quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Falsa proteção

Haroldo P. Barboza

Que 80% da programação da TV brasileira não atende ao papel social que deveria prestar à sociedade, já sabemos há décadas. Que 75% das novelas, seriados e enlatados exibidos quebram em meses os valores morais que as famílias levam anos para passar aos filhos, também já sabemos. Que ela é usada pela elite para anestesiar e doutrinar a população com novelas fúteis, shows de nádegas despidas e filmes violentos no sentido de camuflar escândalos e se perpetuar no poder, também já sabemos. Mas um poder legislativo que através dos “direitos do menor” permite que estes agridam professores e até pais, nada mais é do que uma grande quadrilha que tenta se promover com medidas fúteis em relação à proteção de menores de 18 anos que votam, dirigem, procriam, assaltam, matam e voltam às ruas em dois meses.

O poder judiciário se acomoda e não força uma mudança racional que realmente os proteja. Qual a proteção efetiva para evitar que menores de 10 anos trabalhem nos engenhos dos poderosos? Pune quem se aproveita de inocentes que são “educados” por marginais nas comunidades sem estrutura social? Desemperra processos apodrecidos contra mentores de barbaridades contra menores que se transformam em abandonados de rua? Cuida para que a mortalidade infantil seja reduzida nos hospitais públicos abandonados?

Cadê a OAB, CNBB e outras BB’s que abrigam algumas boas inteligências que se desperdiçam a serviço dos donos do poder? A troco de quê?

Seria educador se obrigassem a TV a exibir dois programas culturais para cada droga exibida em nossos lares em “horário nobre” (ou pobre?). Seria esperançoso mostrar como vivem mal os policiais, bombeiros, enfermeiros e outros prestadores de apoio à população, cobrando respeito das autoridades com a remuneração e condições de trabalho destes profissionais. Seria demonstração de civismo se a cada três meses relacionassem os escândalos contra os cofres públicos que impedem a edificação de uma nação digna. Seria encorajador ver uma medida que levasse a exibição para 23h59 horas de programas que fazem apologia das piores virtudes humanas como a esfregação de dois elementos do mesmo sexo sob o edredom.

Haveria coragem para enfrentar grande parcela da sociedade que concorda com quase tudo que leu até aqui, mas que de forma hipócrita faria barulho pela falta do vício a que foi condenada?
Título e Texto: Haroldo P. Barboza - Matemático, Analista de computador e Poeta. 28-11-2017 
Autor do livro: Brinque e cresça feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-