sábado, 15 de junho de 2019

O Brasil volta às ruas no dia 30 de junho

No domingo, 30 de junho, nas cidades brasileiras, o povo trabalhador voltará às ruas!


Desta feita, já são vários movimentos, entidades e ativistas comprometidos com a convocação. Prevejo uma participação popular avassaladora.


Você vai deixá-lo sozinho?


[Pernoitar, comer e beber fora] Casa do Sardo – Culinária Mediterrânea

Fica em São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro.
Era sábado, a noite chegara, fomos, o casal VG/ER e eu, jantar neste restaurante.

Foto: Klécia
Pouco depois de nos instalarmos o restaurante lotou. Não é muito grande, calculo uns cinquenta lugares.


Pedimos de entrada as tracionais bruschettas, al pomodoro. Pequenas, mas saborosas.


Depois, trambos (ambos + 1), pedimos filet mignon. O meu, com arroz de tomate, senza formaggio! Ela, com risoto de cogumelos; ele, com guarnição que não lembro.



Estavam bons. O que é uma obrigação quando se trata de filet mignon, tem que ser muito incompetente para estragar esta carne.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

No Rio de Janeiro, é só uma pintura no chão!


Decididamente, no Rio de Janeiro, a “faixa de pedestres” é um mero detalhe pintado no chão. Mesmo quando o pedestre já iniciou a travessia, ele tem que parar para o automóvel passar!

Estádio São Januário, 13 de junho: Vasco 1 X Ceará 0

[Pernoitar, comer e beber fora] Hotel ibis, Barra da Tijuca


O quarto é de bom tamanho.
O televisor com ótima imagem.
No quarto, tem uma geladeirazinha, dá para guardar uma garrafa de água e... três ovos. 😊

Visual, para quem passa horas no quarto – dependendo da localização – muito bonito!



Um ponto positivo é a mesa de trabalho, embora com um design não tão prático.

A internet sem fios, de boa qualidade.

Banheiro normal. Senti falta de toalhas de rosto. Só existem duas toalhas de banho.
A pia do banheiro meio entupida.

O café da manhã, regular: ovos mexidos, linguiça, presunto e queijos (prato e de Minas); salada de frutas, mamão e melancia ou melão. E muito pãozinho: doce, com sal, francês, sem sal, redondo, quadrado, retangular...

Rio de Janeiro, Avenida Ayrton Senna, 13 de junho, 16h45



Fagner no Pedro Bial: "Votei Bolsonaro"

Bolsonaro e Moro no Estádio: Imaginem se fossem populares!

Portanto, o Trump é culpado seja do que for, e o Lula inocente. É isso?

Helena Matos
A comunicação social portuguesa está no seu melhor: ora faz destaques com a culpabilidade de Trump ora com a possibilidade da libertação de Lula.  Ambas as coisas lhe parecem justas e verdadeiras.
Título e Texto: Helena Matos, Blasfémias, 13-6-2019

Ambiguidade pró-comunista do Papa Francisco

Quando o Papa Francisco assumiu o Pontificado a maior parte da América do Sul tinha governos de esquerda, pelos quais o Pontífice não ocultava sua simpatia. Mas não tardou cinco anos para que o “continente da esperança” derrubasse quase todos eles.

O cantor venezuelano José Luis Rodríguez [foto], conhecido como El Puma, implorou ao Pontífice que saia da ambiguidade e se defina em favor do sofrido povo venezuelano: “90% da população já não quer mais esse regime comunistoide de narcotráfico, ditatorial e abusivo. As crianças morrem de fome, não há remédios, não dá para comer”. […] O silêncio do Papa me espanta, e o faz cúmplice das mortes feitas pelo narco-regime. O Papa está mais perto da esquerda comunista do que de Cristo”.
Título, Imagem e Texto: ABIM, 13-6-2019

LIVE com o presidente Bolsonaro, 13 de junho de 2019

quinta-feira, 13 de junho de 2019

(Aparecido rasga o verbo] A órbita dos caramujos e outros moluscos nojentos

Aparecido Raimundo de Souza

LULA não está preocupado com a previdência. A previdência que se exploda, ou que se foda. Lula está atucanado ou sobressaltado com a providência. Claro, não a divina, mas aquela providência (providente) ou provinda de atitudes necessárias que deveriam partir de seus amiguinhos, companheiros e apaniguados. Ele, em vida, ajudou tantos malandros, tantos juízes, uma caralhada de promotores e desembargadores e, no entanto, agora, que está morto e enterrado, mais enterrado que morto os “amigos fiéis”, os cafajestes e safados lhe deram, em troca, uma banana bem grande.

