domingo, 16 de julho de 2017

[Para que servem as borboletas?] Brasil, um país cool?

Valdemar Habitzreuter

O povo brasileiro é, sem dúvida, um povo amável, simpático, receptivo ao turista, festeiro, agradável no relacionamento com as pessoas, carnavalesco, fanático por futebol... é um povo sui generis, observado e admirado pelos estrangeiros.

Esta imagem realmente predominava há alguns anos atrás. Mas, hoje em dia, esta imagem vai desaparecendo gradativamente. Embora o povo, em si, mantenha a qualidade da simpatia e da boa receptividade, o país é visto, atualmente, como sem rumo, conturbado que está pela corrupção, violência e descompasso político dos governantes, gerando conflitos sociais que repercutem aos quatro cantos do planeta.

O problema não é o povo em seu todo, que continua de índole alegre e receptiva; o problema é o inferno social ao qual é jogado pelo governo inepto, corrupto e desagregador que perdeu as rédeas da governabilidade eficaz e, consequentemente, abalou as estruturas institucionais, garantidoras da paz social; e o medo generalizado é a tônica agora, afligindo este povo que não vê uma saída imediata desse caos de violência e desarranjo político.  

A violência que crassa em nosso meio nada mais é que o reflexo da violência de nossos governantes que se instalaram no poder, nos últimos anos, massacrando o povo em todos os sentidos: a corrupção, as falcatruas políticas e a roubalheira no setor público penalizam a população que fica desassistida em melhorias e segurança sociais e, o mais grave: gera violência por parte de indivíduos que se aproveitam do engessamento e inércia governamentais, liberando seus instintos mais baixos e maléficos para estabelecer o terror social.

A reportagem da CNN colocando o Brasil no topo da lista como o país mais cool – com um povo legal e descontraído -, me parece ser uma extrapolação à realidade atual. Nossa sociedade está à deriva, sem perspectivas, onde se assalta a torto e a direito; onde se mata sem pestanejar; onde o medo impera de se ser sequestrado e extorquido; onde o crime vem lá de cima e se espraia pela sociedade. A um país desse não se pode dizer que é cool... tende mais a uma efervescência infernal.

Quem sabe, podemos em 2018 expulsar a quadrilha assaltante que ocupa nossa Casa, nossa República e tornar realmente cool este país de belezas mil...
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 16-7-2017

Relacionado:

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Caro Habitz, excelente Post, é o nosso Brasil Real, talvez explicando quem, e o que é ser Cool, como hoje vivemos, não estamos sendo nem um pouco Cool, é a realidade dos nossos dias. Sem duvida, é um Povo Cool , mas não atualmente, vivemos com medo de sair às ruas, e sendo enganados diariamente por nossos governantes. Precisamos resgatar este Status. Deixarmos de ser omissos e Otários, sim, porque o que hoje os Três Poderes fazem com o Povo, só sendo omisso e Otário.
    Abraço,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  2. Será até muito fácil expulsar a nefasta quadrilha que infestou a nossa pátria. Aliás, é a única alternativa capaz de manter a soberania de um país, qualificando o nosso quadro de políticos: -através de eleições programadas-. O que vemos quando elas se apresentam? Vemos que mais de 35 milhões de eleitores que parece não ter compromisso com o Brasil, desperdiçarem seus preciosos votos, jogando-os na lixeira! Em 2014, foram mais de 37 milhões de votos desperdiçados, entre brancos, nulos e abstenções! Por falta deste civismo, padecem mais de 210 milhões de cidadãos...
    Almir Papalardo.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-