segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

[Atualidade em xeque] Primitivos e selvagens

José Manuel

Não tenho a certeza se no momento atual somos uns ou outros, mas tenho a absoluta certeza de que a imagem brasileira no exterior é a de que somos os dois. Primitivos e selvagens.

Deixar uma das principais cidades do país, como Vitória, no Estado do Espírito Santo, chegar a esse ponto de criminalidade com mais de noventa assassinatos em dois a três dias por falta de polícia na rua é, no mínimo, um status social selvagem.

Não quero entrar em detalhes se pode ou não pode haver uma greve de policiais, até porque devem ter chegado ao seu limite de espera por soluções, com atrasos nos seus pagamentos ou reajustes salariais, e isso não é nosso problema, mas, sim, dos que foram colocados no poder para gerir educacionalmente uma sociedade e enfrentar inclusive a criminalidade.

O que vem à tona neste caso é a verdadeira face do crime organizado neste país, associado à miséria e enorme carência de escolaridade. A falta de policiais nas ruas mostrou ao mundo uma aterrorizante organização criminosa, em associação com a miséria em seu expoente máximo, que estão atuantes e reprimidas pela polícia quando em operação. Mas existem, apenas são bolhas reprimidas prestes a explodir, como no Espirito Santo, e, talvez, num futuro próximo, em todas as grandes capitais brasileiras.

Quando um caminhão tomba na estrada e é imediatamente saqueado, são bandidos, criminosos natos, que o fazem? Pense nisso e procure entender melhor esta pergunta, porque você presenciou isso dezenas de vezes na sua vida.

Há uma crise moral e ética, camuflada e travestida de banditismo trivial por trás de eventos como o de Vitória.

É como se os fins justificassem os meios.

"Será que os fins justificam os meios?"

"
A resposta a esta questão depende do que esses fins ou metas são e os meios que estão sendo utilizados para alcançá-los. Se os objetivos são bons e nobres e os meios que usamos para atingi-los também são bons e nobres, então, sim, os fins justificam os meios. Entretanto, não é isso o que a maioria das pessoas quer dizer quando usa a expressão. A maioria usa isso como uma desculpa para alcançar seus objetivos através de quaisquer meios necessários, não importa quão imoral, ilegal ou desagradável esse meio seja. O que a expressão geralmente significa é algo assim: ‘Não importa como você alcance o que quer, contanto que você o alcance.’”


Há indícios fortes de que poderá ocorrer o mesmo proximamente no Rio de Janeiro, o que não duvido, pois o Rio é uma bomba acionada em contagem regressiva, e o saldo de destruição será deveras apavorante.

Não temos nenhum Bashar al-Assad, sanguinário ditador sírio protegido por criminosos russos, tampouco nenhum grupo Islâmico intolerante religioso e para lá de sanguinário como o ISIS, mas temos coisa pior, muito pior. Temos politicalha oficial de escroques profissionais.

Dentro do terror estabelecido, seja por nações ou grupos étnico-políticos, por mais que o terror praticado pelos mesmos seja injustificável à luz de uma humanidade, há sempre uma ideologia política por trás dessas atitudes bárbaras (realce do Editor), o que, na pior das hipóteses, é discutível.

Mas o que falar das situações criadas ultimamente nos presídios do Amazonas, Maranhão, Porto Alegre, Natal e São Paulo? Lutar por direitos mais humanizados nas prisões é uma coisa, mas atrocidades como decapitações, assassinatos mórbidos, churrascos de cadáveres como está tudo mostrado pela imprensa e redes sociais, isso é primitivismo. 
Não há ideologia alguma, é primitivismo em estado puro.
Quando ideologia, seja ela qual for, existir para justificar atitudes bárbaras, se faz urgente repensar essa sociedade.

Falar neste momento da miséria social em que o país está submerso é puramente um exercício retórico de sociologia sem efeito prático nenhum, vista a urgência dos fatos. Precisamos de atitudes urgentes, mas não as temos. Somos apenas um país reativo, não preventivo. Não conseguimos ter a urgência da determinação e criar mecanismos apropriados ao combate ao crime seja ele de que tipo for.

Queremos mostrar democracia, mostrar que somos boa gente, respeitadores de direitos humanos, mas apenas somos coniventes com os crimes em todas as suas variantes, apenas para fazer cena ao mundo. Para Inglês ver (a expressão cai como uma luva).

Todos sabemos qual a causa e o efeito de toda essa criminalidade em todo o país. Todos os órgãos responsáveis sabem onde estão os criminosos, os traficantes e de onde vêm as armas que possuem. Então, por que não agir? Quem está por trás disso? Não temos ditadores, temos políticos mau-caráter e criminosos, temos presidentes criminosos dentro de um sistema presidencialista criminoso em que confiamos o nosso voto como cordeirinhos trouxas a cada quatro anos, transformando semianalfabetos em líderes quase espirituais. As ‘Evita Peron’ do século XXI. Até quando?

