quinta-feira, 9 de abril de 2020

(Não é só) Opinião: EUA lideram combate global contra a pandemia com humanidade e generosidade

Tempos complexos e turbulentos exigem especial racionalidade e atenção por parte de todos nós. Costumamos afirmar que a História é a matemática da Humanidade: as mesmas variáveis da equação, ainda que aplicadas a contingências diversas da vida, tenderão a produzir os mesmos resultados.

João Lemos Esteves

Hoje, como ontem, momentos de receio coletivo, de inquietação no presente e agitação quanto ao futuro – constituem terreno fértil para os atos mais vis dos regimes (e pessoas e… protagonistas, reais ou virtuais) mais tenebrosos à face da Terra.

Pois bem, esta fase crítica – ou, como a preferimos caracterizar, assumindo uma postura otimista (não irritante), fase de renascimento – não tem sido exceção: o regime brutalmente violento e patologicamente mentiroso de Pequim tem utilizado todas as armas ao seu alcance para prosseguir a implementação do seu projeto de domínio global.

A estratégia do Partido Comunista Chinês – hoje já pouco escondida -  é a de iniciar uma nova organização mundial que conduza progressivamente à substituição da Terra da Liberdade (os EUA) pela Terra da autoridade e do comunismo assassino (a China comunista, não dizemos “China Popular”, porquanto consideramos ser um insulto ao magnífico povo chinês, o qual não merece o regime bárbaro que o subjuga sem apelo, nem agravo) como potência liderante.


Uma dessas armas – que tem vindo a ser ardilosamente concebida nas últimas décadas – é a imensa máquina de propaganda de que dispõem. A China está, neste momento, liderando uma intensa, sistemática e massiva campanha de desinformação à escala planetária: hoje percebemos o empenho que o Partido Comunista Chinês colocou na aquisição de empresas ligadas ao sector financeiro e à comunicação social (entre duas realidades, não poucas vezes, encontram-se entrelaçadas…).

Estranhamente, perante a histeria que grassa na Europa contra as “fake news” (incluindo-se aqui, infelizmente, qualquer notícia incômoda ainda que verdadeira – e excluindo-se de tal conceito qualquer notícia cômoda, ainda que falsa), não houve rigorosamente ninguém que denunciasse e se insurgisse contra as notícias mentirosas tão favoráveis à narrativa que o Partido Comunista Chinês. Algumas são mesmo genuínas iniciativas de “copy and paste” de notícias que surgem nos meios oficiais de propaganda do regime comunista chinês – e que militantemente os jornalistas europeus reproduzem sem qualquer espírito crítico. Sem isenção.

Voluntária ou involuntariamente, os médias europeus – com pouquíssimas honrosas exceções – têm servido como marionetes dos interesses dos comunistas chineses; são ventríloquos das suas mensagens e reféns dos seus interesses.

Em Portugal, o “DN” tem sido particularmente efusivo na divulgação de notícias que revelam um antiamericanismo primário – percebe-se: mais do que desagradar aos EUA, o referido jornal quer agradar ao regime chinês.

Afinal de contas, o “DN” é propriedade de Kevin Ho, empresário chinês que é delegado à Assembleia Popular Nacional chinesa (o Parlamento do Partido Comunista Chinês, que se identifica com o Estado Chinês).

Não é por acaso que, há bem pouco tempo, Kevin Ho afirmava, preto no branco, que “é tempo de Portugal imitar a China”.  Com tal intuito em vista, o empresário chinês decidiu comprar…o “DN”, o “JN”, a “TSF” e outras publicações da Global Media – passando a dispor, por conseguinte, de uma vasta plataforma de difusão das narrativas favoráveis ao Partido Comunista Chinês.

O que é deveras interessante: Kevin Ho está utilizando Portugal, e a sua atuação empresarial no nosso país, como veículo para a sua autoafirmação política na China. Portugal – e a comunicação social portuguesa – a ser utilizado como incubadora de futuros políticos da China comunista…ora, isto, por si só, já não nos deveria preocupar (e muito)? Deixamos aqui uma nota de solidariedade e agradecimento aos muitos jornalistas do “DN” que vão resistindo e que têm feito um trabalho muito meritório nas últimas semanas. Bem-hajam!

Dito isto, há artigos no referido jornal português (e não só), publicados nos últimos dias, que são um autêntico chorrilho de falsidades, inverdades e opiniões sem qualquer base factual. São puras invenções – e não interpretações.

