sábado, 29 de julho de 2017

[Aparecido rasga o verbo] A insídia

Aparecido Raimundo de Souza

‘A morte é um passo absurdo. Junta os pés de todo mundo’
Lau Siqueira

EU TRAGO O CANSAÇO OFEGANTE das estradas na poeira nojenta encravada em meu corpo. Os pés endurecidos e calejados de passos, a voz embargada, enregelada por soluços e, no peito, as dores traiçoeiras nascidas da solidão de todos que me desprezaram aos reveses da sorte. Coladas em mim, me acompanham, as frustrações e malquerenças dos seres humanos perdidos em lembranças e, no coração magoado, se fazem presentes às batidas descompassadas pelos dissabores da revolta de estar sempre na busca constante do nada. 

Caminham comigo, lado a lado, as desgraças e as misérias dos derrotados.  Igualmente, as infelicidades dos homens aflitos e os atravancamentos das mulheres que não conseguiram galgar as aspirações e os sonhos que tinham ao alcance das mãos. Estão sempre aonde quer que eu vá, ou esteja restos de amores desfeitos, relíquias amargas e destroços mortiços e sombrios. Na verdade, pedaços e porções das muitas alegrias interrompidas e não compensadas por motivos outros que sequer ousaram vingar. E pelo andar da carruagem, nunca ousarão.

Para me tornar mais nimbosa e peçonhenta do que sou, tenho, no rosto, o trágico sorriso que as crianças esqueceram. Nos lábios, palavras amigas jamais pronunciadas e, no sangue –, bem, no sangue -, as partículas das maldades eternas se arrastando, toldadas, como vermes malévolos pelas esquinas obumbradas do silêncio taciturnamente constrangedor. Está guardada dentro de mim, a mais cruel das apoquentações existentes na face da terra. Exatamente aquela que fere e não cicatriza. Que machuca e não sara. Que faz doer e não se debela. Nunca se medica. A desgraça.

Além de não convalescer, na mesma paulada, essa desgraça aniquila e definha, pouco a pouco, sem dar esperanças de se acurar, ou de se consumar. Já não falo no vil e sórdido esmorecimento, açoitado pelas brumas do mal, baralhada com a neurastenia, para, no minuto seguinte, transformar a chuva fina que cai intermitente, num temporal de fustigações cruéis, notadamente, nas vidas de cada um que visito. E eu patrulho meticulosamente, vidas e vidas, todos os dias...

Por conseguinte, carrego as desdouras inconstâncias dos fracassados, os insucessos dos desfortalecidos de espírito, as fúrias dos oprimidos que sucumbiram (e sucumbem) em misérias e não tiveram a coragem suficiente de moverem as barreiras do tempo para tentarem mudar seus destinos no painel comum das acontecências. O frio esquálido das masmorras e o vazio gélido e sepulcral das cadeias infestadas de cadáveres em busca de luz são como sombras perniciosas a me protegerem.  E maleficamente me resguardam...

Seguem meus passos, em trilho contíguo, as angústias embaraçosas dos espectros apodrecidos nos pavilhões e corredores dos hospitais e enfermarias, como, igualmente, a vã esperança de cura para os atirados aos leitos dos nosocômios e sanatórios. De contrapeso, conservo a fé destruída, exterminada, fragmentada em mil pedaços. Constantemente, tenho ao meu redor, sob meus mandos e caprichos, uma multidão de resignados e desiludidos, decepcionados e desenganados pelo câncer e pelo fogo selvagem das doenças e moléstias incuráveis. E esses andrajos, a cada novo dia, crescem de intensidade como as bactérias em meio a detritos a céu aberto.

Outros infortúnios e desditas marcam assídua presença à minha beira: a separação dos casais, a desunião das criaturas, os entulhos e as ruínas de lares desfeitos, as desalegrias e as desesperanças enfraquecidas e narcotizadas dos que vivem em plena harmonia. Atrapalho, de maneira fulminante, os cultivadores do bem e interfiro diretamente na sorte dos não vaidosos e descaídos, colocando, em seus calcanhares, as raias comuns das malquerenças, acompanhadas de densas nuvens negras de embaraços e azares...

Eu trago mais. O canto ingrato das agonias e urucubacas, as quimeras desfeitas, o transtorno brutal, o choro convulso dos adolescentes e, de roldão, o desejo veemente de ferir a ilusão de cada um, de lesionar profundamente cada ser vivente combalido e de agredir, moralmente, aqueles gentios que caminham em busca de luz nas trilhas da paz perene.

