sábado, 30 de junho de 2018

A Varig existiu

José Narcelio

Dentre os nomes de marcas mais conhecidas do público, o da Varig constaria entre os primeiros lugares em qualquer pesquisa que apontasse qual a mais lembrada companhia aérea brasileira.


Faria jus à colocação porque se diferenciava das demais concorrentes, por larga margem de distância.

A Viação Aérea Rio-Grandense foi fundada em 1927, por Otto Ernst Meyer, ex-piloto alemão aqui naturalizado. A primeira empresa de aviação brasileira começou a operar com um hidroavião, em rota regional entre Porto Alegre e Rio Grande.

Estrela brasileira no céu azul
Iluminando de Norte a Sul

A Varig viveu o apogeu da aviação entre os anos 1950 e 1990, e credita parte dessa expansão à administração Ruben Berta, o primeiro funcionário contratado da empresa. A partir de 1996, a situação econômica do país em baixa e falhas na administração abalaram a empresa resultando numa moratória.

Em toda sua história a Varig operou 102 destinos – 32 nacionais e 70 internacionais –, sendo a única companhia aérea brasileira a voar para todos os continentes. As aeronaves adquiridas pela Varig eram as mais avançadas em tecnologia da época. Sendo a “eterna pioneira”, foi a primeira a enveredar na era dos jatos.

Mensagem de amor e paz
Nasceu Jesus, chegou Natal

Para compensar a precariedade dos serviços em terra, a empresa apostou no alto nível de conforto das aeronaves e no excepcional serviço de bordo para todas as classes. Isso lhe rendeu o reconhecimento internacional ao ponto de ser comparada às melhores companhias do mundo.

Os passageiros da primeira classe se deleitavam com mimos do tipo perfume francês e creme para as mãos, além de bebidas importadas e caviar. Nas demais classes o nível de atendimento primava, também, pela excepcional qualidade.

Papai Noel voando a jato pelo céu
Trazendo um Natal de felicidade

Eu operei em rotas internacionais e realizei um sonho meu. Aliás, o sonho de toda comissária de bordo. As refeições eram servidas em louça de porcelana japonesa e talheres de prata. Puro bom gosto!” – comentou uma norte-rio-grandense, ex-comissária de bordo, funcionária da Varig até à sua extinção.

Durante muitos anos a Varig foi patrocinadora da seleção brasileira de futebol. Nas visitas que enveredou ao Brasil, foi num avião da Varig que o Papa João Paulo II retornou para casa.

Papa João Paulo II e a Comissária Elisabeth Miglia

E um ano novo cheio de prosperidade

Entretanto, foi através de propagandas bem elaboradas que a Varig se fixou na lembrança do povo brasileiro. A Rosa dos Ventos estampada na cauda das aeronaves e a logomarca Varig na fuselagem, identificavam de imediato os aviões da companhia aérea.

Os jingles publicitários veiculados pelo rádio e televisão, ajudaram bastante a consolidar a marca. Tal foi o poder de uma dessas vinhetas – cuja letra está intercalada neste texto –, que ainda hoje a imagem da empresa nos volta à lembrança.

Varig, Varig, Varig…

Sim, a Varig existiu e orgulhou o Brasil!



Título e Texto: José Narcelio, Jornal da Besta Fubana, 30-6-2018
Via Idacil Amarilho

Um comentário:

  1. Orgulho de ter feito parte desta grande Empresa Aérea e Saudades, entre outras coisas mil, é o que temos para levar na memória até nossos últimos dias. Abs Saudosos a Todos Variguianos!

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-