domingo, 26 de novembro de 2017

Como viver uma catástrofe sem poder dizer Salazar?

Helena Matos

As cheias de 1967 tornaram-se a tragédia que Salazar quis esconder. A imagem é poderosa mas falsa: a tragédia foi mostrada. Nas cheias de 67 a censura foi claramente ultrapassada pelas circunstâncias.

Os incêndios de 2017 foram provavelmente a primeira tragédia em que os portugueses se viram livres de Salazar. E esse vazio causou-nos uma espécie de desconcerto: como era possível acontecer-nos algo de tão medonho, tão cruel e dramático sem termos ali à mão aquela muleta do salazarismo, do Salazar que quis ou não quis, que fez ou não fez, que conseguiu ou não conseguiu?

Na verdade, o estereótipo do taxista que perante o trânsito caótico da capital invocava a falta de “um Salazar” (que por sinal não tinha carta de condução) tem o seu reverso no Salazar omnipresente das elites. Tragédias, deficiências do sistema de ensino e de saúde, carências na habitação, costumes que se pretendem alterar tudo remontava a uma vontade de Salazar que a democracia ainda não tivera tempo para resolver.

Esta salarização das nossas vidas levou a tragédias como a acontecida com a fuga dos portugueses de África, subestimada e ignorada durante meses porque aqueles que a referiam caíam logo no espectro do salazarismo. Levou também a ficções como a de uma I República feminista versus um Estado Novo que excluiu as mulheres da vida política. E produz anedotas como a do fado-futebol que de símbolos do salazarismo bafiento, passaram a representar o Portugal moderno e progressista do século XXI.

A ditadura salazarista, como todas as ditaduras, cultivou a desresponsabilização do povo: o governo dava, o governo fazia, o governo sabia. Para nossa desgraça a democracia não só não mudou este paradigma da desresponsabilização de cada um de nós como até lhe acrescentou dois outros pilares: o primeiro passa pela identificação entre a bondade dos governantes e aquilo que eles “dão” – Salazar não dava porque era mau e atrasado, nós damos porque somos bons e modernos; o segundo é personificado pela figura do morto sempre presente quando algo corre mal – tragédias, erros, questões de época… tudo leva invariavelmente a Salazar. Ou levava pois, como descobrimos perante os corpos carbonizados pelos incêndios deste ano de 2017, já não faz qualquer sentido invocar Salazar para explicar os nossos falhanços.

Esta constatação tornou-se ainda mais perturbante porque ao mesmo tempo que se procede ao balanço dos incêndios se assinalam cinquenta anos sobre as cheias de 1967.

Invariavelmente apresentadas como um momento de falhanço do regime de então – e são-no de facto – as cheias de 1967 tornaram-se uma espécie de corpo bizarro e incómodo neste ano de 2017 marcado por outra tragédia: afinal os desastres acontecem independentemente da natureza dos regimes e, o que de modo algum esperávamos que viesse a repetir-se, o falhanço das respostas e do socorro imediato aconteceram de novo.

Em 2017, tal como em 1967, quando os portugueses mais precisavam do seu Estado descobriram-no ausente. O que sobrava então: Salazar. Tinha de ser. Sem Salazar tudo era demasiado parecido. E assim Salazar voltou aos títulos. Para todos os efeitos as cheias de 1967 tornaram-se na tragédia que Salazar quis esconder. A imagem é poderosa, mas falsa. Porque a tragédia foi mostrada. Na noite de 25 para 26 de novembro de 1967 e nos dias seguintes, a censura foi claramente ultrapassada pelas circunstâncias: a censura era um exame prévio a notícias enviadas atempadamente para os censores. Perante a dimensão do acontecido nessa noite as redações começaram a trabalhar a um ritmo frenético: os jornais fazem várias edições por dia. As tiragens com novas informações sucedem-se a um ritmo tal que se chega a escrever a hora a que aquela edição foi para a rua pois já outra se estava a preparar. Para mais as cheias aconteceram na zona de Lisboa – onde estavam as redações – e não em Trás-os-Montes ou em Moçambique. E as vítimas e a destruição espalham-se por quilómetros. Quilómetros esses percorridos por jornalistas, repórteres e estudantes. Há câmaras de filmar, fotografar e gravadores. Ouvidos e olhos. Canetas e blocos de apontamentos. Que entram no que sobrou das casas, nos quartéis de bombeiros, nas morgues oficiais e improvisadas, nas urgências dos hospitais…

Certamente que o regime gostaria que a tragédia fosse relatada doutro modo (ou quiçá de modo algum) mas na verdade a censura não conseguiu impedir a torrente de informação quer sobre as cheias de 1967, quer sobre as condições de vida nos bairros de barracas que a água e a lama tinham destruído.

