terça-feira, 10 de setembro de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Freio de mão puxado

Aparecido Raimundo de Souza

NA SEGUNDA FEIRA, Luciana, uma das vendedoras de sapatos, logo que entrou no banheiro da empresa para deixar a bolsa, a sacola com a marmita e colocar o uniforme para mais um dia de labuta, encontrou a Vera Lucia, uma loiraça de fechar o comércio. Vera Lucia estava pronta, radiante como sempre. Porém, vendo à amiga e colega meio jururu e desanimada, indagou curiosa:
Vera Lucia
- O que foi amiga? Parece abatida, pra baixo?
Luciana
- Dá pra perceber?
Vera Lúcia
- Está visível em seu rosto...

Luciana se olhou no espelho. De fato. Parecia cansada, o semblante lançado por terra, o rosto pálido e sem cor. 
Luciana
- Caramba! Empresta pra mim um de seus batons?
Vera Lucia
- Claro. Fique a vontade. Diz ai, amiga, o que houve?
Luciana
- Nada!
Vera Lúcia
- Vamos, abra o jogo. Você nunca chegou assim aqui no trabalho. Credo! Parece que não dormiu direito.
Luciana
- Sempre há uma primeira vez em que a gente não consegue conciliar o sono. Esse final de semana não foi dos melhores.

Vera Lúcia
- Problemas com o Jurandir?
Luciana
- Pior que não. O Jurandir era gente fina!
Vera Lúcia
- Era?
Luciana
- Desculpe. Jurandir está fora. Quase dois meses. Conheci o Galdes e começamos a ter um casinho. Como não gosto de ficar sozinha... Pra enfiar o gato no meu quarto...
Vera Lúcia
- Amiga você dá um chute no traseiro do Jurandir e não me fala nada?
Luciana
- Pra você ver. Correria. Essa historia de bater meta, está me deixando fora de foco...
Vera Lúcia
- Eu também bato meta, está lembrada? Estamos no mesmo barco. Pra seu governo, ainda falta um bocado para eu alcançar o ranking desse mês. Mas esquece a nossa bateção de metas. Se abra. Por que deixou o Jurandir?

Luciana
- Muito chato. Bebia demais e fumava feito um condenado. Empesteou minha casa, do banheiro ao quarto, sem falar que eu fumava junto.
Vera Lúcia
- Nossa amiga. Que pena! Sinto muito. Sinto mesmo, de verdade. Mas acredite, estou feliz. Espero que o Gaulês não tenha na manga da camisa um desses pequenos vícios. Ei, ainda temos tempo. Me fale dele. Como é o Gaulês?
Luciana
- Galdes, Vera Lúcia, Galdes.
Vera Lúcia
- Não importa. Quero saber tudo da nova pessoinha.
Luciana
- Sexta-feira, completamos um mês. Até agora Galdes tem se mostrado um cavalheiro. Gentil, educado, atencioso... Solta um amontoado de palavras bonitas no meu escutador de novelas...

Vera Lúcia
- Do tipo?
Luciana
- Lu (ele me chama de Lu).  Lú, você e o rio que atravessa o deserto do meu coração. Sem você sou terra infértil, livro em branco, copo sem vinho, janela sem vista para a rua. Essas coisas bobas que nós mulheres, gostamos de ouvir para alegrar o final de noite.
Vera Lúcia
- E na cama?
Luciana
- Sensacional.
Vera Lúcia
 Uau!
Luciana
- Só tem um detalhe que está me intrigando...
Vera Lúcia
- Um detalhe? Que detalhe?
Luciana
- Nessa sexta-feira, como lhe falei, ao completarmos um mês, ele chegou lá em casa, por volta das nove horas, com um lindo buquê de flores. Das que mais gosto. Rosas vermelhas. Rosas vermelhas, amiga, nossa, na hora pirei o cabeção.

Vera Lucia
- Que romântico! Ah, se o Ferreira fosse assim... Nunca me trouxe uma margarida... Bom de cama, bomba maravilhosamente, entretanto, no quesito romantismo, o que, aliás, ajudaria a apimentar a relação, o besta passa ao largo... Desculpe. Estávamos no buquê. E então? Deve ter sido uma noite fenomenal... Memorável...
Luciana
- Quem dera!
Vera Lúcia
- Não foi? Qual o motivo? Você não gosta de flores? Toda mulher gosta de flores... Ainda mais rosas vermelhas. Eu, por exemplo, amo receber flores.  O meu Ferreira, em relação a chegar junto, eu não tenho o que reclamar.  Todavia, em romantismo... Tá legal. Me perdoa. Termine. Chegou com o buquê de flores... Rosas vermelhas. E depois?

Luciana
- Depois começou o meu calvário.
Vera Lúcia
- Que isso, amiga? Por causa de quê?
Luciana
- Culpa do buquê. Acredite minha amiga, eu tive que passar o final de semana inteirinho com as pernas abertas. Imagine amiga, a minha situação. Com as pernas abertas... Está me doendo até agora... Chegou a dar câimbras... Até para me locomover está sendo penoso... 
Vera Lúcia nesse momento de tão abismada e chocada, de repente ficou mais loira do que aparentava quando saia literalmente do seu estado normal:
Vera Lúcia
- Sério? Com as pernas abertas?
Luciana
- Arreganhadas... Diametralmente arreganhadas...

Sem saber, de fato, o que responder, por fim encarou a amiga e enquanto se dirigiam para o local onde ficava o relógio de ponto, a beldade loira, como não poderia deixar de ser, abrilhantou a sua imbecilidade, finalizando o bate papo soltando essa pérola:
Vera Lúcia
- Amiga, Luciana, valha-me Deus! Que coisa horrível. Será possível que não tinha nenhum vaso na sua casa?!  
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de São Paulo, Capital. 10-9-2019

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-