terça-feira, 18 de agosto de 2020

Para manter privilégios, funcionários dos Correios entram em greve

Servidores pedem “fora Bolsonaro” e exigem volta de benefícios como “vale cultura” e “vale peru”
Foto: Arquivo/Agência Brasil
Anderson Scardoelli

Na mira do programa de privatizações do governo federal, conforme ressaltou o ministro Paulo Guedes na última semana, os Correios dão mais um motivo àqueles que defendem que a empresa deixe de ser estatal. Em pleno período de pandemia devido ao vírus chinês, entidade que representa funcionários da companhia anunciou início de greve. A paralisação foi confirmada hoje à noite — e já está em vigor.

Responsável por definir a greve, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) afirma que a categoria teve “direitos retirados” ao decorrer dos últimos meses. Na lista de benefícios tidos como “principais” pela entidade estão o “vale cultura” e o “vale peru”. Dessa forma, a ideia da Fentect é que o movimento grevista permaneça por “tempo indeterminado”. Assim, cerca de 100 mil servidores têm suas atividades profissionais interrompidas.



Secretário-geral da Fentect, José Rivaldo da Silva culpa o comando dos Correios pela decisão grevista. De acordo com o sindicalista, os responsáveis pela estatal erraram a retirar os vales cultura e peru e outros benefícios dos servidores públicos. “A direção buscou essa greve, retirou direitos em plena pandemia e empurrou milhares de trabalhadores a uma greve na pior crise que o país vive”, reclamou.

Viés político

Além de paralisar o trabalho a fim de forçar a recuperação de benefícios em época que profissionais da iniciativa privada se veem em meio a reduções salariais e demissões, a entidade que representa funcionários dos Correios fez questão de expor o viés político com tal atitude.

Afinal, a Fentect pede “Fora Bolsonaro” e “Fora, Floriano Peixoto”, em alusões aos presidentes da República e da própria estatal.

Por fim, o movimento registra que “luta” contra a privatização. Para a associação sindical, os Correios devem ter todos os seus custos mantidos com dinheiro público. Ou seja: quer o contribuinte bancando a empresa.

Título e Texto: Anderson Scardoelli, revista Oeste, 17-8-2020, 22h04

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-