domingo, 1 de setembro de 2019

[Atualidade em xeque] As bruxas do Aerus

José Manuel

Podemos perceber que, inegavelmente, o Brasil tem sérias tendências à idolatria e provas robustas nessa direção não faltam neste momento, uma vez que as redes sociais estão em estado pré-epidêmico no assunto.

Podemos sentir dois tipos de idolatria, o do mal e o do bem. O primeiro está hóspede na PF em Curitiba e o segundo ocupa neste momento o palácio do Planalto.

Não vejo problema em ter ídolos, porém da forma como vem se apresentando nas últimas décadas, com as hostes mortadelas por todo o país, mesmo depois de todas as condenações, é algo a ser repensado.

Por outro lado, no caso atual, eu mesmo votei no atual presidente, mas chegar à idolatria, como está acontecendo, me parece algo não muito normal.

A idolatria tem nuances perigosas, e quando mal aplicada, no caso do mal, para não perder a "mamata" faz-se uma caça às bruxas a fim de desaparecer com todos os que incomodam pelo caminho, tendo isso acontecido ao longo dos últimos anos.

Já no caso do bem, a caça às bruxas se dá por outro viés: o do puritanismo, fazendo-se essa depuração em nome do bem-estar Nacional vilipendiado pelo mal.

Há que se ter cuidado com as duas nuances, e para não se perder tempo com o passado, o presente se apresenta com uma caça implacável a tudo que está errado. O problema é que há o perigo de uma extrapolação nesses movimentos, podendo atingir pessoas de bem e inocentes. Se antes era para manter as "mamatas", agora é para aparecer bem na fita ao ídolo e mostrar serviço nem que para isso o rolo compressor atinja quem não deve nada ao Estado.

E nessa toada, parece que nós do AERUS somos os primeiros e privilegiados a sermos caçados, nessa roda viva de culpas, sem culpa.

Um desses desavisados e, logo deixo claro que já sabemos quem é, foi mexer num vespeiro sem a menor noção do que estava fazendo, só para agradar ao seu ídolo, posando de salvador da pátria.

O que ele não sabe ou melhor, deveria  ter se informado antes, é que esses  "bruxos e bruxas" do AERUS que ele tentou caçar, agindo com evidente covardia e passando por cima de uma ordem judicial, são credores da União, por baixo, em valores atualizados, de  R$ 11.000.000.000,00 (onze bilhões)!

Que terão de ser pagos por força de julgamento no STF e transitado em julgado, ou... por um acordo que seria melhor para todos. O Presidente que decida.

Ele, o caçador, causador de um grande problema e sua força tarefa a serviço do "BEM" conseguiu não apenas desestabilizar momentaneamente milhares de famílias, mas colocar na ordem do dia aquilo que era mais ansiado por todos.

A inclusão na tutela antecipada de todos os chamados ativos, e que muito provavelmente será feito desta vez pelo Desembargador responsável pela tutela.
Ele, o caçador de " bruxos e bruxas ' também não conhece uma máxima que diz: Decisão judicial não se atropela. Decisão judicial não se discute. Se paga!

Portanto, me parece que o caçador deu um tiro no próprio pé e, se eu conheço em quem votei, seu emprego já era.
Sorry!
Título e Texto: José Manuel - apenas um bruxo do Aerus, 31-8-2019

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Caro JM, diga aí para que todos fiquemos sabendo quem arbitrariamente deu um “tiro no pé” . Hoje li mais uma mensagem ridícula; “Essa é a justificativa da união que vai ser derrubada pelos advogados.....,.” , mas não escreve mais nada sobre isto, continua com “não vou rebater porque estamos todos.......” , “Mas” contrariando a frase ela descreve o que todos sabemos sobre a ACP, e outras que não são verdadeiras. Não consigo , de jeito nenhum, entender como e porque tantos “ingênuos” acreditam e apoiam a esta mensageira, que hoje nada faz além de demagogias. É uma Barbaridade! Um Abs JM.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-