domingo, 5 de julho de 2020

No fim não vão levar só as estátuas. Levarão tudo

Assistimos quase indiferentes ao assalto dos bárbaros, mas haverá de chegar o dia em que teremos saudades de como eram civilizados os tempos que vivemos no nosso passado. Se ainda nos lembrarmos deles. 

José Manuel Fernandes

Os bárbaros não estão às nossas portas porque já não existem portas. A frase não é minha, mas de um influente colunista americano que antes recordava a definição dada por José Ortega y Gasset do que é um bárbaro: alguém que se julga no direito de não ser razoável, alguém que pensa que não tem de se explicar mas apenas de impor as suas opiniões.


Olhamos à nossa volta e há de facto muitos sinais de regresso aos tempos inquietos (1929/1932) em que o filósofo espanhol escreveu a mais conhecida das suas obras “A Rebelião das Massas”. E não, não me refiro à pandemia que assola o mundo sem fim à vista quando falo de tempos inquietos, mas a esta espécie de desregramento sem limites que tem como expoente máximo a fúria anti-estátuas nos Estados Unidos (mas não só) e como contraponto a habitual boçalidade de Trump.

Só que agora as “massas” nas quais os indivíduos se diluem, as multidões que os engolem, já não são formadas por trabalhadores semiletrados, como aqueles que Mussolini ou Estaline mobilizavam no tempo em que Ortega y Gasset escreveu o seu famoso ensaio – agora a turbamulta que ata cordas às estátuas para as derrubar ou que se diz “ofendida” pela simples existência de certos monumentos é constituída sobretudo por jovens universitários. Só que em vez de terem sido habituados a pensar, foram ensinados a discorrer sobre verdades adquiridas. As novas multidões de hoje saem a correr de campus universitários onde já não se valoriza o diálogo intelectual e muito menos qualquer referência moral, antes se propagam “narrativas” e “discursos” de poder.

É por isso que de repente tudo é posto em causa, porque é isso que pretendem os “papas” que mandam hoje nesse mundo universitário. As estátuas, ensinam-se essas luminárias, são afinal “involuntárias testemunhas” que dão continuidade no presente ao “poder que no passado originou as destruições e as injustiças”. E esse poder, explicam-nos, “é o capitalismo, o colonialismo e o patriarcado, três formas de poder articuladas que dominam há quase seis séculos”. Não, não estou a inventar, estou a citar: Boaventura Sousa Santos dixit.

Se pensarmos cinco segundos – acho que nem precisamos de chegar ao sexto segundo – percebemos que nada aqui é ciência, tudo aqui é “narrativa”, tudo aqui são slogans alinhados em função da causa do momento, que calhou ser George Floyd. Há uns meses tinha sido Greta Thunberg, haverá sempre de ser a Palestina, a Venezuela tem dias e a altermundialização já teve melhores horas. Na verdade o “patriarcado” – ou deveria estar a escrever antes “hétero-patriarcado”? – é uma aquisição recente de um léxico que tem cada vez menos a ver com qualquer discurso de racionalidade e sempre mais a ver com a obsessão revolucionária de fazer tudo de novo, do “papel em branco”, de atirar todo o passado para aquilo a que antes mais simploriamente se chamava “o caixote do lixo da história”.

No entanto, que pensar quando lemos um colunista estabelecido do New York Times sugerir que todos os monumentos aos Pais Fundadores dos Estados Unidos devem ser removidos do espaço público, incluindo aqueles que celebram George Washington? O pecado apontado é, naturalmente, o de ter possuído escravos, um pecado que entre nós nos obrigaria a questionar Camões (ou não possuísse ele o escravo Jau) e porventura a banir “Os Lusíadas”.

O que se esquece é aquilo que faz de George Washington uma figura ímpar na história dos Estados Unidos e, porventura, da Humanidade: ter feito a Revolução, ter sido eleito Presidente e ter saído pelo seu pé do poder após dois mandatos. Quantos líderes revolucionários, naquela época e depois, fizeram o mesmo? Poucos: a maioria transformou-se em ditadores, algo que ainda hoje acontece. Se não o tivesse feito provavelmente a democracia americana teria soçobrado.

Naturalmente que quando olhamos para as figuras históricas, para os nossos heróis, só se estivermos profundamente iludidos podemos esperar encontrar homens perfeitos – homens perfeitos pelos critérios dos tempos em que viveram, mas sobretudo homens perfeitos pelos critérios dos tempos em que vivemos. Mas aquilo que faz a grandeza dos heróis são as suas virtudes, não são os seus defeitos; são os seus triunfos, raramente são as suas derrotas.