Lula não gosta de banana. Prefere o abacaxi. É mais ácido e de casca grossa, além do caldo espinhosamente cítrico.  A abrolhosidade da fruta machuca e fere. Com certeza, se um dia puder ter ao alcance das garras as epidermes ou dito de maneira mais povão, os “coiros” dos que não lhe deram ouvidos os “caras” ficarão em maus lençóis. Lula por agora, de imediato, quer sair da cadeia. “Cadeia não foi feita para presidentes, ainda que eles sejam tidos como EX”. E Lula, só para lembrar, foi o trigésimo quinto que sentou o rabo no “Palhaço do Planoalto”.

Os dezenove dedos peleja acirradamente numa guerra desigual. De unhas e dentes, como Dom Quixote de La Mancha, pula para tudo quanto é lado para voltar à ativa. Seus moinhos de ventos são muitos e traiçoeiros. Diz nas entrevistas que consegue fazer (com ordens do STJ), que a terra de Cabral é governada por “pedros e álvares malucos”. A começar por ele, logicamente. Talvez seu maior sonho, no momento, não seja reaver o bendito sítio de Atibaia ou o tripreis, perdão, tlipés, não, senhoras e senhores, tiprés, triplesss (não importa) que lhe causou tantas aporrinhações e desassossegos no cálido e ensolarado Guarujá. 

Lula tem planos mais mirabolantes. Um deles, acasalar. Fazer amor. Voltar a rever os metalúrgicos do ABCD paulista em seus devaneios (tentando arrancar seus dedos para pleitear uma aposentadoria imediata), e contemplar a lua linda de São Bernardo do Campo da varanda de seu apartamento onde morou tanto tempo com dona Mariza. Lula quer largar de ser viúvo. Essa palavra afronta seu lado macho desde os tempos em que atirava nas suas próprias caravanas para se posar de vítima. O tiro saiu pela “culetra” da culatra. Entretanto, mais necessário que juntar a sua rouquidão incurável ao novo cobertor de orelha, à bela e atraente quarentona Rosangela Silva, vem, em primeiro lugar, agregar o salário de dezessete mil reais da simpática psicóloga para aumentar a sua renda mensal. Lula tem “gastado” muito com advogados e as suas defesas não são baratas.  

Vasco x Ceará: onde assistir ao vivo e escalações do jogo pelo Brasileirão

Partida será realizada nesta quinta-feira, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro


Vasco e Ceará vão se enfrentar nesta quinta-feira, às 19h15 (horário de Brasília), no estádio São Januário, no Rio de Janeiro, pela nona rodada do Brasileirão.

Vasco x Ceará terá transmissão ao vivo do canal Premiere, que também vai exibir a partida através de seu site e aplicativo. O Estado vai fazer tempo real da partida.

Escalação
Vasco - Fernando Miguel; Yago Pikachu, Oswaldo Henríquez, Ricardo Graça e Danilo Barcelos; Andrey, Raul e Marcos Júnior; Tiago Reis, Marrony e Rossi. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Ceará - Diogo Silva; Thiago Carleto, Valdo, Luiz Otávio, Samuel Xavier; Fabinho, Ricardinho, Thiago Galhardo; Fernando Sobral, Mateus Gonçalves e Bergson. Técnico: Enderson Moreira.

Vindo de sua primeira vitória no Brasileirão, o Vasco está em situação mais favorável no campeonato e com moral em alta para o duelo desta quinta. O triunfo sobre o Internacional, na sexta-feira passada, tirou a equipe da lanterna da tabela. Agora é o 18º, ainda dentro da zona de rebaixamento, com seis pontos.

O Ceará vem de um empate sem gols com o Bahia, em casa. Mesmo assim, a equipe cearense apresenta condição bem mais favorável que o rival carioca. Com dez pontos, já soma três vitórias no Brasileirão. É o 12º colocado.
Título e Texto: O Estado de S.Paulo, 12-6-2019

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Brasil registra queda de 23% no número de homicídios no primeiro bimestre de 2019

Todos os nove crimes registrados pelas estatísticas oficiais caíram em relação ao mesmo período do ano passado

O número de homicídios no país registrou queda de 23% no primeiro bimestre de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado. Houve queda em todos os nove crimes registrados na plataforma Sinesp, que concentra informações de boletins de ocorrência de todos estados e do Distrito Federal.

