sexta-feira, 26 de maio de 2017

Loucura atinge ápice: manifestação a favor da Cracolândia

Vilma Gryzinski

As pragas da insanidade correm soltas pelo país, mas é difícil imaginar algo mais estarrecedor do que “manifestantes”, ONGs e juristas pelo direito ao crack

D.R.
Quem anda de metrô, tem conta em banco e assina serviços de internet costuma ser chamado de usuário. Sem saber, todas estas pessoas estão na companhia dos infelizes e perigosos viciados em crack que transformaram um pedaço de São Paulo numa sucursal do inferno.

Existem viciados em praticamente todos os lugares do Brasil, mas só em São Paulo existe uma rede de proteção ao vício, ao tráfico e ao crime. Por isso, a Cracolândia se transformou em território livre de viciados, traficantes e criminosos.

Qualquer iniciativa tomada para acabar com este escândalo a céu aberto é imediatamente contestada por especialistas preocupados com tudo, menos com os cidadãos infernizados por esta aberração.

Consideram que os viciados são doentes – como se estivessem indo ao trabalho ou à escola e tivessem sido picados por algum dos pernilongos assassinos que pululam no nosso meio-ambiente. Mas não doentes comuns, daqueles amontoados nos serviços públicos de saúdes.

Segundo estes especialistas, cada um dos viciados, ou “usuários”, teria que ser acompanhado dia e noite por uma equipe multidisciplinar. Psicólogos, psiquiatras, médicos especialistas em todas as inúmeras enfermidades que adquirem através de seu estilo arriscado de vida.

Terapeutas, talvez acupunturistas e massagistas. Também arquitetos que desenhariam as moradias bem planejadas onde ficariam abrigados, com banheiras de hidromassagem para relaxar as tensões.

DROGAS RECREATIVAS
Pelo menos, advogados, juristas e promotores eles já têm. Encostou na Cracolândia e o mundo vem abaixo com um vigor não encontrado em todas as outras inúmeras áreas onde falta praticamente de tudo à população, em especial aos mais pobres.

A última novidade foi uma manifestação a favor da Cracolândia. Repetindo: a favor da Cracolândia. Não era muito grande, mas teve repercussão e cobertura enormes. Só saiu um pouco do noticiário porque um outro pessoal da mesma estirpe estava tocando fogo em ministérios em Brasília.

Foto: Ale Vianna/Folhapress

Mundo dos zumbis: rede de proteção que prega permissividade total criou um território livre da lei. Foto: Paulo Whitaker/Reuters
Marchas pela legalização da maconha são comuns – e redundantes, consideram-se que na prática seu uso é livre. Em geral, jovens de classe média usam drogas recreativas que só causam impacto forte na saúde mental em quem tem predisposição a determinados distúrbios ou for um idiota total.

Marcha pela Cracolândia é uma aberração tão distorcida que até os jornais estrangeiros loucos por um “progressismo” ficaram um pouco fora dessa. A BBC registrou a intervenção e os “críticos” que dizem que ela “vai meramente empurrar o problema para outras partes da cidade”.

VERTIGEM NACIONAL
O que foi feito na Cracolândia em São Paulo pode ser discutido e contestado até o fim dos tempos. Mas é impossível não ver a motivação política por trás das reações desequilibradas que provocou.

O titular da prefeitura, evidentemente, tem seus interesses e entende muito bem o repúdio universal ao espetáculo grotesco da Cracolândia. No universo das pessoas comuns, evidentemente.

Os que condenam a ação têm pavor da popularidade gerada por iniciativas como a que tomou. Inclusive entre os que são, nominalmente, correligionários. Na vertigem nacional em que o país está mergulhado, qualquer índice de popularidade pode acabar no Planalto.

O crack destrói cidadãos principalmente das camadas mais pobres. Quem já viu uma pessoa normal se transformar em zumbi, de olhos e alma capturados pelo vício, sabe o que acontece. Família, trabalho, moradia, amigos, dentes, roupas e, por fim, sapatos, tudo é tragado.

“Usuários” passam a exalar um cheiro terrível. Traficam, roubam, assaltam, se prostituem, engravidam e dão à luz crianças devastadas pelo vício.  O olhar humilde de quem pede um dinheirinho para o “ônibus” se transforma em ameaçador, movido fissura incontrolável pela pedra maldita.

De que outra forma quem não trabalha pode sustentar um vício avassalador? Muitos alternam períodos de remissão, quando se afastam do vício e conseguem trabalhar. Devem receber todo o apoio. Daí vem a recidiva. De ciclo em ciclo, chegam ao fundo, quando perdem o principal: o poder de tomar decisões.

MUDANÇA DE TURNO
Proteger os mais desprotegidos é uma obrigação das sociedades civilizadas. Ter compaixão e oferecer ajuda aos viciados é um dever moral. Que não pode ser confundido com um laissez-faire ideologizado, com permissividade incondicional e paralisante.

Mas quem está preocupado com moradores, transeuntes, donos de pequenos comércios, todos infernizados pelo território livre de viciados e traficantes? Com os trabalhadores humildes assaltados por um celular que vai virar pedra?

Quem já olhou pelas janelas dos prédios onde as castas superiores trabalham e viu faxineiras saírem em grupo, na hora da mudança de turno, agarrando as bolsas, tentando se proteger mutuamente dos “nóias”?

Muitas dessas mulheres demonstram bondade com os viciados que, em seus bairros, “não fazem mal a ninguém”, exceto pelo tráfico entre si. Têm medo muito maior de que seus filhos sejam “levados” para o mundo dos zumbis.

POLTRONA MOLE
Do alto de seu saber jurídico, os membros das castas não levantam sequer um dedinho humanitário para fazer algo contra o fluxo constante e inalterado de cocaína transformada em crack diante de seus próprios olhos. Quando se dão ao trabalho de olhar, claro.