A forma quase mântrica como agora se refere a intervenção de Salazar no controlo da informação sobre as cheias de 1967 não trouxe um maior rigor na abordagem ao acontecido em novembro de 1967, mas mostra à evidência como em 2017 gostaríamos de continuar a ter um papão a quem pudéssemos responsabilizar por tudo o que aconteceu e acontece. E assim como certamente teria agradado à censura da época continuam a ser praticamente ignorados os roubos e pilhagens que tiveram lugar após as cheias de 1967. Mais, a politicamente muito embaraçosa explosão do Forte do Carrascal caiu no esquecimento: na noite de 25 para 26 de novembro a água entrou num dos paióis desse forte próximo de Linda-a-Velha que explode na manhã de 26. Não houve mortos, mas milhares de pessoas entraram em pânico em Oeiras, Paço de Arcos, Algés… e abandonaram as suas casas. No dia seguinte voltarão a fugir porque há indícios de uma nova explosão. Na época os jornais limitaram-se a transcrever os comunicados militares e não deram mais que a versão oficial dos acontecimentos. As fotos são escassas. Os relatos dos fugitivos quase nenhuns. Meio século depois a explosão do Carrascal continua a ter muito para contar.

Igualmente mantém-se a tendência para tratar os números como um reflexo da nossa vontade e não um produto da realidade: os mortos das cheias de 1967 passaram de uns oficialmente subestimados 462 (no próprio dia em que esse número é dado a conhecer apareceram mais dois cadáveres) para um número redondo –700 – mais repetido do que fundamentado.

A catástrofe de 2017 passou finalmente a certidão de óbito a Salazar como argumento-desculpa para os problemas do presente. Mas subitamente desprovidos desse Salazar até agora omnipresente constatamos como as versões simplificadoras são más conselheiras.

Agarrada à caricatura do Salazar que mandava a censura cortar, a sociedade portuguesa continua a apreciar um jornalismo acomodado – “jornalismo de sarjeta” foi a expressão que se tornou quase consensual em 2007 para classificar os jornais que então revelavam alguns dos procedimentos de José Sócrates – e mostra-se perigosamente desatenta em relação à proliferação de poderes censórios entre entidades que ao contrário do poder político não são escrutinadas e não têm rosto como é, por exemplo, o caso da Comissão Nacional De Proteção De Dados que ao mesmo tempo que não levanta entraves à constituição da maior base de dados que Portugal já conheceu – a informação que as finanças detêm sobre nós a partir do e-fatura – intervém na divulgação de relatórios como o dos incêndios de Pedrógão. E a lista dos maiores devedores da CGD que não podemos conhecer?

A isto junta-se o espírito do tempo em que tudo é assédio, violação da privacidade e infracção do direito a isto e àquilo que no limite leva a estas paradoxais perguntas: as fotografias das cheias que a censura cortou em 1967, como aconteceu com as dos funerais das crianças levadas pelos seus colegas de escola, seriam publicadas hoje? E as dos mortos que então foram publicadas sê-lo-iam hoje?

Este Salazar que mantemos vivo pode ser psicanaliticamente um caso interessante, mas politicamente é um desastre. Os governantes que lhe sucederam, seja na ditadura ou na democracia, demoraram a habituar-se a não o invocar na hora de assumir responsabilidades e fazer opções difíceis.

Muita da nossa mediocridade, da nossa incapacidade de fazer reformas e do nosso constante adiar das escolhas difíceis passam precisamente por fazermos de conta que continua a tutelar o país e a determinar as nossas vidas esse homem enterrado há 47 anos no cemitério de Santa Comba Dão. 
Título e Texto: Helena Matos, Observador, 26-11-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-