No primeiro bimestre de 2019 foram registrados 6.543 homicídios, nos dois primeiros meses de 2018 o número chegou a 8.498. As tentativas de homicídio caíram 15% e os crimes de latrocínio tiveram queda de 19% em comparação com o primeiro bimestre do ano passado.

Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o mérito pelo resultado é da atuação integrada entre governo federal e governos locais. Segundo ele, é preciso trabalhar para que a redução seja permanente e constante. O ministro destacou ainda que a aprovação do Pacote Anticrime contribuirá para a reducão nos crimes violentos, além de combater a corrupção e o crime organizado.

Os dados do Sinesp mostram que também houve queda no roubo de carga (40,6%), roubo de veículo (28,3%), roubo à instituição financeira (36,7%), furto de veículo (10,9%), estupro (7%) e lesão corporal seguida de morte (6%). 

Estatísticas Criminais
Desde março de 2019 o país conta com estatísticas criminais oficiais e confiáveis publicadas no site do Ministério da Justiça e Segurança Pública com base nos boletins de ocorrência dos estados e do Distrito Federal. As informações são consolidadas por meio do Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e de Rastreabilidade de Armas e Munições, e sobre Material Genético, Digitais e Armas).

terça-feira, 11 de junho de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Bonde errado

Aparecido Raimundo de Souza

O MAURÍCIO NAMORAVA há mais de seis meses com a Patrícia, que trabalhava numa loja de artigos esportivos, numa das principais ruas do centro da cidade. Não se sabe por que cargas d’água, os dois se desentenderam feio e a moça, sem mais nem menos, mandou o infeliz plantar batatas. Maurício, claro, não foi. Descontente com o rompimento e insatisfeito por ter sido “dispensado” sem maiores explicações, procurou a jovem por diversas vezes, mas ela, resoluta, bateu pé e não lhe deu confiança. Foi quando o Maurício encontrou o Fernando “Caolho” saltando de um ônibus. Ia cruzar a avenida movimentada quando o amigo lhe gritou pelo nome. Reconhecendo a voz, o outro prontamente estancou os passos, deu meia volta e alegremente abraçou o companheiro:

- Maurício, quanto tempo?
- Mais de ano, Fernando! 
- Como está você? Tudo azul com bolinhas da mesma cor?
- Não muito bem. Estaria tudo como você mencionou aí, se não estivesse mal no quesito amor. Arranjei uma namorada, mas ela me deu um belo de um chute no traseiro. Até agora sinto as dores da sapatada recebida.
- Me conte.
- Vamos tomar uma geladinha?

Havia um boteco próximo e para lá se dirigiram, abraçados. Só que, de uma passaram para duas, três, cinco, doze, quinze. O tempo correu. Os dois sentados numa mesinha bebiam e conversavam animadamente. O detalhe é que o tal barzinho, coincidentemente ficava quase em frente à Patrícia, a namorada de Maurício. Aliás, de dentro do estabelecimento o Maurício podia acompanhar nitidamente todos os movimentos da moça, naquele momento, à porta da loja conversando com transeuntes curiosos que passavam e paravam para pesquisar preços. O fato é que os vapores do álcool andavam altos e ambos os amigos (que entornavam sem parar por um bom espaço de tempo), já não conseguiam segurar com a firmeza devida os copos que tinham diante dos olhos.

- Mas me conte aí, velho Maurição. Quem é a doida?
- Estou olhando para ela...
Fernando “Caolho” virou a cabeça para o lado que Maurício apontava com o dedo em riste.
- O meu “caolho” é só no apelido. Cadê?
- Lá.
- Não pesquei meu chapa. Lá aonde?
Maurício mostrou, então, a sua querida e adorável amada.
- Está vendo aquela belezura com uma camiseta e um shortinho do Flamengo?
- Você mudou de time?
- Não, seu idiota. Continuo botafoguense doente. Ela anda vestida daquele jeito porque o patrão quer. Propaganda prá vender mais. Dá uma “manjada” no sujeito ao lado, fantasiado de vascaíno.
- Iiiii, Jesus... vascaíno?

