segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Comentários sobre o primeiro debate para prefeito do Rio na Tv Band

Cesar Maia


1. Jandira Feghali assumiu uma postura de anticandidata. Ofegante, destacou sua defesa de Dilma e repetiu a ladainha de golpistas àqueles cujos partidos votaram pelo impeachment. Marcou sua presença pela agressividade, especialmente contra Pedro Paulo do PMDB. Procurou colá-lo a Eduardo Cunha e voltou ao tema da agressão contra a mulher. Sua roupa estampada, não recomendada para debates em TV, mostrava a despreocupação com a avaliação da audiência. Cumpriu sua missão, que não era vencer a eleição.
                
2. Molon foi o que se saiu melhor. Focou bem a câmera se dirigindo ao eleitor. Fez críticas sistêmicas ao prefeito. Mostrou que o treino em plenário nesses dois anos lhe serviram muito. Faltou suavizar um pouco as feições quando fazia suas propostas. Ocupou bem o espaço de Freixo no debate. E mostrou-se como o mais preparado.
               
3. Índio da Costa tem usado camisas collants pretas desde os comerciais partidários dos últimos dois semestres. Ele ou seu marqueteiro devem ter querido gerar uma semelhança com Steve Jobs. No final uma caricatura. Entrou no tema segurança e distribuiu tiros à Prefeitura/Pedro Paulo, Jandira/Dilma e Crivella. O tiro a Crivella é um erro tático, pois quem disputa a ida ao segundo turno e o mesmo eleitorado com ele são Osório, Pedro Paulo e Bolsonaro.
               
4. Bolsonaro entrou no tema segurança na primeira pergunta. Prometeu transformar a Guarda Municipal numa subpolícia e armá-la. Na segunda pergunta mostrou insegurança. E depois passou mal, com queda de pressão, quase desmaiando. Essa imagem terminou sendo contraditória a seu discurso forte.

5. Pedro Paulo mostrou ter passado por uma imersão em mídia-training. Seu diretor/instrutor deve ter enfatizado um rosto de calma com leves sorrisos sustentáveis. Mas seus sorrisos foram artificiais e oscilaram entre cinismo e deboche. Errou ao oscilar seu olhar entre a quem respondia e a câmera e, com isso, não falou para o eleitor. Enfatizou BRT e VLT. Se fosse feito o que propôs, o Rio seria uma teia de aranha. Mostrou que seu treinamento para responder a ataques em relação à mulher não foi bem assimilado e seu rosto mostrou muito mais insegurança que a indignação-suave treinada. Ganhou medalha de ouro em lançamento de chutes/números.
               
6. Crivella – como líder folgado nas pesquisas – procurou sempre ganhar tempo. Frases suaves quase pastorais. Mostrou que sua equipe está bem informada sobre a prefeitura. Escolheu um caminho fácil de memorizar ao fazer críticas pontuais à administração e sempre carregando nas questões sociais. Se não ganhou, certamente não perdeu. Saiu como entrou.
               
7. Osório foi o que menos proveito tirou do debate. Não falou com a eloquência que tem em suas entrevistas, palestras e reuniões domiciliares. Ficou oscilando e confundindo os que assistiam por ter sido e não ser da prefeitura, por ter sido e não ser gestor olímpico… Ao tratar do BRT mostrou isso claramente. Não conseguiu ser propositivo e nada do que disse gerou memória. Se disputava eleitor com Índio, saiu perdedor.
               
8. Todos procuraram mostrar conhecimento da prefeitura, citando números e porcentagens. A questão fiscal ficou à margem das promessas. Nenhum deles convenceu a respeito. Uma tabulação mostraria a intensidade dos chutes. Freixo não perdeu nada em não ter ido.
Título e Texto: Cesar Maia, 29-8-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-