Eu trago, ainda, os presságios escoriados da vida, os júbilos e as festanças, por menores que sejam me fazem mal. O sol da primavera me golpeia os olhos e a noite me cega os sentidos. Por essa razão, a quietude dos pântanos me agasalha os passos, a deformidade inópia do passado é o meu escudo e a indigência da exacerbação minha maior aliada.

Eu tenho, comigo, a chave para decifrar o enigma que toda humanidade busca. Por isso mesmo, sou o eterno problema da vida, a pedra nos sapatos dos estudiosos, dos jovens de todas as idades, dos namorados, dos noivos, dos velhos, das crianças. Eu desafio a inteligência dos cientistas e me faço incógnita e insondada na equação de todos os credos.

Eu me desordeno, ainda, por inteira, na linha daqueles que sonham alto demais. Na verdade, eu me desfiguro na barreira que atrapalha tanto o rico, na sua opulência, quanto o miserável na sua desdita, almejando alcançar o ponto mais alto do pódio.  Amo ser a maligna que derruba o “grande”, do seu pedestal como, em contrapartida, empurro o “pequeno”, abismo abaixo. Destruo o orgulho na sua arrogância e faço o copo trasbordar sem lhe acrescentar a gota minguada.

Eu gero a força oculta nos gestos que espalho. Nos menores trejeitos está a minha magnificência. Virei à emboscada, a artimanha, o estratagema na individualidade do conduto de cada pessoa. O buraco negro, de sete palmos de profundidade, onde todos, indistintamente, terão de cair, vencidos, implorando clemencia, de joelhos, curvados aos meus anseios. 

Na cintura está, em ponto de bala, a arma engatilhada para tolher aqueles que buscam conquistar um amanhã em troca de qualquer coisa, seja a que preço for. Por conta disso, verguei à perfídia dos que não tem religião onde se agarrar. Sou os olhos dos sem fé, as mãos dos imbecis e as pernas dos sem Deus. Deveras, me resignei ao derradeiro degrau da insolência. Posso ser encontrada no início, no meio ou no fim da corrida, seja da carreira em busca de dias melhores, ou em ensaio à magia da felicidade. Alimento e me regozijo em temperar o obscuro que está por vir depois, bem ainda, o tenebroso de tudo o que ainda acontecerá num futuro próximo.

Mesmo ângulo aprisiono e encarcero os pecados. Detenho, a meus serviços, o vazio imensurável, a ponte salvadora entre Deus e o homem. Tenho guardado, a sete chaves, o suspiro final. O adeus sem volta, sem restituição, sem expectativa de ressurgir das cinzas. Coloco nos olhos dos protagonistas desta terra, as lágrimas aflitas e tormentosas da cruel e desumana saudade. Bem preservada, bem arquivada, conservo a imagem do medo, na sua forma mais obscura de temperamento e rigidez. O receio mórbido da morada após sepultura e o cheiro acre das flores perdendo o viço, fenecendo lentamente num devagar sem pressa e sem retorno vem logo a seguir.

Manipulo a bel prazer o direito nas coisas que faço. Sou a advogada que defende. A promotora que incrimina. A juíza que sentencia.  Lado igual, o carrasco que usa a sua lei perversa, para fazer da sua presa, a vítima sem direito a qualquer tipo de argumento ou compaixão. Compaixão, aqui entendida, no sentido amplo de se ver livre das minhas garras. Portanto, me viro na corda do cadafalso, onde cada pescoço indistintamente se desvencilhará do corpo... e virá para mim...

Por conclusão, sem tirar, nem pôr, me ponho à gula, me arbítrio, à algema, me coto à autoridade que pesará na hora de proferir o alvedrio que executará seu passamento desta para outro andar. Vem de lambuja a maior de todas as justiças. A mais certa. A que não deixa dúvidas. Oxalá, talvez, seja por todas essas e outras tantas razões, que a medicina venha fazendo pesquisas e mais pesquisas, desde os tempos de Leviatã e Moisés, para ver se encontra, dentro de mim, a doença que me definha o espírito.  Em verdade em verdade amadas e amados compreendo e conscientizo que não tenho cura...

EU SOU A MORTE!...
Título e texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Vila Velha, no Espírito Santo, 28-7-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-