-Sem brincadeiras. Deixa Jesus fora disso. Ta vendo ou não?
- Não. Onde?
- Ali, droga...
- Ah, agora me liguei. Uau, cara! Fica frio, estou situado. Sua “mina” é irada. Parabéns. Acaso quer que seu amigo aqui dê uma ajudinha para uma reconciliação?
- Não seria nada mal. Diz aí, me daria uma força com a beldade?
- Sem dúvida alguma. Somos amigos ou não? Manda bala, qual o plano?

segunda-feira, 10 de junho de 2019

"Olha essa capa bizarra do NYT!"


Charada (900)

Quais os
elementos químicos
que formam
os acrônimos OK e KO?

[Viagens, Produtos e Serviços] Voo TAP 073 – LIS/RIO


O voo TP 73, LIS/GIG, em Airbus 340-300, decolou às 12h30, hora de Lisboa, vinte e cinco minutos atrasado.

Nove horas e quarenta e cinco minutos de voo, informou a comissária no speech inicial.

O comandante, logo depois, informou a hora prevista de chegada ao Rio: 18h 20. Com temperatura de 24°.


O serviço de bordo, almoço, iniciou uma hora após a decolagem (!).

Na minha época dourada, uma hora depois da decolagem, a gente já tinha passado o carrinho de drinks na Econômica, lotada!
Mudam as épocas, mudam os costumes, well 😉.

A opção quente era entre bacalhau e arroz de frango. Escolhi o bacalhau.


Não o comi todo.

O vinho branco era JP, e o tinto, Alabastro.

Impressionante, de horrível!, o tempo de espera pela segunda (e última) passagem do carro de de café e a recolha das bandejas. Posso afirmar, sem medo de errar, deu mais de meia hora!
Não existe repasse de bebidas durante a refeição.

domingo, 9 de junho de 2019

Hoje, a festa é portuguesa, com certeza!

Portugal vence Holanda com gol de Gonçalo Guedes e conquista a Liga das Nações

Depois da vitória no Europeu de 2016, Portugal conquista mais uma grande competição: na estreia da Liga das Nações, Portugal venceu Holanda por 1-0 com gol de Gonçalo Guedes (60').


Final do jogo! Portugal vence Holanda por 1-0 e conquista a primeira edição da Liga das Nações com gol de Gonçalo Guedes!

Vamos parar de hipocrisia!

O Brasil já é um país parlamentarista! Apesar da maioria do povo ter votado, por duas vezes, CONTRA - eu votei a favor no último plebiscito, votei na monarquia parlamentarista. 

A maioria do povo eleitor escolheu Jair Bolsonaro para governar o Brasil.

A oligarquia encastelada e encastrada nos partidos políticos (aperceba as verdadeiras caras dos ex e atuais dirigentes dos partidos ditos como "moderados"), na Academia e, naturalmente, nos sindicatos, centrais, ONGs e "Movimentos Sociais" aparelhados, com o apoio envergonhado ou desavergonhado dos camaradas das redações, não deixa o presidente governar e, sempre que possível, sabota as engrenagens.


Portanto, governar para o bem dos brasileiros, apesar dos 'parlamentaristas' acima elencados, é uma verdadeira obra!

[As danações de Carina] De um pedaço de mim que nunca morre (parte DOIS): Tia Walquíria, “Só hoje”.

Carina Bratt

Fine Art America — The Sonata, by Childe Hassam (1911) 
A estirpe da família Bratt é dura na queda por natureza. Vovó Priscila, por exemplo, apesar dos oitenta e seis na cacunda, continua a todo vapor.  Não só cuida de vovô Silvério (dois anos mais velho que ela), como dá conta de quase todos os afazeres da casa. E olha que a moradia de meus avós, nas cercanias de Curitiba, no Paraná, não é pequena. Ao todo, o casarão tem oito quartos, sem contar a suíte do casal.

Cada quarto tem um banheiro individual. A copa e a cozinha (pelas dimensões) se assemelham a uma moradia menor em face de estarem ou parecerem incrustradas dentro da outra. Além dessas partes, o sítio-chácara adquirido por ocasião em que vovô e vovó haviam acabado de se casar, a dinastia abriga ainda três salas amplas e bem divididas e ventiladas, orquestrando espaços com um conjunto de mobílias chiques e modernas.

