domingo, 26 de novembro de 2017

O Imbróglio da Previdência!!

Almir Papalardo

Nesta incômoda crise política e financeira em que só se ouve falar na tão encantada Reforma da Previdência, fica evidenciado de forma contundente o desespero do governo federal para tentar tapar o buraco deixado pelo descaso de muitos imprudentes e acomodados políticos brasileiros! Novamente e de modo oportuno, nos vêm à baila um binômio para reflexão: "Quantidade ou Qualidade"? Qual o quesito que se adaptaria melhor para um funcionamento menos confuso e muito mais vantajoso para todos e, principalmente, para o social do nosso país? 

Com total falta de visão administrativa por parte de um número considerável de congressistas, deixaram os cofres da Previdência chegar ao ponto crítico em que chegou, quase no fundo do poço. Empurraram com a barriga por duas décadas seguidas as providências e/ou medidas saneadoras que se faziam necessárias para manter-se o equilíbrio financeiro e sustentável da Previdência Social, o Anjo da Guarda de todos os trabalhadores tanto os ativos como os inativos. 

Concordaram que fossem feitos desvios astronômicos nos cofres da Previdência para finalidades que não tinham nada a ver com o respaldo dos trabalhadores! Estatísticas apontam que os desvios ultrapassaram a casa dos "três trilhões de reais", sem que tal soma assustadora retornasse aos cofres da Previdência! Por falta total de um pulso firme, permitiram e ainda permitem que caloteiros contumazes mantenham débitos bilionários com a Previdência, sem nenhum efetivo estudo para que tais débitos sejam resgatados! Em razão desta incompetência, pagam o pato os pobres e indefesos aposentados, a categoria mais fragilizada e de menos representatividade política da sociedade!

Existe ainda uma privilegiada turma de trabalhadores que nada descontam para a Previdência, não deixando de relacionar também, e o mais importante, é que o teto máximo pago pela Previdência não funciona para uma imensa casta de poderosos, que estão isentos de submeter-se a uma simples rotina que norteia as regras funcionais do sistema previdenciário. 

Diante de tantas e nefastas inconsequências, procura-se fazer uma reforma tipo "Tapa Buraco" da Previdência, que sabemos, será mais uma utopia, tirando mais direitos do que repondo! Nunca se ouviu falar em todo tempo de discussões de como tornar a Previdência mais justa e igualitária, de um mecanismo que corrigisse as injustiças feitas a um terço dos aposentados do RGPS, quando, tiveram o desvinculo do reajuste dos seus benefícios à correção do salário mínimo, excluindo da torpe medida os outros dois terços de segurados que recebiam apenas o piso, resultando para os primeiros, uma defasagem forçada que ultrapassa o percentual de 80% que nem o Estatuto do Idoso conseguiu evitar!

Como excluir numa eventual Reforma da Previdência os aposentados que foram dura e injustamente prejudicados, o que se constituiu no maior furo e injustiça, quando tiveram indevidamente seus benefícios honestamente conquistados pela média dos seus maiores descontos para o INSS, terrivelmente degradados? Quem se aposentou com 08 salários mínimos, com o covarde desvínculo, recebe hoje apenas 03 pisos da Previdência! Onde foram parar 05 salários mínimos que da forma "Doril", sumiram dos seus proventos?

Façam a tal reforma não esquecendo de corrigir a falha apontada acima e ela será melhor aceita pela sociedade, principalmente por aposentados que foram duramente vitimados e perseguidos! Como o Legislativo tem a mesma força jurídica do nosso Supremo quando no uso das suas atribuições, façam prevalecer o novo Artigo inserido no Estatuto do Idoso, dando maior prioridade para os "Octogenários", entre as prioridades que é dado a todos os cidadãos idosos! Ressuscitem a Previdência Social, ressuscitando também o adormecido Estatuto do Idoso. Com uma só cajadada, matem dois coelhos ao mesmo tempo! Aí está a amostra de uma gestão da mais alta Qualidade...
Título e Texto: Almir Papalardo, 26-11-2017

Relacionados:

Um comentário:

  1. Prezados e distintos Amigos:

    É por essa e outras razões que o Sistema Previdenciário não funciona bem, está quase falido, eximindo-se de culpa os aposentados do RGPS que até mantém sua Previdência superavitária. Mas, são justamente estes que servem de "bode expiatório" e capachos de equipes econômicas, que além de manterem um critério injusto de distribuição de renda, contribuem para a parafernália existente no sistema, onde o uso de privilégios injustificáveis causando um mal estar geral entre os previdenciários, gera também um inconformismo social entre todos os segmentos de trabalhadores. Como se não bastasse o RGPS ser o regime mais prejudicado, os governos insensatos criaram um outro tipo de preconceito dentro do mesmo segmento, discriminando àqueles que conquistaram com suas maiores contribuições mensais uma aposentadoria melhorada, desvinculando os seus reajustes anuais da correção do salário mínimo. Em outras palavras: Vêm atualizando as aposentadorias do RGPS com dois percentuais diferentes na obscenidade de nivelar todas as aposentadorias ao piso pago pela Previdência. É muita sujeira junta, resultando que, esta má gestão acumulada de duas décadas, teria que, inevitavelmente, um dia explodir! EXPLODIU!!! Um abacaxi a mais que agora precisa ser descascado...

    Almir Papalardo

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-