segunda-feira, 30 de julho de 2018

O Bloco caiu do pedestal

Alexandre Homem Cristo

Os bloquistas sempre se idealizaram moralmente superiores aos seus adversários e os titulares do único projeto político verdadeiramente legítimo. Não o são e não o têm. Agora, ficaram-no a saber.

É próprio do populismo que, mais dia menos dia, este se vire contra o populista. A história dos partidos políticos está repleta de casos de quem abusou da arrogância moral e advogou comportamentos sociais que depois não foi capaz de cumprir (à direita e à esquerda). Por isso, o episódio de Ricardo Robles, cujo moralismo na habitação lhe valeu notoriedade, nada tem de inovador: ele foi vítima do seu próprio discurso populista sobre a habitação, aparecendo agora como um hipócrita. Enquanto criticou o aumento especulativo do preço da habitação, adquiriu e recuperou um prédio que tentou vender por quase 6 milhões de euros, valorizando cinco vezes o seu investimento inicial. Enquanto perseguiu a explosão no alojamento local em Lisboa, colocou o seu prédio à venda anunciando-o para alojamento local. Enquanto acusou a lei das rendas do governo PSD-CDS de promover despejos de inquilinos, ele próprio aumentou a renda dos apartamentos e negociou a saída de inquilinos do prédio que adquiriu. Enquanto responsabiliza políticos pela crise de habitação na capital, lava as mãos de responsabilidades no seu caso, apontando à agência imobiliária a decisão sobre os valores do negócio. A lista de contradições é extensa e insanável.

Tanto quanto se sabe, o negócio de Ricardo Robles enquanto proprietário é legal e legítimo – a valorização do imóvel mostra que foi, aliás, um bom negócio. Só que, simultaneamente, tudo isto corresponde ao comportamento que, no debate político, o BE e Ricardo Robles criticam, qualificam de “especulação imobiliária” e definem como alvo a abater. Pelos padrões do projeto político do BE, o que Ricardo Robles fez é fator de dano social para a comunidade. A raiz do problema está aí – e diz mais sobre o BE do que sobre Ricardo Robles.

É este o ponto: a hipocrisia pessoal de Ricardo Robles é gritante, mas o foco deve estar no moralismo do seu partido, que contamina o seu projeto político e que promove a desqualificação violenta dos seus adversários. Um moralismo que, agora, colidiu com a atuação do seu vereador lisboeta e que destapou as incoerências pessoais dos protagonistas do BE e da natureza do seu projeto político. Destapadas essas incoerências, não restam agora muitas hipóteses aos bloquistas. Ou o BE as assume e age em conformidade em relação a Ricardo Robles, censurando publicamente a sua atuação. Ou o BE assume que as incoerências estão enraizadas no seu projeto político, por este ser incompatível com as aspirações legítimas dos indivíduos, e altera a sua agenda política. Ou, então, o BE simplesmente nega a realidade, evitando rever o seu projeto político ou sequer ponderar consequências internas para Robles.


Catarina Martins preferiu a terceira opção: perante as acusações contra Ricardo Robles, a líder do BE ripostou que as notícias eram falsas, criticou a comunicação social, contestou as críticas e lançou uma teoria da conspiração – o Jornal Económico, que publicou a investigação inicial, repudiou (e muito bem) as acusações de Catarina Martins. Ora, mesmo que errada, a opção da líder do BE não constitui qualquer surpresa. É que é assim mesmo que todos os partidos se comportam: têm olhos de falcão para as falhas dos outros, mas ficam cegos perante as suas próprias incoerências.


A moral da história é essa: o BE é um partido como os outros, igualmente contraditório, igualmente cheio de vícios e igualmente repleto de incoerências internas. Dito assim, parece que isto apenas sublinha o óbvio. Mas, para a retórica do BE, este óbvio é fatal: equivale à queda do seu castelo e a uma facada no seu projeto político. Os bloquistas sempre se idealizaram moralmente superiores aos seus adversários políticos e os titulares do único projeto político verdadeiramente legítimo. Não o são e não o têm. Quem tem juízo, já o sabia. A partir de agora, o próprio BE ficou a saber.
Título e Texto: Alexandre Homem Cristo, Observador, 30-7-2018

Reservados:

Um comentário:

  1. E há grandolada ou não?

    O BE mais o PCP com o coro do PS já grandolaram o Robles ou não? É que depois de anos a ouvir grandoladas de repente dei por este vazio: os grandoleiros já não grandolam!!!
    Helena Matos

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-