Na sala principal, duas televisões tela plana ladeiam um som porreta com quatro caixas maiores que eu. Um piano de cauda ocupa um cantinho perto da cristaleira, juntamente com um órgão Diatron raríssimo, com dois teclados perfeitos e quatorze pedaleiras. Sem mencionar um acomodado menor, onde dividem o ambiente, a velha cadeira de balanço de vovô Silvério, uma rádio vitrola inválida, com as vísceras de um cantor emudecido num setenta e oito rotações, um relógio cuco de parede com um cuco afônico e o mais bonito de se ver: uma varanda enjardinada com flores as mais diversas, sacada essa que vai de canto a canto, como se abraçasse carinhosamente com seu verde toda a construção de dois pavimentos.

Vovó Priscila, apesar de arqueada, assim como uma árvore de raízes antigas, acometida por uma série de doenças em face do avanço da idade, continua projetando sombras vastas a todos os filhos, genros, noras, netos e bisnetos que a rodeiam. Nos finais de semana a parentada em peso se reúne para o almoço.  A galera se acomoda sintonizada em algazarras e risadas numa mesa grandiosa, com nada mais, nada menos, vinte e duas cadeiras.

Vovô se senta numa ponta e vovó em outra, numa harmonia que não se desagarra, tampouco se desenlaça. É nessa hora que a gente sente, dentro do coração, a alegria contagiante de ser um pequeno ramo da enorme família Bratt. Faz parte desse tronco (ou melhor, fazia parte desse tronco), a tia Walquíria, a única irmã de papai. Morreu faz seis meses.

Você concorda com a Prefeitura do Rio de Janeiro?

Foto: Leo Santos/AG News

Charada (899)

Qual o
próximo
número
da seguinte
sequência?

3, 6, 18, 72, 360, 2160, ________.

Charada (898)

Qual das
seguintes expressões
NÃO é uma
redundância?

Detalhe minucioso;
Reflexo do espelho;
Monopólio exclusivo;
Planejar antecipadamente.

Charada (897)

Quando é
que a palavra
NOUTRAS
se transforma num
planeta?

sábado, 8 de junho de 2019

Charada (896)

Se Jacinto usou
quatro limões
para fazer uma
limonada,
quantos
limões
terá ele de usar para fazer
duas limonadas e meia?

Charada (895)

Ponha
ordem
neste
caos:

Tristão → Inês
Romeu → Blimunda
Páris → Isolda
Pedro → Vitória
Baltazar → Julieta
Alberto → Helena

[Pernoitar, comer e beber fora] Maria Azeitona

O nome estraçalha o modernismo pacóvio. “Maria Azeitona”, nada mais comum, lembra até aquele boteco de Bonsucesso ou de Olaria, no final da Rua Uranos. Mas não é um boteco, não é lanchonete, é um restaurante. E dos bons, como veremos ao longo desta postagem.


Fica na Amadora, não aceita cartões (de débito ou de crédito).

Fomos, o casal LT/CF e eu, à “Maria”.

Chegamos no horário reservado: 20h. Dez minutos depois, o restaurante estava cheio. Isto sustenta a necessidade de reserva.

Pedimos dois petiscos para acirrar o apetite: camarão ao alhinho e ovos rotos.


Ótimos!

E como prato principal, o casal pediu: ele, ‘Albanicos do lombo de porco com purê de maçã’; ela, ‘Risotto de camarão com cogumelos frescos’; eu, ‘Polvo da costa à lagareiro’. Os três se encantaram pelos pratos, I mean, pelo sabor.

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Inflação de maio é a menor desde 2006

IPCA desacelera em maio ao variar 0,13%, a menor alta desde 2006

Inflação oficial do país foi divulgada hoje pelo IBGE, no Rio

Kelly Oliveira

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de maio variou 0,13% e ficou 0,44 ponto percentual abaixo da taxa de abril (0,57%). Esse foi o menor resultado para maio desde 2006 (0,10%). O IPCA é a inflação oficial do país.


Em maio de 2018, a taxa havia sido de 0,40%. Os dados foram divulgados hoje (7), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A variação acumulada no ano ficou em 2,22% e em 12 meses chegou 4,66%, abaixo dos 4,94% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

De acordo com o IBGE, quatro dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados mostraram deflação em maio.