Desde acusações de que os serviços de inteligência norte-americanos é que falharam (curiosamente são as mesmas pessoas que, quando nós escrevemos aqui que este é o vírus do Partido Comunista Chinês nos acusaram de alimentarmos teorias da conspiração – ora, se é uma teoria da conspiração, como é que os serviços de inteligência norte-americanos poderiam ter detectado? Registamos, portanto, a evolução na honestidade intelectual de tais pessoas; a verdade sempre se impõe) até vaticínios alucinantes sobre o fim dos EUA, passando pela acusação de que os EUA desapareceram da senda internacional na reação à guerra global que vivemos!

Foquemo-nos hoje no mais relevante: a resposta, no plano internacional, dos EUA à crise global desencadeada pelo vírus do Partido Comunista Chinês.

É completamente desprovida de sentido - sem qualquer sustentação fática! -  a acusação de que os EUA se alhearam dos seus aliados, não prestaram qualquer ajuda aos países afetados e que desvalorizaram a estratégia chinesa. Cumpre aqui evocar, de novo, as palavras do Presidente Barack Obama: todos temos direito às nossas opiniões; todavia, ninguém tem direito aos seus próprios factos.

Sem pretender maçar as leitoras e os leitores, irei proceder a uma sumaríssima enunciação dos factos que provam que os EUA mostraram, mais uma vez, a sua ilimitada amizade para com os seus aliados, a sua generosidade para os países atormentados (ainda que inimigos ou adversários politicamente) e a sua liderança do mundo livre.

O Presidente Trump foi peremptório desde o início: os Estados Unidos da América lideram com verdade; e promovem a liberdade com generosidade – e uma generosidade em liberdade.

Em suma: a Administração Trump tudo fez, tudo está fazendo e tudo fará para que os EUA façam a diferença nesta luta sem tréguas de todos contra um inimigo invisível demasiado visível.

E fazer a diferença significa afirmar, uma vez mais, o Americanismo como conjunto de valores e aspirações humanas que são globais, conquanto não globalistas. Que são a favor da liberdade de todos no espaço político-territorial que é de cada um.  Que são expressão máxima de solidariedade amiga para com os Governos nacionais, conquanto de rejeição de um Governo global(ista) à medida dos interesses de Estados totalitários, autoritários e contrários à afirmação da dignidade da pessoa humana.

Que são, enfim, generosidade feita ação política – e ação política orientada para a generosidade. Generosidade que não conhece fronteiras, nem discriminações baseadas em ponderações geopolíticas ou juízos subjetivos de qualquer índole.

De facto, assim que soaram as primeiras informações sobre a propagação do vírus em Wuhan, os EUA ofereceram o seu auxílio ao Governo chinês, sugerindo o envio de especialistas médicos, material clínico e apoio financeiro. Como se sabe, a China recusou as duas primeiras ajudas; aceitou, no entanto, a última (o dinheiro).

Dando concretização à enorme generosidade do povo americano, a Administração Trump não colocou quaisquer considerações geoestratégicas ou questões políticas como condicionantes do apoio humanitário a prestar – nem mesmo ao seu principal adversário e ameaça à segurança nacional como é a China comunista. A primeira preocupação dos EUA – assim que se travou conhecimento da epidemia – foi a de promover a saúde e a defesa da vida de todos.

Acresce que os EUA são o sustentáculo financeiro das organizações multilaterais que estão lutando contra a pandemia à escala planetária, tendo reforçando o seu apoio financeiro nesta fase crítica que vivemos.

Eis, pois, outro facto: expressando a generosidade do povo americano, o Secretário de Estado, Mike Pompeo e a US AID (a agência federal de apoio humanitário internacional) anunciaram a alocação, já autorizada pelo Congresso, de 274 milhões de dólares para ajudar os povos (em várias latitudes e longitudes) a debelarem o vírus que nos atormenta.

No passado dia 6 de Março, foi ainda aprovada uma dotação orçamental que atribui ao Departamento de Estado (o Ministério dos Negócios Estrangeiros norte-americano), ao US AID e ao CDC (Centers for Disease Prevention and Control, uma espécie de Instituto Ricardo Jorge norte-americano, em termos comparativos sempre tão sugestivos quanto imprecisos) a verba de 1.6 mil milhões de dólares para acorrer a despesas relacionadas com a ajuda aos sistemas de saúde de outros países, à assistência humanitária e econômica, bem como aos esforços de estabilização dos sistemas sociais e à promoção da segurança.

Tal verba deve ser adicionada às contribuições dos EUA diretamente à Organização Mundial de Saúde (OMS) que, no último ano, perfizeram o montante total de 400 milhões de dólares – ou seja, o dobro do segundo maior contribuinte e…quase dez vezes superior às contribuições da China comunista (que sendo uma superpotência que aspira ao domínio global e que agora canta hosanas ao multilateralismo…contribui para a OMS apenas com…44 milhões!)

