sábado, 16 de julho de 2016

O HOMO LUDENS... O homem brincante... A propósito dos jogos olímpicos

Valdemar Habitzreuter
Gostamos de jogos. Os momentos lúdicos são marcantes no processo de nossa formação existencial em que afirmamos a vida em seu aspecto prazeroso.

Nada mais justo, então, que conferir ao homo faber e homo sapiens a titularidade também de homo ludens. Os três têm em comum a ação criadora.

Como homo faber, dedicamo-nos à atividade laboriosa, ao fabrico de instrumentos que nos possibilitam o ganha-pão de cada dia; como homo sapiens, dedicamo-nos a todas as peripécias intelectuais no aprimoramento desses instrumentos (tecnologia) para facilitar o labor cotidiano; e como homo ludens, damo-nos um tempo de regozijo, mas não menos criador.

Nosso lado lúdico imita a ação criadora do tempo que brinca de criação e transformação das coisas na natureza, sem viés teleológico. Assim, brincamos pelo simples brincar (lembrem-se de uma criança brincando inocentemente), sem culpabilidade de desperdiçar ou desconstruir nossa existência.

A ludicidade, por meio dos jogos, induz à competividade em que o competidor mede suas próprias forças querendo sempre superá-las, e isso perfaz o caminho criador e educativo de integração corpo/alma.

Assim, os jogos nos dão o ensejo de manifestarmos nossas emoções mais puras, proporcionando-nos autossatisfação e por que não dizer participar do impulso criador da natureza exultante!

Os jogos não são uma simples distração ou uma fuga ao trabalho, mas uma integração com o ritmo da natureza laboriosa e exultante com suas leis próprias.

Daí o caráter sagrado dos jogos com seus rituais e regras como se fosse um evento religioso em que os jogadores exaltam o espírito de luta num acordo de igualdade de condições para que o jogo transcorra dentro do princípio da alegria e justiça. 

A competividade nos jogos, através de disputas, não significa destruição do adversário, mas demonstrar o grau de desenvolvimento das forças vitais dos jogadores e consequente saúde psicofísica.

A rivalidade não é inimizade, mas esforço de cada jogador superar suas próprias limitações, acumulando cada vez mais forças que o tornam mais resistente e capaz de superar as forças do oponente. E isto é um jogo que deve acontecer em clima de festa.

Apesar de o jogo ser uma brincadeira é revestido de seriedade, pois quando jogamos não é uma simples distração ou esquecimento das agruras da vida, mas nos colocamos em sintonia com o ritmo da natureza ao deixarmos extravasar ludicamente este impulso vital de nossos corpos.

Quando um tenista, por exemplo, empunha sua raquete e desfere golpes na bolinha, e às vezes com grito desafiador, não é para espezinhar o adversário, mas sim alinhar-se em conformidade com seu impulso vital que a natureza lhe outorgou. 

É este, pois também, o espírito dos jogos olímpicos, uma herança da cultura clássica grega em que a educação física e a música tinham grande relevância para uma saudável e perfeita integração corpo/alma.

Platão foi o grande idealizador da prática do exercício físico conjuntamente com o cuidado da alma. Para ele, deve haver o justo equilíbrio entre os dois. Se um se destaca mais que o outro haverá problemas.

Quando há maior realce à alma em detrimento do corpo, este fica debilitado e adoece, e quando se cultua mais o corpo do que a alma, esta se degenera e é acometida por uma das mais infelizes enfermidades: a ignorância, que a priva de alcançar seu status primitivo: o mundo ideal.

Estamos às voltas com a Olimpíada em nosso país, e se houve politicagem para que o Brasil sediasse tão nobre festa lúdica, façamos uma pausa, agora, em nosso inconformismo com tudo de ruim e lastimável acontecendo neste nosso belo país, e curtamos ou assistamos aos jogos em agosto num clima lúdico e de festa. Assistir e torcer também é participar...

Que os deuses do Olimpo assistam aos atletas jogadores! 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 16-7-2016

3 comentários:

  1. Eu vou com uma opinião mais irracional.
    Acho os jogos olímpicos e outros esportes um brincadeira de guerra mais saudável.
    Aguerra pelo homem mais rápido, mais resistente, mais atlético mais habilidoso, seja com as mãos , com os pés, mais rápido na água, ou com movimento mais preciosos e elegantes.
    Gostamos e exaltamos quando os nossos conseguem o feito, e invejamos o feito dos outros.
    A famosa guerra sadia.
    Há esportes de luta , de força e de domínio mental.
    A distração, a arte e as frustrações.
    Enfim todos poderiam assistir sem fanatismos, e de há muito o esporte perdeu a sua qualidade in natura , o amadorismo deixou de ter beleza para a escravatura do profissionalismo.
    fui...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estava usando o SPYBOT, ele reinicia todas as minhas assinaturas, e só depois entrei no meu google account.

      Excluir
  2. Caro Habitz, que os Deuses do Olímpio, nos protejam neste grande evento, nestas Olimpíadas! Também vejo os Jogos, entre uma das poucas talvez a única maneira, de nos enfrentarmos e em que não vemos nossos adversários como inimigos, somente como adversários, e com FairPlay!
    Salve o Esporte!
    Abs,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-