O impacto negativo mais intenso (-0,14 ponto percentual) sobre o IPCA de maio veio de Alimentação e bebidas (-0,56%), que havia subido 0,63% em abril. Também apresentaram deflação: Artigos de Residência (-0,10%), Educação (-0,04%) e Comunicação (-0,03%).

Entre as altas, os destaques são Habitação (0,98%), com impacto de 0,15 ponto percentual, e Saúde e cuidados pessoais (0,59%), com impacto de 0,07 ponto percentual.

Segundo o IBGE, o resultado do grupo Alimentação e Bebidas deve-se principalmente à queda de 0,89% observada no grupamento da alimentação no domicílio.

O tomate, após apresentar alta de 28,64% em abril, caiu 15,08%, e o feijão-carioca acentuou a queda em relação ao mês anterior (passou de -9,09% para -13,04%). As frutas (-2,87%) também recuaram mais intensamente do que em abril (-0,71%).

[Pensando alto] Brasileiros criativos e judeus deploráveis

Pedro Frederico Caldas

Vai mais uma aí, Bahia?
Garçom, em Salvador

Qual é a religião mundana do judeu? A pilantragem. Qual é seu deus mundano? O dinheiro.
Karl Marx

Nos seus efeitos e consequência ele (o judeu) é como uma tuberculose racial das nações.
Hitler, em carta a Adolph Gemlich

Está deprimido? Está eufórico? Em qualquer das hipóteses, pare a leitura, pode não lhe fazer bem, ou, então, vamos combinar uma coisa: pegue um rivotril ou qualquer tranquilizante, um copo d´água, ponha-os ao lado e continue a ler. Mas, lembre-se, corre por sua conta. Depois não vá dizer que não avisei.

Sabe quem eu sou? Não? Quer saber? Se quer, vá à página do IBGE e dê uma olhada na projeção demográfica do Brasil. Vou facilitar a sua vida, não precisa fazer isso; como diria Temer, fá-lo-ei por você. Segundo o PopClock do IBGE, precisamente às 00h33min45s de 10 de março de 2017, a projeção da população brasileira era de 207.193.410.

Agora você já sabe quem eu sou. Sou uma pessoa comum do povo, um daqueles mais de 207 milhões de brasileiros perdidos na multidão e, assim como consideravam os judeus, também fui chamado de deplorável por ter votado em Trump.

Por que preciso me apresentar a você? Claro que é porque nada tenho de especial para ser lembrado pelos brasileiros. Não sou político, não estou na Lava-Jato, não sou famoso, sequer sou bonito, que nem todo mundo tem a sorte de ser charmoso como meu dileto amigo Pedro Flávio, aquele dos porquinhos tristonhos. Vejam a foto do gajo que publiquei abaixo: louro, olhos azuis, quindim de “Benzinho” e membro da Honorável e Seleta Confraria do Quibe, que se reúne secretamente na cidade de Itabuna, composta de gente de apurado garbo, mas ninguém tão galante como ele.

Quando estou em Salvador, acho uma delícia o garçom olhar para mim, descontraído, informal, boapraçamente (acabei de criar um neologismo), dissolver-me numa abstração que ele denomina “Bahia” e perguntar: “vai mais uma aí, Bahia?”. Essa abordagem baiano-garçoniana (acabei de criar outro neologismo – tô que tô!) nos coloca sempre no devido lugar porque, no Brasil, somos todos ignotos e, para sair do anonimato, deixar de ser “Bahia” ou CPF para ser alguém, é preciso ser político, estar na Lava-Jato, ser artista da Globo, ou bonito como meu dileto amigo Pedro Flávio.

Feito esse introito, colocados, nós brasileiros, no devido lugar, vamos ao que interessa.

O PT quer preservar o estrago feito

Percival Puggina

Existem situações que, não importa quantas vezes as tenhamos presenciado, são naturalmente engraçadas e sempre nos fazem rir. Lembro-me, por exemplo, de um comercial em que, a partir do tropeção de alguém, as pessoas iam desabando umas sobre as outras em longa série de trambolhões. Nas comédias pastelão, o sujeito derrubava uma pilha de pratos e ficava olhando para outro lado como se nada tivesse a ver com o acontecido. Era engraçado.


