terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Os malandros da direita

Raul Vaz

Primeiro, foram as imagens de um médico a dar consulta de chapéu-de-chuva num centro de saúde no Algarve. Depois, alunos embrulhados em mantas numa escola no Alentejo.

Agora, o Liceu Alexandre Herculano, no Porto, que acabou por ser fechado com cinco dias debaixo de chuva. Trezentos alunos deslocados e 600 à espera que umas obras à pressão lhes devolvam a escola. A sua escola. O truque da cativação de verbas por um Governo de esquerda que rosna contra o euro, mas não morde na hora de cumprir está a rebentar pelas costuras. Mas António Costa diz que a culpa é de Passos Coelho.

Segundo o primeiro-ministro, a Alexandre Herculano e mais 38 escolas tinham obras adjudicadas em 2011, que "foram anuladas quando o dr. Pedro Passos Coelho chegou ao Governo". Ora aqui estava uma excelente oportunidade para o atual Governo fazer o que mais gosta: reverter medidas do anterior Executivo. Mas desta vez esqueceram-se. E esqueceram-se porquê? Porque o garrote que Costa impôs às despesas no Estado obrigou a fechar os olhos às carências brutais com que na saúde, na educação, nas prisões e noutros serviços públicos, médicos, enfermeiros, doentes, professores, alunos, funcionários, tiveram de se aguentar neste primeiro ano da imaginativa geringonça.

No caso da escola que serviu de cromo ilustrado para o inaceitável e escandaloso impacto dos cortes na despesa pública que a esquerda agora engole em paz, a secretária adjunta da Educação já veio desmentir o primeiro-ministro – o Governo anterior mapeou a obra na escola do Porto "para fundos comunitários, com seis milhões de euros". Mas António Costa não se atrapalha. A culpa é da direita, ponto final.

Com uns euros devolvidos aos funcionários públicos, umas esmolas aos reformados com pensões mais baixas, um salto para cima no salário mínimo (justo, mas trapalhão na compensação aos patrões) e meia dúzia de reversões para satisfazer comunistas e bloquistas, o "optimista irritante" acha que tem a coisa sob controlo. Mas cuidado, dr. Costa! A imagem de salas de aulas à chuva, alunos a bater o dente e professores a fazer de assistentes sociais não é digna, não. E atirar as culpas para os malandros da direita já não pega.

O Governo é seu, as prioridades são suas, as cativações também. E a Parque Escolar, é bom lembrar, foi uma pérola de um governo que o senhor apoiou. Entre as megalomanias da era Sócrates e as cativações desta sua "sui generis" legislatura há um fio condutor. Ténue, mas com nexo. A direita foi um intervalo para gerir um resgate. Deus nos livre!
Título e Texto: Raul Vaz, Jornal de Negócios, 31-1-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-