dia, meus amados. Vocês dois pretendem ir para onde?
— Pegar o trem.







— O trem? Meus filhos, a esta hora ele está bem longe daqui. Outro, agora, só amanhã...
— O trem partiu? Como? O horário de saída não é às 7h30?
— Perfeitamente. Só tem um probleminha: que horas aí no seu relógio?
— 7h20.
— E no seu, moça?
— 7h19.
— Desculpem. São 8h25. Só para lembrar aos pombinhos: o horário de verão começou ontem, à meia noite.
Pelo visto, vocês dois empacaram no horario velho. Posso dar uma sugestão? Troquem os ticketes para amanhã ou se preferirem, para o proximo final de semana. Os valores pagos não se perdem. Valem por um ano.

Oh, my God...
— Não acredito! Amor, que mico. Racha a cara!...

Aloísio, na verdade, se esquecera de adiantar os ponteiros. Ana também, levada pela euforia de saber que passaria um final de semana inteiro com seu príncipe encantado. Vencido o impacto do primeiro choque, e depois de trocados os bilhetes, ambos se retiraram cabisbaixos e chorosos, procurando refúgio na onda gigante da tristeza frustrante que de repente os envolveu.

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista, de São Bernardo do Campo, Região do Grande ABC Paulista, São Paulo, 4-2-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-