O petismo faz a mesma coisa, mas sem graça alguma. O partido que viria para regenerar a República patrocinou uma sequência de desastres dos quais nenhuma dimensão da vida social, política e econômica ficou de fora. E lida com tais questões como se nada tivesse a ver com elas. Derrubou pilhas de pratos da economia, contabilizou 13 milhões de desempregados (na realidade o número é muito maior), quebrou os degraus da escada do PIB gerando estagnação e recessão. Fez o mundo olhar para o Brasil com ar de escândalo, vendo-nos como irresponsáveis, como se o Brasil fosse uma Grécia gigantesca e autofágica que engole o próprio PIB. Não contente, emburreceu nossos estudantes, mais preocupado com fazer que fossem influenciados politicamente do que em lhes transmitir conhecimentos. Temos honrados analfabetos funcionais com diploma de terceiro grau e vivas a Paulo Freire! A produtividade do brasileiro cai. Criminalidade em alta e repressão em baixa. E, claro, corrupção de dez dígitos. Bateram-se carteiras no salão.

As relações entre o PT e a crise brasileira são para lá de conhecidas. No entanto, diante da enorme rejeição social, perante o estrago causado pela crise e a corrupção, os dirigentes petistas andam por aí, em meio a uma montanha de pratos quebrados, olhando para os lados, xingando a todos e pondo as culpas em quem está juntando os cacos do país.

LIVE com o presidente Bolsonaro, 6 de junho de 2019


Jair Bolsonaro, 6-6-2019

Relacionados:

Personalidade

Nelson Teixeira

Um olhar bonito conquista muitos olhares, mas uma personalidade encanta muitos corações.

Valorize acima de tudo o amor que você recebe, pois você pode não ser ninguém no mundo, mas pode ser o mundo de alguém.

Não faça da sua vida uma rua onde muitos passam e poucos ficam, mas faça dela um paraíso onde muitos querem estar e poucos podem permanecer.

Antes de esperar algo ou a atenção de alguém, dê você o exemplo.

Toda atitude sua em favor do próximo, necessariamente não significa que deva ter recebido a mesma coisa anteriormente.

Nunca espere dos outros, faça a sua parte.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 7-6-2019

[Aparecido rasga o verbo] Da capo

Aparecido Raimundo de Souza

A CRIATURA APARECEU do nada, na frente do Genésio. Genésio deu um salto de lado, como se fugisse de algum fantasma repentino:
- Que isso? Quem é você? Como entrou aqui? De que buraco saiu?
A figura estranha, toda de preto, dos pés a cabeça, se abriu num sorriso largo mostrando apenas uma arcada de dentes perfeitos:
- Não acredito! Não está me reconhecendo?
- Por tudo quanto é mais sagrado. Não. Vou perguntar de novo. De que buraco saiu?

Em resposta, a estrangeira afastou o véu que lhe cobria inteiramente o rosto. Genésio topou, diante de si, com uma mulher de beleza incrível. Jamais, em toda sua vida, se deparara com uma formosura tão pecaminosamente rara.
- E agora?
- Continuo boiando...
- Pelo amor de Deus, Genésio. Não me peça para desenhar. Desde pequena era péssima aluna com os lápis coloridos e os pincéis. Principalmente com os pincéis.
- Mesmo assim não estou conseguindo coordenar minha mente atrapalhada ao seu semblante angelical.

A linda fez um gesto repentino, e, como num passe de mágica, surgiu, em suas mãos, uma lâmina encurvada presa a um cabo de madeira.
- E agora? – Ficou mais fácil?
- Essa foice? Meu Pai eterno!
- Até que enfim, Genésio. Sou eu mesma...
Genésio começou a tremer. Tinha motivos? Esses não faltavam.
- OK. Conte até dez – resmungou de si para si. - Respire. Você é amiga do Xenofonte. Veio me cobrar o dinheiro que devo a ele. Agora lembrei. Da última vez me ameaçou de morte. E você veio...
A garbosa interrompeu de novo.

- Genésio, me escuta.  Não conheço nenhum Xenofonte. Não sei de qual dinheiro está falando...
- Então...
- Genésio, eu sou a Morte. A sua senha chegou até mim e eu aqui estou para lhe buscar.
O rapaz literalmente incrédulo caiu na gargalhada:
- Morte? Kikikikikiki... essa foi boa... conta outra... acho que vamos nos divertir um bocado.
Dessa vez foi a Morte quem sorriu:
- Genésio, chegou a sua hora. Olhe aqui. Essa é a sua senha. Confira: 666666666666666666666666666662.


