quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Ó Malaka, terá di San Franciscu

Os Portugueses estiveram lá “apenas” 140 anos e saíram há quase 400, mas o papiar kristang continua a ser falado.
Luís Almeida Martins
Foi em abril de 1511 que o grande estratego Afonso de Albuquerque largou da cidade indiana de Goa (conquistada quatro meses antes) rumo a Malaca, no sul da península da Malásia, com uma força de 1 200 homens embarcada em perto de duas dezenas de navios. Forte e arrogante, a praça-forte de Malaca dominava as terras em redor e parte da fronteira ilha de Sumatra, desafiando os Siameses do norte (atual Tailândia) e mantendo em respeito os Javaneses do Império Majapahita, na Indonésia de hoje. Pois foi essa poderosa Malaca que Albuquerque conquistou sem grande dificuldade.

A Famosa, porta de fortaleza situada em Malaca, Malásia.

Foi ali depois erguida a enorme fortaleza conhecida por “A Famosa”, de que ainda hoje é visível uma porta importante, e Malaca tornou-se a base dos múltiplos aventureiros que se dedicaram à prática do comércio e da pirataria no chamado “Império Sombra” – aquele que ficava já distante das águas indianas, lá mais para o Oriente, na rota do Vietname, da China e do Japão. Fernão Mendes Pinto, o autor da Peregrinação, seria um desses portugueses que, enquanto andaram pelo Oriente, consideravam Malaca a sua terra. Também lá viveu uma temporada São Francisco Xavier, o Apóstolo do Oriente.

Em 1641, os Holandeses capturaram a cidade aos Portugueses, que, ao contrário do que se passou com outras possessões, não conseguiriam nunca retomá-la. E assim acabou, aparentemente, a história de uma presença mais que secular. Só na aparência, porque o crioulo português de Malaca, ou papiá kristang (fala cristã), ainda hoje é falado por uns cinco mil descendentes dos navegadores e comerciantes dos séculos XVI e XVII, que, ao cruzarem-se a seguir ao almoço nas ruas, se saúdam com as palavras bong atadi e perguntam ou pela muleh ou pelo maridu.
Além deste, os crioulos do português mais conhecidos são os de Cabo Verde (existem vários) e o tetum timorense.
Título e Texto: Luís Almeida Martins, in “365 Dias com histórias da História de Portugal”, páginas 167/168
Digitação: JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-