sábado, 11 de fevereiro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Sapiência benemérita

Aparecido Raimundo de Souza

1
O REPÓRTER sai pelo meio da feira livre, microfone nas mãos, tropeçando atabalhoadamente nas pessoas que circulam pra lá e pra cá, num vai e vem desordenado. Atrás dele um cinegrafista registra tudo. O primeiro que aparece, puxando um carrinho de abacaxis, ele ataca, sem melindres, como se fosse dono do pedaço.
— Amigo, bom dia.
— Bom dia.
— Como é seu nome?
— Tarcísio Valadares.
— Vou lhe fazer uma perguntinha básica, valendo um ingresso para o FLA X FLU neste final de semana no Maracanã.
— Eu tenho que responder?
— Claro, pra ganhar.
— Ah, saquei.
— Muito bem. Seguinte. A mãe de Maria tem cinco filhos: Lá... Lé... Li... e... Ló. Como se chama o último?

2
— Barbada.
— Então responde. Como ele se chama?
— Lú.
— Errou. Obrigado pela sua participação. Você aí, de camisa laranja, carregando essa melancia enorme. Seu nome?
— Pra quê?
— Vou lhe dar de presente um ingresso para a decisão do campeonato carioca FLA X FLU. Para levar o brinde responda ao que vou lhe perguntar. A mãe de Maria tem cinco filhos: Lá... Lé... Li... e... Ló. Qual é o nome do último?
— Do último? Como é que é...?

O repórter se enfurece com o pouco caso do sujeito, mas não desiste. Mais um se aproxima. Esse cidadão, contudo, parece não gostar de jornalistas. Foge. O jovem entrevistador, todavia, vai ao encalço e encurrala o infeliz na banca de assessórios e miudezas para casa:
— Amigo, por favor, um segundo. Como é seu nome?
— Messenas. Valdomiro Messenas. Eu lhe conheço?
— Acredito que não. Sou repórter do programa Bola Dentro e estou com um ingresso aqui na minha mão para o jogo do FLA X FLU no Maracanã.
— Você me caiu do céu. Estava indo comprar a droga desse ingresso de um amigo de um amigo, e, ainda assim, imagine, no câmbio negro.
— Pois então, vai levar para casa, de graça, se responder à pergunta. Como pode perceber, estava perdendo a chance da sua vida.

3
— Verdade. Desculpe. Então, vamos à indagação.
— Preste atenção. É fácil. A mãe de Maria tem cinco filhos:
— Cinco?
— Exatamente. São eles, a Lá... o Lé... o... Li... e... o... Ló.
— Tá. E daí?
— Qual o nome do último?
— Temporão!
— Meu Deus, não é possível! Ninguém acerta! Vamos continuar tentando... ei você aí.  Você mesma, com a sacola cheia de verduras, bom dia. Dá um minuto da sua atenção?
— Pra você, até dois.
— Seu nome?
— Amor, gato. Quer meu telefone, Face, Twitter e  WhatsApp também?
— Falo sério. Vou lhe fazer uma pergunta fácil de responder. Chupeta no mel. Não é preciso pensar muito.
— Tá. Meu nome é Zica do Amor Perfeito.
— Bonito nome. Diferente...
— Só o nome?
— Zica, preste atenção. A mãe de Maria tem cinco filhos, Lá... Lé... Li... e... Ló. O que quero saber é: qual o nome do último?
— Derradeiro...
— Nem valendo um ingresso para um clássico do futebol carioca? Por minha conta, vou dar dois ingressos.

Grita.
— Dois ingressos. Agora darei dois ingressos.
O povo, apesar dos berros, continua indiferente. O jornalista não se dá por vencido. Insiste. 
— Senhor, o prezado aí, com a cadelinha nas mãos.  Bom dia. Quer ganhar dois ingressos para assistir, neste final de semana, no Maracanã, o clássico FLA X FLU?
— Claro. O que preciso fazer?

4
— Matar uma charadinha. Preparado?
— Sempre...
— Como é seu nome?
— Pindolino Aragão.
— Perfeito, seu Pintofino...
— Ei, rapaz, Pindolino.
— OK. Desculpe. Olhando aqui para esta câmera.
— Qual delas?
— Senhor, só tem uma câmera aqui.
— Perdão. É que estou meio zarolho, ou fiquei, com essa sua proposta, sei lá. Só em pensar no fato de ganhar dois ingressos para assistir ao meu Mengão, nossa, cara, viajei. Desculpe...
— Tudo bem, tudo bem, relaxa. Vamos à charadinha?
— Que venha.
— Seu Pindolino, a mãe de Maria, tem cinco filhos...
— Tô ligado...
— São eles, Lá... Lé... Li... e... Ló. O que eu quero saber do senhor é muito simples. Valendo dois ingressos para o FLA X FLU, no Maracanã. Não tem segredo: qual é o nome do último?
— Caçula... puts!...  me deu  branco...

O jornalista desiste da empreitada e vai embora. Todavia, as posições se invertem. Pindolino, agora é quem corre em seu encalço. Ao fazê-lo, se esgoela, a plenos pulmões, enquanto o cachorro late:
— Aqui, meu amado. Lembrei... volta... volta aqui. Ei, espere... caralho, o nome do último é raspa de tacho...?!  - Não! Seria camisinha furada?!
Sem dar atenção aos clamores de atarantado Pindolino, o repórter e o cinegrafista pulam para dentro do carro de reportagem e desaparecem na poeira.

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista, de Vila Velha no Espírito Santo, 11-2-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-