quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Uma singela cartinha aos jovens da geração Nutella


Rodrigo Constantino

Olá, meu jovem. Venho hoje falar com você sobre o mundo em que vivemos, e como você pode fazer para tentar torná-lo um pouco melhor. Para começo de conversa, desista de tentar “salvar o mundo”; comece se esforçando para que você mesmo se torne uma pessoa melhor. É para isso que teremos esse “papo reto”.

Ou seja, antes de querer salvar o planeta, as baleias ou as criancinhas africanas, ajude a sua mãe e arrumar o quarto, ajude seu pai a tirar o lixo, e guarde você mesmo a louça. Aprenda a falar com respeito com os mais velhos, principalmente seus próprios pais. Eles não são seus coleguinhas.

Sei que você não tem culpa de tudo, que nasceu num ambiente definido, que foi moldado pelas gerações anteriores. Elas fracassaram em muitos aspectos. Mas o ponto mais importante aqui é esse: chega de mimimi, de vitimismo. Sim, o mundo que você herdou é estranho, mas cabe a você rejeitar as porcarias que deixaram como legado, e tentar preservar ou resgatar aquilo que havia de bom.

E havia muita coisa boa, como ainda há. Só que o primeiro passo para apreender isso é você abandonar a ideia arrogante e estúpida de que as gerações passadas eram imbecis e que o “esclarecimento” e a “luz” vieram recentemente. Nem tudo que é mais moderno é melhor.

Fazer tábula rasa, então, de todo o estoque de conhecimento, inclusive aquele presente em hábitos e costumes e que nem sempre a razão consegue justificar, é prova de burrice. Não queira quebrar todos os tabus. Não pense que a inteligência começou na sua geração, que antes tudo era lixo, pois esse é o comportamento dos idiotas. Tenha humildade diante do passado.

Sua geração tem muita informação, mas não confunda isso com conhecimento, menos ainda com sabedoria. Você recebe estímulos frenéticos das redes sociais, está ligado 24 horas por dia, vê um monte de notícias e de “Fake News”, mas é preciso saber filtrar, refletir, absorver, processar isso tudo. Caso contrário, será um robô mais perdido do que cego em tiroteio.

Sua geração é extremamente narcísica, acha que o próprio umbigo é o centro do universo. Vou te tocar a real: não é! Seus desejos não são leis universais, você não tem “direito” de ter seus apetites saciados, e muito menos de não se sentir ofendido. Antigamente, o Merthiolate ardia. Era bom para lembrar que a cura dói, que sem dor ou esforço não há ganho. Você é da geração Merthiolate que não arde. Lembre-se disso.


Provavelmente você vive numa bolha, e uma bolha “progressista”. Saia de casa para ver o mundo real. Converse com o porteiro, a empregada, o taxista. Conheça gente de carne e osso que frequenta a missa ou o culto aos domingos. Isso será importante para que você não confunda a patotinha da sua universidade com a população em geral.

Se você pertence a alguma “minoria”, entenda logo de uma vez: isso não importa! Não é essa “identidade” que te define como indivíduo, e isso nada diz sobre seu caráter ou suas habilidades.

Seu chefe não vai ligar se você tem a pele mais escura, não tem um penduricalho entre as pernas ou é gay. O que importa é sua produtividade, sua eficiência. Portanto, chega de bancar a vítima e achar que tem “direitos” só por ser “diferente”.

Desconfie daquele seu professor engajado. Não pense que descobriu a pólvora só porque decorou três slogans ou frases de efeito. Estude. Leia. Leia muito. Leia autores com pontos de vista diferentes, leia literatura, leia, por favor, os clássicos. Comece com Shakespeare. Deixe Nietzsche para bem depois. Primeiro construa os pilares morais, depois, com maturidade adquirida, pode ler os “subversivos rebeldes”. Mas há limite: Foucault nem precisa ler, pois é pura perda de tempo.

Sei que sofrer bullying não é legal, mas entenda isso de uma vez por todas: o mundo não é “legalzinho”, não é um parque de diversões para atender seus caprichos. O mundo é o que é, e há nele muita hostilidade também. Conviva com isso. “O que não te mata te fortalece”. Olha eu citando Nietzsche aí! Use cada contratempo para crescer, para sair mais forte do outro lado, para superar obstáculos e avançar. Leia “Se”, de Kipling, e aprenda a ser homem de verdade.

Não confunda sua vontade de fumar um baseado ou seus chamados hormonais com liberdade, pois isso pode ser justamente sua prisão. Jamais confunda libertinagem com liberdade: são coisas bem diferentes. Não nego que seja tudo muito tentador, a vida de sexo e drogas, e que faça parte da juventude o desejo de transgressão. Mas não dê ouvidos ao professor recalcado, que gostaria de ser jovem novamente e tenta bancar o descolado, enaltecendo esses comportamentos. O coitado precisa de um bom divã para lidar com sua crise de meia-idade, e usa você como mascote, cobaia, fuga. Aprenda a resistir!

Enfim, esteja preparado para a vida, que não é moleza. Tem que estudar, ralar, se destacar em alguma atividade nesse mundo competitivo, e ser um chorão que se julga vítima de tudo e todos é o caminho mais rápido para o fracasso. Você não tem direito a um “espaço seguro” onde ficará blindado de opiniões “desconfortáveis” ou “ofensivas”. Isso é coisa de frouxo. Não seja mais um ícone da geração Nutella. Assim como gordas colocam fotos na geladeira para lembrar da necessidade da dieta, coloque uma foto do deputado Jean Wyllys no seu quarto para lembrar de como jamais deveria ser!

E cara, sério: corte o cabelo de forma decente! O que são esses capacetes estranhos, inspirados em jogadores de futebol?! Se for menina, aprenda a explorar a feminilidade, que não é pecado.

Não escute as feministas recalcadas e invejosas. Fuja delas como o diabo foge da cruz! Elas farão de tudo para te transformar numa baranga masculinizada, com cabelo roxo e cheia de piercing pelo rosto. Ou seja, num monstrengo repelente de machos. Elas querem companhia, sabe?

Não embarque na canoa furada da “arte moderna”, que transforma lixo em arte e rejeita o Belo em nome do “vale tudo” estético. Não vá achando que “todos são iguais”, pois não são. Não espere que os resultados sejam os mesmos, pois nunca são. Entenda que esse papo de que não existem vencedores e perdedores é papo de… perdedor!

Por fim, desenvolva seu lado humorístico. Não saber rir – inclusive de si mesmo – é um pecado mortal. Por isso as melhores piadas de bichinhas são contadas por gays, as melhores de judeus por judeus, as melhores de português por portugueses e as melhores de negros por negros.

Aquele que fala em preconceito o tempo todo pode estar projetando nos outros o que enxerga no espelho, pode estar mascarando seu próprio preconceito. Fure essa bolha do politicamente correto! Quem lhe diz isso é o salva-vidas de aquário aqui, do alto de meus 1,70m!

Espero, com isso, tê-lo ajudado a enfrentar com um pouco mais de coragem e dignidade o mundo em que você nasceu. Fecho com o conselho de Nelson Rodrigues aos jovens: envelheça! A alternativa é muito pior…
Título e Texto: Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo, 22-11-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-