quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Rafael Marques denuncia execuções extrajudiciais em Angola

Agência Lusa

Rafael Marques e Linda Thomas-Greenfield
O jornalista e ativista angolano Rafael Marques denunciou hoje em Washington, durante um encontro no Departamento de Estado americano, o aumento de execuções extrajudiciais em Angola e questões sobre a sucessão presidencial.

O ativista encontrou-se com a subsecretária de Estado para os Assuntos Africanos, Linda Thomas-Greenfield, e com o subsecretário para os Direitos Humanos de pessoas LGBT, Randy W. Berry.

“Falámos sobre a sucessão presidencial em Angola e os desafios que levanta, sobre a situação dos direitos humanos, da liberdade de expressão e imprensa e também sobre o aumento das execuções extrajudiciais”, disse à Lusa Rafael Marques.

Em dezembro, o ministro da Defesa de Angola, João Lourenço, foi indicado pelo chefe de Estado e presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, para ser o candidato do partido à Presidência da República nas eleições deste ano, num processo que Rafael Marques considerou uma “transmissão do testemunho autocrático”.

Sobre as execuções extrajudiciais, o jornalista garante que durante o último ano, quando começou a monitorizar estes crimes, mais de cem jovens foram mortos.

“Estes jovens foram fuzilados, com um tiro na cabeça, pelas autoridades. Tenho fotografias. Muito recentemente, um jovem foi assassinado em frente aos sobrinhos de cinco e sete anos”, explicou.

Marques diz que “o argumento usado é que [estas pessoas] são delinquentes, mas muitos são inocentes” e que “há apoio popular a este tipo de execuções porque as pessoas acreditam que o governo está a resolver o problema da delinquência”.

Apesar de acreditar que esta “é uma questão que tem de ser resolvida internamente”, o jornalista diz que as execuções “violam o direito internacional”, o que justifica a sua denúncia no estrangeiro, e que, “normalmente, há uma reação das autoridades quando percebem que perderam o controlo do fluxo de informação”.

Rafael Marques disse à Lusa que os seus interlocutores americanos “tomaram nota” das suas preocupações numa “conversa muito franca e aberta”, mas que não espera nenhuma atitude do governo dos EUA.

“Os Estados Unidos seguem muito atentamente a situação dos direitos humanos e da liberdade de expressão em Angola. E quantas mais vozes ouvirem, melhor opinião conseguem formar. Mas todas as mudanças cabem sempre, e primeiro, aos angolanos”, explicou.

Rafael Marques tem mais reuniões marcadas em Washington para os próximos dias, nomeadamente junto do Departamento de Estado, para falar sobre um novo pacote legislativo aprovado no final de janeiro que, garante, “praticamente declara a morte da liberdade de imprensa em angola”.

“Já há 20 anos que tenho estes contatos com o Departamento de Estado e sou muito bem recebido. É muito importante manter este diálogo. É uma forma de os EUA ouvirem outras vozes, fontes da sociedade civil, e melhor formarem uma opinião sobre o que se passa em Angola”, concluiu.
Título e Texto: Agência Lusa, Maka Angola, 8-2-2017

Relacionados:

Um comentário:

  1. Que interessante! Custou a acreditar! Uma senhora negra (afrodescendente) como subsecretária de Estado do governo do racista, hitler, nazista, islamofóbico, misógino (adoro este epíteto – ainda não consegui um desses para mim), imperialista, ista, istinho, istão e tantos et cetera.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-