Em suas ONGs moderninhas, advogados brilhantes e ascendentes são pagos para defender com argumentos bem escritos, que aprenderam nas melhores faculdades, a legalização das drogas.

Convivem com seus benfeitores ricos, aprendem a tomar vinhos cada vez melhores, andam de bicicletas cheias de maiúsculas. Quando realizam o sonho de comprar uma poltrona Mole, objeto de desejo a um nível quase tão absoluto quanto as pedras de crack para os viciados, foram totalmente cooptados. Moralmente, estão mais moles do que a poltrona.

E, ainda por cima, todos se acham paladinos da justiça.

11 comentários:

  1. MINHA RESPOSTA
    APLIQUE-SE A TEORIA DO GÊNERO. QUER SER HOMOSSEXUAL É SEU DIREITO QUER SE DROGAR É SEU DIREITO. Não me venham com apologias. Uma pessoa tem raça e cor não porque quer, isso não é opção. O resto é quase 100% opção. Ser careca não é opção, ser gordo é opção. Fumar e beber são opções. Só que beber foi considerado doença pela OMS. Acho me posicionando contra o politicamente correto, que todo drogado deveria ser lançado num abrigo em forma de presídio e que o estado sustentasse o vício, sairia muito mais barato. A vida até pode ser um amaranhado de opções, os nós que cada um desate os seus.

    ResponderExcluir
  2. Rochinha, não é sempre, mas, mais uma vez concordo com Vc.
    Todos, digo todos, temos livre arbítrio, somente uma pessoa senil, que deve ser interditada, não tem a "opção"; em tudo na vida fazemos opções. "To be, or not to be, that is the question"!
    Se eu optar por A ou por B, as consequências e as responsabilidades são minhas. Se errei, posso até pedir ajuda, mas a ajuda não é imposta, é sim voluntária.
    Abs,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  3. Eu quase não exponho minhas opiniões.
    Por exemplo:
    O cara nasce macho com um enorme PINGOLIM, opta por ser mulher, e o governo me obriga a pagar a PEPECA DELES.
    Isso é insensato.
    PORRA!
    O cara se droga, e eu tenho que pagar a ressocialização do imbecil.
    Nós já pagamos as socializações de menores bandidos, criminosos, assaltantes, estupradores, assassinos, bebuns....
    E a nossa socialização na justiça há mais de 20 anos.
    Por isso eu defendo DIREITOS OBJETIVOS E DIREITOS SUBJETIVOS, fundamental primeiro se sobrar direitos humanos.
    Primeiro educação, saúde, segurança pública, previdência e depois os viciados e as pepecas.
    fui se não apanho...

    ResponderExcluir
  4. Rochinha,
    Todas essas causas fraturantes são defendidas pela Esquerda, eu disse, Esquerda, porque servem à marcha dessa gente que objetiva destruir a civilização ocidental, judaico-cristã (leia-se também, capitalista e democrática) e a FAMÍLIA!
    São tão covardes (para não escrever outro vocábulo) que você nunca os verá enfrentar qualquer ditador, mesmo de meia-tigela. Por exemplo; em Cuba, na Venezuela, na China, na Turquia, no Irã...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ih, me perdi... li em algum lugar (não posso confirmar a veracidade) que nos EUA, mais precisamente em Nova Iorque, acabaram com cracolândias confrontando os viciados (e agitadores) com as opções:
      - Internamento compulsivo ou
      - Cinco anos de cadeia.

      Excluir
    2. FIZ UM LEVANTAMENTO
      Você tem razão.
      Em 1986 a lei da disparidade prendia com 5 anos usuários de crack que se negavam ao tratamento, como se tivessem em mãos o limite de 110 gramas de cocaína.

      Obama e os democratas em 2009 eliminaram a disparidade.
      Passando a proporção para 18:1 e não mais 100:1.

      A nova lei aumentou as sentenças para os condenados por cometer atos violentos no curso de uma infração de tráfico de drogas e incorporou fatores agravantes e atenuantes nos delitos de tráfico de drogas.

      fui...

      Excluir
  5. O jornal 'Folha de S. Paulo', na sua campanha anti Doria (não sei por que razões), dentre várias manchetes pró viciados e contra o prefeito:
    "Acolhidos passam mal após comerem em centro da prefeitura na cracolândia http://bit.ly/2rqtKfC "

    ResponderExcluir
  6. Fácil, drogados se alimentam mal, quando comem proteínas passam pior.

    ResponderExcluir
  7. A GALERA DA CRACOLÂNDIA, deveria ser colocada num transatlântico, com todas as mordomias, segurança, boa comida, etc. etc. Em alto mar, dariam a eles a unica opção. Pular no mar bravio. Quem conseguisse chegar em terra firme, teria uma nova chance de vida melhor. No mesmo caminho, nossos políticos do Epicentro. Pensem nos nossos parlamentares da câmara, do senado, dos ministérios, dos palácios, do STJ e outras pocilgas existentes em Brasília, todos acomodados em luxuosas cabines, boa comida, muita bebida, mulheres, malas para acondicionamentos de dinheiro, joias... Em alto mar, a obrigatoriedade de fazer cada um deles pular nas águas geladas do simpático atlântico. Quem chegasse em terra firme... repetindo, teria uma nova oportunidade de continuar na Capital Federal. Seria a unica maneira de acabarmos com a cracolândia e, de roldão, com os ratos de esgoto que assolam a capital do país. Acho que haveria uma melhora considerável. Além do que mataríamos porcos e cabritos com uma cacetada só. Fui.

    ResponderExcluir
  8. Aparecido, papo furado! A expressão fui, já conheço!

    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-