Vem mais uma eleição em 2018 e tudo irá se repetir como num filme surrado, com os mesmos atores safados, delatados e a coreografia disléxica engana trouxa de sempre. Será mesmo que é isso que vamos querer para a próxima vigência a partir de 2018?

É para ontem nos movimentarmos para submeter ao Congresso um plebiscito para mudança radical da forma do governo atual, para o sistema parlamentarista.

Temos que ter como executivo um Primeiro-Ministro, que possamos demiti-lo a qualquer momento quando não representar mais os anseios da nação.
E, principalmente, um Presidente corta fitas, longe das atividades gerenciais, e que apenas faça inaugurações de escolinhas.
Acho que a tragédia Lula/Rousseff, é bem esclarecedora aos esquecidos.

O momento é único, haja vista o que a Lava jato está provando e mostrando à sociedade toda a sujeira cometida pela politicalha no poder, e uma vez que as camadas mais pobres começam a perceber que foram os presidencialismos de ocasião e oportunistas, sistema vigente e altamente corruptível que os levou a serem mais pobres, a serem mais usados como massa de manobra por políticos regionais totalmente corruptos e a levar o país onde infelizmente chegou.

Solicitar agora um plebiscito com objetivo ao sistema parlamentarista é dever cidadão, a fim de que o país possa ser preservado da falência moral, da falência ética, da falência institucional, antes que viremos mais uma republiqueta de robôs cubano-venezuelanos como foi tentado nos últimos quatorze anos.
É só verificar o que está ocorrendo neste momento na República com as delações que estão surgindo e quem são as novas lideranças no poder.

É isso mesmo que você quer para o seu amado Brasil?
É mesmo isso que deseja quando viajar ao exterior e ser visto como um Sul-Americano primitivo? 
Só depende de você. Se quer se transformar num ser social respeitado ou continuar um ser manipulado por escroques profissionais. 
Título e Texto: José Manuel, eu não quero isso para meus filhos e netos. 13-2-2017

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Eu sempre chamo os brasileiros(há exceções claro)de Primitivos Toscos pois é ao que se assemelham, e nunca desde que me conheço, adaptei-me à esta premissa de vida...meu oai criou-me com educação, respeito e cidadania não para ser uma troglodita...era portugues e poderia ter-me lá mas...

    ResponderExcluir
  2. Há de se diferenciar sempre ideologias de filosofias.
    A maioria das palavras terminadas por "ISMO" SÃO IDEOLOGIAS.
    Primitivismo é uma delas.
    Há de diferenciar-se a palavra "TELURISMO" que não significa uma ideologia, mas indica que o homem é fruto do meio.
    Não tenho nem tento desmerecer minhas raízes europeias mixadas com as brasileiras, foram escolhas de meus antepassados, e não as desmereço.
    Meu avô era espanhol, e se tivesse permanecido com seus pais na América espanhola, não teria eu nascido.
    As pessoas falam do passado retoricamente, sem discernir se modificado, não estaríamos hoje vivendo esse futuro.
    Justamente pelos motivos do POLITICAMENTE CORRETO, que está entranhado nas mentes subjugadas brasileiras, ninguém ousou retirar as famílias dos militares das portas do quarteis.
    Primeiro porque os policiais militares queriam a desobediência civil.
    Depois a aquiescência do estado para não provocar um estado de sítio.
    José Manoel insiste IDEOLOGICAMENTE numa doutrina ideológica parlamentarista.
    Cada um é doutrinado por suas opções.
    NÃO HÁ CONDIÇÕES PARA TAL.
    O congresso é corrupto.
    Quem sabe na câmara unicameral, teríamos grandes indicações para primeiro ministro.
    RENAN, LOBÃO, JUCÁ, MOREIRA FRANCO, AÉCIO, RODRIGO MAIA, ETC... E UM MONTE DE CORRUPTOS MAIS.
    Tira-se um e entra o reserva do mesmo time.
    Solicitar um plebiscito agora, é um mal momento.
    Depois do tal plebiscito teríamos uma constituinte repleta de corruptos.
    Por vezes escrevo que 90% do congresso é corrupto, apenas para não ser taxado de GENERALIZAR.
    POIS BEM, É 100% CORRUPTO E PROVO.
    DIGAMOS QUE 90% PRATICA CORRUPÇÃO E OS OUTROS 10% SABEM E NÃO FAZEM NADA.
    Ao não fazer nada são criminosos e corruptos, porque PREVARICAM EM SUAS FUNÇÕES.
    PREVARICAR é CRIME penal.
    O voto é o único caminho.
    Fugir das ideologias.
    Pelo andar do andor de barro, todo mundo que se candidata quer a boquinha da corrupção.
    Temos de voltar às nossas raízes telúricas.
    Diminuir o tamanho dos Estado para diminuir os ladrões.
    José Manoel continua sonhador dentro de realidades puramente virtuais.
    Nada contra os sonhadores, eles vivem suas utopias isoladamente.
    Afinal ainda há gente que acredita que DEUS é brasileiro, e aqui é um lugar onde não existem MILAGRES.
    Continuem orando e dizendo amém.
    fui...


    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-