quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Ódio por Trump está matando o jornalismo

Rodrigo Constantino

Não é novidade: a mídia mainstream virou torcedora e deixou a análise de lado para ajudar a derrotar Trump. Sem sucesso, dobrou a aposta: fala em “fake news” como se não praticasse ela mesma o que condena, e passou a intensificar os ataques ao presidente americano, incapaz de qualquer parcialidade na hora de julgar seu primeiro ano de gestão.

Já vimos “reportagens” atacando o laquê que Trump usa no cabelo, a forma como segura o copo de água, a maneira como jogou comida de peixe no Japão, a escrita da primeira-dama, que denunciaria uma personalidade autoritária, e agora temos uma “análise” da fala do presidente, que seria proporcional à de uma criança de 8 anos:


Donald Trump pode se chamar de gênio no Twitter, mas seu vocabulário aponta em outra direção. Uma análise das 30 mil primeiras palavras do presidente desde a eleição mostra que o governante fala em um nível um terço menor que qualquer outro presidente desde 1929 — um grau de leitura equivalente ao de uma criança na 7ª série.

O vocabulário e a estrutura gramática de Trump são “significativamente mais simples e menos diversos” que qualquer outro presidente desde Herbert Hoover, apontou a análise. A comparação é baseada em entrevistas, discursos e coletivas de imprensa de todos os presidentes desde 1929, compilados pela base de dados Facta.se. A análise compara todos os registros não oficiais desses governantes para trazer esses dados à tona, o que não leva em conta discursos previamente preparados.

É uma obsessão patética, doentia, incompatível com um jornalismo de alto nível que se pretende isento. Não por acaso até David Brooks, colunista “progressista” do ultra esquerdista NYT, teve que reconhecer o baixo nível dos atuais adversários de Trump, procurando se afastar dessa tendência um tanto boçal. Diz ele:

Eu menciono essas observações inconvenientes porque o movimento anti-Trump, do qual sou membro orgulhoso, parece estar ficando mais burro. Parece estar se transformando em uma versão de conto de fadas da realidade que filtra informações discordantes. Mais anti-Trumpers parecem estar se repetindo uma narrativa da “Loucura do Rei George”: Trump é um louco semiliterado cercado por idiotas que são moral, intelectual e psicologicamente inferiores a pessoas como nós.
[…]
O movimento anti-Trump sofre de insularidade. A maioria das pessoas que detestam Trump não conhece quem trabalha com ele ou o apoia. E se eles têm amigos e familiares que admiram Trump, eles aprenderam a não falar sobre esse assunto. Então, eles obtêm a maioria de suas informações sobre o Trumpismo de outros que também detestam o Trumpismo, que é sempre uma receita para fechamento epistêmico.

Que um “liberal” reconheça isso é um bom passo, que traz esperanças. Os “progressistas” se fecharam numa bolha onde só entra gente igual, como naquele cenário do Globo de Ouro com os poderosos de Hollywood repetindo belas e vazias palavras em prol das “minorias”. O tema dessa vez foi o feminismo e o abuso sexual, mas não foi porque aquela turma descobriu escândalos terríveis, e sim porque o público os descobriu. É muita hipocrisia…

Mas voltando a Trump, ele seria um idiota cercado por idiotas, mas que mesmo assim venceu todo o poderoso establishment, contra toda a mídia? Imagina se ele fosse esperto então…
Título e Texto: Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo, 9-1-2018

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-