sábado, 20 de maio de 2017

Imigração para muçulmanos é método de conquista

Flavio Morgenstern

Enquanto jornalistas que desconhecem o islamismo falam de imigração apenas via economia, muçulmanos aprendem no Corão a imigrar e dominar.


A classe jornalística possui opiniões diametralmente opostas às da sociedade, e surfa na onda politicamente correta justamente para patrulhar o povo. Qualquer piada inocente é homofobia e machismo, e o real risco do terrorismo é que o povo passe a votar em políticos que o combatam. E, claro, ele nada tem a ver com o islamismo, a “religião da paz” mais assustadora do planeta.

Entre jornalistas, candidatos do PSOL seriam eleitos presidentes com 80% dos votos. Gera-se a peer pressure: a pressão dos pares que controlam, com faniquitos e chiliques, as opiniões “proibidas”.

Curioso quando a patrulha politicamente correta vem justamente do autor do Guia Politicamente Incorreto, com o qual já contribuí, que nas páginas da Folha de S. Paulo aplicou pari passu a cartilha da patrulha da hipersensibilidade para criticar um texto neste pequeno site (vide resposta resumida na Folha aqui).

De acordo com o colunista, é ridículo falar em “islamização” do Brasil.

Um imigrante palestino jogou uma bomba contra inocentes que protestavam contra a lei de imigração em plena Avenida Paulista, com silêncio plácido da imprensa que já deu espaço a seu restaurante “revolucionário” (inclusive na Folha) – mas, para o colunista, é “exagero” chamar de “atentado terrorista” jogar uma bomba contra transeuntes, que se feriram mesmo fugindo (é preciso explicar a etimologia da palavra “atentado”?). E que o convertido ao islamismo de Realengo, que matou 12 crianças, não merece ser chamado de terrorista islâmico porque… “sofria bullying”.

Seu argumento para tal? “Desse jeito fica difícil”. E que somos “à direita xucra”. Que, claro, é tão “xiita” (sic) quanto quem joga uma bomba contra inocentes, que se ferem mesmo depois de fugir. (O colunista não sabe que os xiitas não representam 10% dos islâmicos, e praticamente todos os grandes grupos terroristas islâmicos de hoje sejam sunitas).

São raros os jornalistas que sabem que o calendário islâmico se inicia não com o nascimento de seu suposto profeta, mas com uma imigração, a hégira, que marca a diferença do islamismo de porta em porta para o islamismo do fio da cimitarra de Medina. Que muçulmanos consideram a imigração tão importante que marcam o nascimento do novo mundo com uma, pois permite a islamização.

Que a jurisprudência islâmica considera que a submissão à sharia marca o “lar da paz” (Dar al-Islam), enquanto o mundo ainda não islamizado é o “lar da guerra” (Dar al-Harb, também chamado Dar al-Gharb, “terra do Ocidente”, em fontes otomanas).

Que na islamização pela demografia (há uma razão para as 4 esposas e o incentivo aos filhos no islamismo) pode-se fazer uma trégua: vive-se na Dal al-Hudna, via de regra de 10 anos. A trégua que os ocidentais creem ser “paz” (shalam), como no Tratado de Oslo ou no acordo nuclear com o Irã, significa apenas pausa para aumentar o prato da balança muçulmana. Foi o que Maomé fez em Hudaybiyyah, posteriormente tomando a cidade à força com um exército aumentado. O método de conquista foi sempre repetido para o islã ser grande como é.

Saber de tal método explica por que somos “xucros”, enquanto o colunista está apenas em estado de aferrada ignorância (jahiliyyah, palavra usada para aqueles que ainda rejeitam o islã). É claro, pesquisar exige esforço, e falar a verdade exige coragem, até diante de bombas – e dos coleguinhas jornalistas que acham que tudo que fuja à cartilha vai pegar mal.

Mas esperávamos mais apego à verdade e menos à narrativa bobinha da mídia de um autor que, quando fala de supostos “refugiados”, se torna o maior patrulhador politicamente correto, tristemente contrariando sua trilogia. Lidar com um tema de tal importância usando como argumento a frescurite? “Assim fica difícil” levar a sério libertários xucros.
Título, Imagem e Texto: Flavio Morgenstern, Senso Incomum, 19-5-2017

Um comentário:

  1. Estado Islâmico reivindica ataque no Manchester Arena
    O Estado Islâmico reivindicou hoje em comunicado o atentado de segunda-feira à noite, no final do concerto de Ariana Grande, em Manchester, Reino Unido, que causou a morte a 22 pessoas e fez 59 feridos.

    O comunicado, divulgado pela agência de propaganda do Estado Islâmico (Amaq) informa que «soldados do califado colocaram uma bomba entre a multidão» depois de um concerto, e ameaça a realização de outros atentados.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-