quarta-feira, 27 de junho de 2018

A sala da Segunda Turma do STF virou porta de saída da cadeia

Disfarçados de juízes, Gilmar, Lewandowski e Toffoli agem como cúmplices de bandidos de estimação

Augusto Nunes


A libertação do delinquente José Dirceu, [foto] condenado em segunda instância a 30 anos e 9 meses de prisão, escancarou a verdade inverossímil: a sala ocupada pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal transformou-se numa gigantesca porta de saída da cadeia.

Essa bofetada na cara do país que presta foi desferida a seis mãos por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Nenhuma surpresa. Gilmar inaugurou e comanda a primeira usina de habeas corpus do planeta. Lewandowski ganhou uma toga por ser filho de uma vizinha de Marisa Letícia. Toffoli é uma alma subalterna a serviço de Dirceu.

Disfarçados de juízes, os três agem como cúmplices de bandidos de estimação ─ e enxergam no povo brasileiro um bando de otários que só explodem de indignação quando a seleção vai mal numa Copa do Mundo. É hora de mostrar aos semideuses de araque que a paciência dos honestos acabou.
Título, Imagem e Texto: Augusto Nunes, veja, 26-6-2018



7 comentários:

  1. Lula e seus Lunaticos ,estão movendo mundos para que caiam nesta turma os seus recursos.
    Paizote

    ResponderExcluir
  2. Enquanto o povo fica atento aos gols da seleção, a turma da toga faz a seleção (abonados) dos que "adquirem" passe livre.

    ResponderExcluir
  3. O Algoz da VARIG está soltinho ! E agora, José ?

    ResponderExcluir
  4. É uma “barbaridade” um criminoso condenado no mensalão, que continuou cometendo crimes, além de ser mentor dos crimes do PT, e condenado novamente, seja solto por “Suprema Corte”, que vergonha Exma. Presidente desta Corte. É.. este é nosso País!

    ResponderExcluir
  5. Sim, conplementando, solto pode ter como pagar e buscar recursos, para continuar cometendo crimes!

    ResponderExcluir
  6. Alexandre de Moraes rejeita pedido de Lula
    Brasil 29.06.18 17:50
    Alexandre de Moraes acaba de rejeitar o recurso da defesa de Lula para modificar a decisão de Edson Fachin, que enviou ao plenário o pedido de liberdade do presidiário.

    Moraes também não quis saber de reencaminhar o caso para redistribuição na Segunda Turma.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-