quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Um Guia Progressista do Politicamente Correto

A luta dos ‘progressistas’ nos EUA para que nomes de locais famosos sejam modificados em “nome” do politicamente correto passa mesmo dos limites do grotesco. A hipocrisia deles chega ao cúmulo quando eles fazem suas reivindicações e não notam, ao menos, que até mesmo os nomes de seus heróis ideológicos seriam, consequentemente, retirados de cidades, lugares, praças, vilas, parques etc.

E a insanidade não pára por aí. Há muito em jogo. Mas isso resume muito bem a mentalidade revolucionária, que sempre dispara contra tudo e todos, pois só sabe olhar para o próprio umbigo, lutando contra o próprio bem comum, sendo contra a maioria das pessoas que não compartilha de suas maluquices. Não, caros leitores, o diferente não existe para a esquerda. Eles querem sempre o monopólio das virtudes, e não abrem mão de suas insanidades. Tudo para os agentes reformadores do mundo é um problema quando fora de sua ideologia, seu campo vitalício de ideias, que mais parece um monólogo realizado na Cracolândia por craqueiros da justiça social. Não, tudo bem. Os craqueiros não suportariam um diálogo com certas “mentes brilhantes” formadas em grande parte das universidades brasileiras.

Neste vídeo, George Will, vencedor do Prêmio Pulitzer como colunista do Washington Post, explica a hipocrisia dos progressistas que buscam, mesmo que contra si mesmos, varrer do mapa tudo o que lhes desagrada.

“Os fascistas do futuro chamarão a si mesmos de antifascistas.” (Winston Churchill)
Título e Texto: Tradutores da Direita, 25-1-2017 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-