quinta-feira, 16 de julho de 2020

[Sem rodeios] "Inês está morta"

Vanderlei dos Santos Rocha

Pois,
Não importa as "causas mortis", nem quando morreu, tampouco seu parentesco ou crimes de iguais relevâncias.

Eis que é tarde, Inês morreu.

É muito tarde para tomarem-se atitudes. Nenhum de nós pode sequer ir ao enterro.

Brigamos por espólios.

Assim foi com a Panair do Brasil, voamos com muitos de suas viúvas.

Morreram a Real Aerovias, a Cruzeiro do Sul, a Transbrasil e a Vasp.

Se foram assassinadas não nos importa mais, os crimes prescreveram.

Funcionários públicos de varas de falência enriquecem.

Os crimes de "Fiel depositários" só prendem e processam pobres coitados.

Hoje vejo os ex-funcionários da VARIG delirando, se mutilando em que a VARIG como fênix renasça das cinzas.

Foi um jogo de poker que deram "all in" sem cartas vencedoras.

Somos cornos abandonados que querem receber de volta, uma velha raquítica que ninguém quer ou pode sustentar de novo.

Quinquagenários, sexagenários e septuagenários em dilemas de vida.

Que tal a VARIG voltar e perdermos nossas tutelas.

Inês está morta.

O Assassínio de Inês de Castro (em russo: Смерть Инессы де Кастро) é uma pintura a óleo sobre tela do pintor russo Karl Briullov, datada de 1834 e que se encontra atualmente no Museu Estatal Russo em São Petersburgo. Wikipédia
Inês de Castro é um episódio lírico-amoroso que simboliza a força e a veemência do amor em Portugal. O episódio ocupa as estâncias 118 a 135 do Canto III de Os Lusíadas e relata o assassinato de Inês de Castro, em 1355, pelos ministros do rei D. Afonso IV de Borgonha, pai de D. Pedro, seu amante. É narrado, em sua maior parte, por Vasco da Gama, que conta a história de Portugal ao rei de Melinde. Considerado um dos mais belos momentos do poema, é a um só tempo um episódio histórico e lírico: por trás da voz do narrador, e da própria Inês, percebe-se a voz e a expressão pessoal do poeta. Camões, através da fala de Vasco da Gama, destaca do episódio sua carga romântica e dramática, deixando em segundo plano as questões políticas que o marcam.

Camões em Os Lusíadas, relata assim:

Episódio de Dona Inês de Castro
(Os Lusíadas, Canto III, 118 a 135)

Assi como a bonina, que cortada
Antes do tempo foi, cândida e bela,
Sendo das mãos lacivas maltratada
Da minina que a trouxe na capela,
O cheiro traz perdido e a cor murchada:
Tal está, morta, a pálida donzela,
Secas do rosto as rosas e perdida
A branca e viva cor, co a doce vida.
As filhas do Mondego a morte escura
Longo tempo chorando memoraram,
E, por memória eterna, em fonte pura
As lágrimas choradas transformaram.
O nome lhe puseram, que inda dura,
Dos amores de Inês, que ali passaram.
Vede que fresca fonte rega as flores,
Que lágrimas são a água e o nome Amores.

Fonte: PasseiWeb

Título e Texto: Vanderlei dos Santos Rocha, A Verdade Política, 16-7-2020

Relacionados:

Um comentário:

  1. SEMANA PASSADA ENVIEI LONGO E-MAIL PARA UM PRESTIGIADO LÍDER,COM A SEGUINTE PERGUNTA;
    "A QUEM INTERESSA REVERTER UMA EMPRESA SEM PATRIMONIO?"
    INFELIZMENTE A RESPOSTA DISSE MENOS DO QUE A PERGUNTA!

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-