É por isso que não vou naturalmente celebrar os diferentes Churchills que uma longuíssima vida pública revelou, nem esquecê-los, até porque o próprio foi um dos raros políticos capazes de levar às últimas consequências o assumir dos seus erros (depois do desastre da Gallipoli, na I Guerra Mundial, foi combater para as trincheiras na Flandres). Mas o Churchill cujo exemplo quero que as gerações futuras recordem é o que enfrentou e derrotou o nazismo e o fascismo e aquele que depois também soube fazer frente ao comunismo, sempre em nome da liberdade.

Temos de ter consciência de todos os nossos heróis – acho que não exagero ao escrever a palavra todos – têm sempre um lado sombrio ou, no mínimo, polêmico. Vejamos o caso do nosso Vasco da Gama, que faz companhia a Camões nos Jerónimos, e que é recordado por ter comandado a armada que primeiro viajou até à Índia. O que menos conhecem é a forma cruel como incendiou e afundou um barco com peregrinos que seguia para Meca, matando mulheres e crianças, um ato que mesmo na época foi considerado uma selvajaria. Vamos por isso removê-lo do seu túmulo?

Na verdade, este debate não fez sequer sentido. Ao olharmos para o passado haverá sempre factos a que daremos mais importância do que a outros, e essa leitura dos factos pode mudar com o tempo e o lugar. Necessitaremos sempre de referências, de heróis e de mitos, mesmo sabendo que há sempre um “outro lado” e procurando ter dele um conhecimento informado. O que não precisamos é de uma cultura de ressentimento para quem por definição tudo o que foi feito pelo homem ocidental é pecaminoso, senão mesmo criminoso. A cultura da tal “narrativa” universitária que hoje se impõe de forma totalitária.

É dessa cultura que nasce a ideia de que Portugal, Lisboa, “já constitui um enorme museu do colonialismo a céu aberto”, pois “entre rotundas, praças, ou instituições como a Sociedade de Geografia, qualquer transeunte é repetidamente exposto a uma gramática visual sem fim dos homens ‘heroicos’ e dos seus feitos”. Esta aproximação, típica de quem está mergulhado no veneno acadêmico das universidades americanas, de quem acredita que História se deve escrever sempre com letra pequena (da mesma forma que agora a palavra “Black” passou a ser sempre escrita com letra grande nos Estados Unidos quando referida a qualquer aspecto da comunidade ou cultura negra…), é a decorrente de uma das “narrativas” dominantes, a da “culpa” que temos de espiar por pecados que, por acaso nós, ocidentais, até fomos os primeiros a identificar, combater e eliminar, como o pecado da escravidão, o pecado da discriminação, o pecado da opressão, o pecado do subdesenvolvimento.

Não tenham por isso ilusões. Agora descobriram as estátuas e é contra elas que dirigem a sua fúria. Muitas dessas estátuas poucos nos dirão e, em processos democráticos, até votaríamos pela sua remoção. Mas não nos esqueçamos da “narrativa” sempre recorrente dessa voz também sempre omnipresente que é Boaventura Sousa Santos. Tal como noutros tempos, no famoso poema, depois de virem pelos comunistas, vieram pelos socialistas, depois pelos sindicalistas, depois pelos judeus, até que chegaram ao próprio quando já não havia ninguém a quem pedir ajuda, também neste processo de sistemático desmantelar de todas as referências intelectuais e morais, quando um dia nos quisermos agarrar a alguma coisa verificaremos que à nossa volta só restarão bárbaros com quem nenhum debate será possível.

Nessa altura eles ficarão com tudo, a sociedade pertencer-lhes-á.

Nessa altura teremos saudades de como foram civilizados os anos de paz que vivemos no nosso passado. Se ainda nos lembrarmos deles.
Título e Texto: José Manuel Fernandes, Observador, 2-7-2020, 0h11

Um comentário:

  1. RIDICÚLO!

    DERRUBAR ESTATUAS TEM MESMO EFEITO DE RASGAR FOTOS, OU QUEIMAR QUADROS DE CARAVAGGIO, PARA PROTESTAR CONTRA PEDOFILIA!

    TOTAL INUTILIDADE , SALVO PARA AUTO PROMOÇÃO DE EGOS DOENTIOS SE A CULTURA PERMANECE E AS POLITICAS CONTINUAM AS MESMAS.

    O RACISMO É DO HOMEM PARA O HOMEM , E CULTUA-LO PODE ATÉ SER DIVULGANDO AÇÕES SUPOSTAMENTE ANARQUISTAS!

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-