sexta-feira, 28 de março de 2014

Um planeta chamado AEROPOLIS

Francisco Barros

Pertencente à Via Láctea existe um planeta muito estranho chamado “Aeropolis”.
Esse planeta era habitado por porcos espinhos e sobreviviam todos rigorosamente dentro das normas estabelecidas pela respeitada Lei de Murici, que determinava “que cada um cuida de si”.

Assim, aos trancos e barrancos, eles viviam isolados dentro do seu estilo de vida. Cada um tentando viver o seu dia a dia de sua forma egoísta e solitária.
Até que um dia, inesperadamente, esse planeta foi surpreendido com a era glacial, onde tiveram que enfrentar um frio muito intenso que começou sem dó nem piedade a fazer suas vitimas, eliminando pouco a pouco de forma cruel toda a comunidade.

Uma resposta urgente se tornava imperiosa à salvação da vida naquele planeta.
Então, imediatamente, foi convocada uma reunião de emergência com o firme propósito de encontrar essa tão importante solução.
Desse encontro desesperado, chegaram finalmente à seguinte conclusão:
Se todos se aproximassem uns dos outros, poderiam trocar o calor do corpo e esse não seria muito, mas o suficiente para que pudessem sobreviver nesse frio intenso e mortal.
E assim decidiram, assim fizeram!

A prática desse novo costume começou a dar bons resultados, e aos poucos os porcos espinhos começaram a sobreviver e foram sobrevivendo durante muito e muito tempo... Até que um dia começou:
– Se afasta de mim que você está me espetando...
– Quem está me espetando é você...
– Fique longe de mim! Você está me ferindo... Fora!

E assim, um a um, foram se distanciando. Até que, isolados, o frio voltou a fazer novas vitimas, e assim foram morrendo um por um, até que restou apenas uma minoria, bem próximo da extinção total. E, em pleno desespero um gritou:
Precisamos nos entender. Se não chegarmos a um consenso urgente, todos vamos morrer!

Dessa importante reunião chegou-se à seguinte conclusão:
“Vamos nos aproximar uns do outros, o suficiente para que possamos trocar esse calor do corpo imprescindível à nossa sobrevivência... Mas vamos também,manter uma certa distância, de modo que um não fira os outros.”

Pelas noticias que tenho, esse planeta continua a existir e os porcos espinhos vivem até os dias de hoje bem melhores do que viviam, mesmo antes da era glacial.

Essa nossa história leva a uma reflexão: Juntos, até os bichos se juntam. Unidos nós somos fortes.
Mas, unidos dentro de um único propósito. Nós somos im-ba-ti veis!!

Aviso importante:
Qualquer semelhança com os demitidos, aposentados e pensionistas do planeta AERUS, não se trata de mera coincidência... é a mais pura realidade!
Título, Ilustração e Texto: Francisco Barros, Aeroviário aposentado do AERUS, 28-03-2014

3 comentários:

  1. Parabéns Francisco pelo belíssimo texto, merecedor de uma profunda reflexão

    ResponderExcluir
  2. Francisco, para bens pelo excelente texto.
    Concordo plenamente.
    Enquanto os egos permanecerem inflados , a fogueira das vaidades sendo alimentada, vai ficar muito difícil uma solução satisfatória para nossa causa aerus.
    Unidos somos fortes.
    OREMOS!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional! Momento de buscarmos a empatia. Compartilhei o mesmo no facebook.
    Muitos de nós temos de buscar arrancar os espinhos para o convívio próximo nos momentos glaciais.....

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-