Mais: uma das primeiras organizações a prestar auxílio à China foi a UNICEF, através da distribuição de máscaras respiratórias e de equipamento de proteção para os profissionais de saúde.

Ora, os EUA contribuem para a UNICEF com 700 milhões de dólares - enquanto a China (a grande adepta do multilateralismo e que quer ser a principal potência mundial!) contribui com…16 milhões!

Caríssima leitora e caríssimo leitor: tem algum cabimento afirmar-se que o país que paga 700 milhões de dólares só para a UNICEF se está a retrair do mundo – e o país que paga 16 milhões é… o novo líder mundial, a potência liderante emergente do pós-crise, do mundo sonhado do multilateralismo? É só fazer – bem! – as contas…

A lista já vai longa.

No entanto, não podemos deixar de aditar que o Presidente Trump conversou diretamente com o Rei de Espanha (segundo consta, o Primeiro-Ministro Sánchez terá recusado por conveniências políticas…) e com o Primeiro-Ministro italiano, Giuseppe Conte, manifestado o total apoio dos EUA nos esforços de combate, contenção e reconstrução dos respectivos países.

Publicamente, o Primeiro-Ministro italiano fez mesmo questão de referir que não esquecerá que os EUA se comportaram como o verdadeiro amigo e aliado – suprindo a omissão de outros que gostam muito de dar lições de moral e de fazer muito pouco ou nada…

Poderíamos ainda aditar a intervenção resoluta da Reserva Federal para garantir a liquidez do dólar, o que beneficia a economia internacional.

Ou o trabalho do Assistente para o Comércio do Presidente Trump, o Professor Peter Navarro, para diminuir a dependência dos EUA – e do mundo – à cadeia de distribuição chinesa no que concerne a equipamentos médicos e produção medicamentos.

Ou a utilização dos instrumentos jurídico-constitucionais ao dispor do Governo Federal para produzir material médico em tempo recorde para acudir às necessidades prementes, bem como proceder à correta alocação do material já existente – o que irá permitir aos EUA ter, muito breve, material excedente que será distribuído pelos países que dele necessitarem.

Países amigos e aliados – ou mesmo países adversários. O Presidente Trump, refletindo o sentimento do povo americano, entende que a solidariedade devida perante tamanha tragédia é incompatível com manipulações políticas e ardilosos cálculos geopolíticos. Este é o momento para ajudar; este não é o momento para dominar. Muito menos é este o momento para fazer negócios à custa do sofrimento alheio.

E uma certeza: os EUA quando prometem oferecer um certo número de máscaras ou outro equipamento médico, enviam mesmo a quantia prometida – e não a quantia prometida menos duzentas ou trezentas unidades…E não haverá problemas com o licenciamento ou com a qualidade dos produtos para a finalidade prevista…

Como se constata, até pela extensão desta nossa prosa (e poderíamos prosseguir muito mais na nossa argumentação!), os EUA têm adotado um conjunto vasto de medidas para ajudar todos os povos a enfrentar com sucesso o vírus do Partido Comunista Chinês.

O povo americano, ao mesmo tempo que luta (ele próprio) contra este ato de guerra do imperialismo sino-comunista que vivemos, não nos esqueceu. Não esqueceu os milhões de pessoas que sofrem por esse mundo fora.

Que os subordinados ou os beneficiados do Partido Comunista Chinês aproveitem para divulgar a cartilha antiamericana, nós compreendemos; para um regime que não tem qualquer respeito pela dignidade da pessoa humana, tudo se resume a um jogo político de ganhos e perdas.

Só é pena que alguns europeus – mesmo que apenas burocratas ou lobistas de Bruxelas – se deixem acorrentar (ou querem ser acorrentados?) por fake news tão descaradas e isentas de qualquer racionalidade…

Por último, acusa-se os EUA de não terem qualquer estratégia para lidar com a China comunista imperialista.

Ora, a este propósito, também temos uma notícia em primeira mão para dar aos(às) leitores(as): a estratégia do Presidente Trump é muito simples.

Pode anotá-la: a estratégia que, para já, importa reter é…we win; they loose.

O Presidente Ronald Reagan fê-lo com a União Soviética; o Presidente Trump fá-lo-á com a China comunista imperialista.

Nós – o mundo livre, sob a liderança dos EUA – ganhamos; eles – a China do Partido Comunista totalitário e imperialista – perdem.

Querem melhor estratégia que esta?
Título e Texto: João Lemos Esteves, SOL, 9-4-2020
Marcações de Texto: JN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-