sábado, 22 de junho de 2019

Bolsonaro diz que Legislativo quer deixá-lo como rainha da Inglaterra. (E aí, brasileiro, você concorda? Se não, saia à rua no domingo, 30 de junho.)

Ele se referia a projeto que limita suas indicações para agências

Kelly Oliveira

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (22) que o Poder Legislativo tem cada vez mais “superpoderes” e que quer transformá-lo em “rainha da Inglaterra”, que reina, mas não governa.

“Querem me deixar como rainha da Inglaterra? Este é o caminho certo?”, questionou. Bolsonaro conversou com a imprensa na manhã de hoje no Palácio do Planalto, em Brasília, onde fez exames de rotina em um posto médico, antes de viagem para o Japão na próxima semana.

O presidente fez o comentário ao dizer que foi informado que a Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que torna a indicação de integrantes de agências reguladoras privativa do Parlamento. “Se isso aí se transformar em lei, todas as agências serão indicadas por parlamentares. Imagina qual o critério que vão adotar. Acho que eu não preciso complementar, afirmou.

Sobre a viagem para o Japão, onde ocorrerá a reunião do G20, Bolsonaro disse que estarão presentes “vários líderes mundiais”, que querem fazer reuniões bilaterais. Ele disse que, junto com o presidente da Argentina, Mauricio Macri, tentará um encontro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No último dia 19, Bolsonaro adiantou que terá reunião privada com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Reforma da Previdência
Sobre a reforma da Previdência, Bolsonaro disse que os investidores esperam pela aprovação para a volta da confiança. “[Em] todas as minhas andanças pelo mundo, parece que a palavra mágica passou a ser reforma da Previdência. Muita gente quer investir aqui. Gente de dentro do Brasil também.”

“Se a [reforma da] Previdência sair, nós voltamos a ter confiança, e os investimentos virão. E aí, atrás disso, vem emprego. O pessoal cobra de mim, [mas] quem emprega não sou eu. Eu emprego em cargo de comissão e quando faço concurso. E [o ministro da Economia] Paulo Guedes decidiu basicamente que poucas áreas terão concurso porque não tem como pagar mais”, afirmou.

Reeleição
Bolsonaro disse ainda que, se for feita uma “boa reforma política”, aceitaria acabar com a reeleição para presidente. Mas, sem essa reforma, Bolsonaro admitiu que pode concorrer à reeleição. “Se, em 2022, eu estiver razoavelmente bem, eu venho. Caso contrário, estou fora. Não existe bom governo com má economia. O Paulo Guedes está confiando que, ao entregar essa nova Previdência, a gente vai deslanchar na economia”, afirmou.

Após sair do Palácio do Planalto, Bolsonaro foi a um supermercado em Brasília, que costumava frequentar antes de ser eleito. Lá comprou xampus e cumprimentou clientes. Depois visitou clubes ligados às Forças Armadas. De volta ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro cumprimentou eleitores.

Foto: José Cruz/Agência Brasil
Título (com acréscimo do Editor) e Texto: Kelly Oliveira; Edição: Nádia FrancoAgência Brasil, 22-6-2019



Um comentário:

  1. BRAZILIAN DREAM TEAM

    No ataque: Moro, Dallagnol e Equipe Lava Jato
    No meio de campo: Capitão B 17 e o Maestro Guedes
    Na defesa: Heleno + Aço + Selva
    No gol: Carlos Bolsonaro
    No banco: Eduardo e Flávio Bolsonaro
    No apito: Bretas
    No War: Barroso e Fux
    Motivador palestrante: Olavo
    Consultor: Frota do PSL
    Nutricionista: Janaína do PSL
    Cheerleaders: Joice e Carla do PSL
    Narrador: Datena
    Comentarista: Neto Boca Larga
    Técnico: Contribuintes da nação brasileira formada pelos brasileiros do bem, honestos, trabalhadores, que não se deixam enganar e sabem o que querem!

    Jogos a serem ganhos:
    1. reforma previdenciária
    2. reforma tributária (menos impostos, simplificação fiscal, padronização de cobrança nos Estados da União)
    3. reforma política (menos partidos e menos políticos)
    4. reforma trabalhista nos moldes americanos
    5. reforma do judiciário nos moldes americanos
    6. reforma da constituição nos moldes americanos (fim de penduricalhos, fim de foro privilegiado e fim dos ects e das pegadinhas políticas...)
    7. aprovação da Lei Anticrime e do decreto de armas
    8. aprovação da prisão em segunda instância
    9. corrupção ser incluída na lista de crimes hediondos
    10. Extinção do PT, MST e afins...

    NILTON BURGHI

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-