domingo, 23 de julho de 2017

[Para que servem as borboletas?] Malfadada política!

Valdemar Habitzreuter

Que a maioria dos políticos é descaradamente mentirosa e cara-de-pau todo mundo sabe. Mas, não nos damos conta de que os políticos se utilizam do subterfúgio das promessas para mentir; o que vale em política é prometer, passar alguma esperança ao povo, mesmo que falsa; portanto, fazer promessas é a arte de validar a mentira como se verdade fosse. Afinal de contas, para se elegerem, não podem deixar transparecer que são oportunistas e muito menos dizer aos eleitores que eles (os eleitores) são otários por acreditarem em seus discursos.

Temos visto isso em todas as campanhas eleitorais e as que virão pela frente terão o mesmo padrão. Depois do fulano eleito, finge estar tentando realizar o que prometeu em campanha. A maioria finge que está trabalhando em prol do povo; na realidade estão protegendo e cuidando de seus negócios particulares, já que uns são grandes empresários, outros, grandes latifundiários, outros mais, proprietários de imóveis sem conta, outros ainda se valem da intelectualidade e são donos de escritórios de advocacia, e por aí vai...

Há aqueles também que não tiveram sucesso em amealhar bens no setor privado, tentam então na vida pública fazer seu pé de meia; afinal de contas, o cofre público é o container da riqueza do país e pode ser assaltado sem escrúpulos – há sempre os otários para encher o cofre, pensam eles.

Este é o quadro político nacional: parlamentares no Congresso trabalhando, e trabalhando muito... muito mesmo, por seus interesses, e a grande sacada e arte é convencer a massa que é em prol dela; no executivo passa-se a imagem do esforço da execução perfeita das políticas socioeconômicas, mas só fica na imagem e no blá-blá-blá de conquistas fictícias tais e tais; e o Judiciário vagaroso se rende impotente na correção dos ilícitos praticados por integrantes do legislativo e executivo e, inclusive, em seu próprio território, que emperra a máquina estatal de funcionar.

O povo agora começa a se conscientizar do engodo que está por trás dos discursos de nossos políticos, tornando-se descrente de tudo o que é dito e proposto por eles. O que proporcionou o despertar dessa consciência foi, inicialmente, o julgamento do mensalão e mais recentemente, com mais ênfase, a lava-jato que se tornou a bandeira de uma verdadeira revolução pela derrubada desta velha República podre que aí está, carcomida de corrupção, e proclamar uma nova onde o povo realmente possa respirar ares republicanos.

Um grande exemplo de político farsante e cara-de-pau é o ex-presidente Lula; sua verborreia fácil de mentir cativa os incautos e sua militância. Não estão nem aí ao desastre de sua política, e muito menos acreditam que ele seja o cabeça da institucionalização da corrupção no país; conseguiu ludibriar, por longos anos, o povo e, mesmo agora que foi condenado à prisão, querem, seus adoradores fanáticos, transforma-lo em mártir, aludindo que é vítima de um juiz despreparado para as funções judiciais.

O cenário político ainda é tenebroso, mas aos poucos as trevas estão sendo dissipadas pela lava-jato que merece todo nosso apoio para eliminar de vez essa malfadada política que impera por tantos anos. Nas eleições de 2018 poderemos dar um início a uma nova visada política que possa engrandecer nossa República...
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 23-7-2017

Relacionados:

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-