sábado, 13 de janeiro de 2018

[Língua Portuguesa] ‘Perdoai-os, senhor’ ou ‘perdoai-lhes, senhor’?

Qual a forma correta?

Perdoai-os, senhor;
ou 
Perdoai-lhes, senhor?


Colunas anteriores:

3 comentários:

  1. Respostas
    1. Recebi a seguinte pergunta:

      “Patrícia, por favor, qual é correto: ‘Pai, perdoai-o.’ ou ‘Pai, perdoai-lhe.’?

      Vamos por partes:

      O primeiro passo é conhecer a regência do verbo PERDOAR. Esse verbo, assim como o verbo PAGAR, é transitivo direto para complementos que denotem o que é pago ou perdoado, ou seja, a “coisa” que se paga ou que se perdoa. Então, se pago um vestido, o “vestido” (coisa pela qual eu paguei), é objeto direto; por outro lado, quando me refiro à pessoa a quem fiz o pagamento, por exemplo “Paguei ao alfaiate”, o verbo é transitivo indireto e pede essa preposição destacada aí antes o objeto indireto.

      O mesmo se aplica ao verbo PERDOAR!!! Então…

      a – se tem por complemento palavra que denote “coisa”: não exige preposição. Ex.: Deus perdoa os nossos pecados. (perdoa = VTD / os nossos pecados = OD)

      b – se tem por complemento palavra que denote “pessoa”: exige a preposição a. Ex.: Ele perdoou ao pai. (perdoou = VTI / ao pai = OI).

      Agora que já sabemos a regência do verbo em questão, vamos ao uso dos pronomes oblíquos:

      Usamos O, A, OS, AS para objetos diretos.

      Usamos LHE, LHES para objetos indiretos.

      Veja aqui o nosso artigo explicando tuuuuudo sobre os pronomes pessoais.

      Assim, minha resposta à pergunta do caro internauta que me enviou sua dúvida é:

      Se o objeto do perdão é alguém, o correto é “Pai, perdoai-lhe!”; se o objeto do perdão é algo, o correto é “Pai, perdoai-o!”.

      Por hoje é só!

      Um abraço,
      Prof.ª Dr.ª Patrícia Corado

      Excluir
    2. “O menino perdoou o pai“. Há algum erro na frase? É verdade que o verbo perdoar pode ser transitivo direto e indireto – pode-se perdoar alguma coisa a alguém (“perdoar-lhe as dívidas”, por exemplo); mas, em havendo um único complemento (o de pessoa), a regência pode ser tanto direta quanto indireta: é correto dizer “Perdoa-lhes, pai”, mas também é corretíssimo dizer “Perdoa-os, pai”.

      Em resumo, pode-se tanto perdoar alguém quanto perdoar a alguém.

      Isso é o que ensinam todas as boas gramáticas ou dicionários publicados nas últimas décadas. O Houaiss, o Aurélio e Evanildo Bechara, imortal da Academia Brasileira de Letras e autor daquela que é a melhor gramática de português atualmente, sequer perdem tempo a respeito – pôde-se perdoar alguém ou a alguém, dizem eles. Os dicionários de regência do Brasil e de Portugal são igualmente unânimes a esse respeito.

      A Gramática de Celso Cunha e Lindley Cintra (1984), até hoje a mais vendida e citada tanto em Portugal quanto no Brasil, há mais de três décadas explicitava: embora, com dois objetos, o verbo “perdoar” exija a preposição “a” para pessoa, a construção “perdoar alguém”, com pessoa como objeto direto, já era normal no português arcaico, desde a Idade Média. Exemplos vão desde os jornais portugueses e brasileiros de hoje às obras do incomparável Machado de Assis, que escreveu que “o fazendeiro, mais tarde ou mais cedo, acabará perdoando a filha“.
      dicionarioegramatica.com

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-