- Fala sério, moça. Tudo bem. Confesso que estava enrolando o Xenofonte. Vou lá dentro buscar a grana. Dá um minuto.
- Genésio, me escuta. Já falei e vou repetir. Não conheço nenhum Xenofonte. Vim aqui buscar você. Seu tempo aqui na terra acabou. Olhe a sua senha: 666666666666666666666666666662.
- De onde você tirou essa droga de senha?
A morte apontou o dedo em riste para o alto:
- Não tirei Genésio. Ele mandou. E quando Ele manda... não se discute, se cumpre. Vamos?
A Morte tentou pegar Genésio pelo braço, mas ele escapuliu num novo salto e se pôs em sobreaviso.

- Genésio, não torne as coisas mais difíceis. Me acompanhe...
- Olhe minha amiga. Não sei quem você é e como entrou em meus domínios. Acabei de chegar, tomei um bom banho, jantei, bebi uma tacinha de vinho e agora, por favor, só preciso descansar. Tive um dia cheio... enfadonho cansativo... por favor, dê o fora...

Charada (894)

Descubra
os diferentes
anagramas
aa palavra
ALTOS.

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Comunicado: Afastamento do Editor, da Redação

Amigas e Amigos,

Informo que a partir deste sábado (8) e até o dia 17, segunda-feira, estarei longe da Redação da revista. 


“Longe da Redação” entenda-se longe da máquina principal e de arquivos. 

Mas, estarei atento à liberação dos comentários e, se tempo tiver, não deixarei de postar algumas das minhas “observâncias”.

Obrigado.

Abraços e beijos de carinho./-


Jovem de 22 anos baleado dentro de comboio em Sintra fica em estado grave

Vítima foi alvejada duas vezes "na zona do abdômen".

Um homem foi alvejado esta quinta-feira do interior de um comboio na linha de Sinta, na zona de Rio de Mouro. A vítima foi atingida com dois disparos, mas está fora de perigo, segundo aquilo que fonte da PSP adiantou ao Observador.

Foto: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
A PSP explica ainda que os ferimentos foram no pescoço, ao passo que o INEM dá conta de que foram no ombro. Ainda assim, ambas as entidades sublinham que a vítima, um homem de 22 anos, está fora de perigo e “estável”.
(...)

Você pode ler a notícia:
- no Correio da Manhã (que relata que os tiros foram no abdômen);
- no Observador;
- no jornal SOL;
E, muito provavelmente, as TVs noticiarão em seus telejornais.

Ninguém foi capaz de mencionar a “origem” do baleado e do agressor!

É a esta cooperativa informativa – covarde – que estão os cidadãos europeus submetidos! E depois, os “cooperativados” queixam-se e declaram o nojo pelos cidadãos que não votaram nos seus bonecos, mas em gente como a gente, amante do seu país e da sua gente.

Preço da cesta básica diminui em 13 capitais, diz Dieese

Ludmilla Souza

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Em maio de 2019, o custo do conjunto de alimentos essenciais diminuiu em 13 capitais, conforme mostra resultado da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Diesse) em 17 cidades.

As quedas mais importantes foram observadas em Campo Grande (13,92%), Belo Horizonte (7,02%), Goiânia (-4,48%) e Rio de Janeiro (-4,39%). Os aumentos ocorreram em Florianópolis (1,17%), Aracaju (0,86%), Recife (0,20%) e Brasília (0,06%).

A capital com a cesta mais cara foi São Paulo (R$ 507,07), seguida por Porto Alegre (R$ 496,13) e Rio de Janeiro (R$ 492,93). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 392,97) e João Pessoa (R$ 403,57).

Em 12 meses, entre maio de 2018 e o mesmo mês de 2019, todas as cidades pesquisadas acumularam alta, entre 6,49%, em Campo Grande, e 24,23% em Recife.

Nos primeiros cinco meses de 2019, todas as capitais tiveram alta acumulada, com destaque para Recife (22,69%), Vitória (20,07%) e Natal (18,94%). A menor alta foi registrada em Campo Grande (0,26%).