quarta-feira, 27 de junho de 2018

A sala da Segunda Turma do STF virou porta de saída da cadeia

Disfarçados de juízes, Gilmar, Lewandowski e Toffoli agem como cúmplices de bandidos de estimação

Augusto Nunes


A libertação do delinquente José Dirceu, [foto] condenado em segunda instância a 30 anos e 9 meses de prisão, escancarou a verdade inverossímil: a sala ocupada pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal transformou-se numa gigantesca porta de saída da cadeia.

Essa bofetada na cara do país que presta foi desferida a seis mãos por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Nenhuma surpresa. Gilmar inaugurou e comanda a primeira usina de habeas corpus do planeta. Lewandowski ganhou uma toga por ser filho de uma vizinha de Marisa Letícia. Toffoli é uma alma subalterna a serviço de Dirceu.

Disfarçados de juízes, os três agem como cúmplices de bandidos de estimação ─ e enxergam no povo brasileiro um bando de otários que só explodem de indignação quando a seleção vai mal numa Copa do Mundo. É hora de mostrar aos semideuses de araque que a paciência dos honestos acabou.
Título, Imagem e Texto: Augusto Nunes, veja, 26-6-2018



7 comentários:

  1. Lula e seus Lunaticos ,estão movendo mundos para que caiam nesta turma os seus recursos.
    Paizote

    ResponderExcluir
  2. Enquanto o povo fica atento aos gols da seleção, a turma da toga faz a seleção (abonados) dos que "adquirem" passe livre.

    ResponderExcluir
  3. O Algoz da VARIG está soltinho ! E agora, José ?

    ResponderExcluir
  4. É uma “barbaridade” um criminoso condenado no mensalão, que continuou cometendo crimes, além de ser mentor dos crimes do PT, e condenado novamente, seja solto por “Suprema Corte”, que vergonha Exma. Presidente desta Corte. É.. este é nosso País!

    ResponderExcluir
  5. Sim, conplementando, solto pode ter como pagar e buscar recursos, para continuar cometendo crimes!

    ResponderExcluir
  6. Alexandre de Moraes rejeita pedido de Lula
    Brasil 29.06.18 17:50
    Alexandre de Moraes acaba de rejeitar o recurso da defesa de Lula para modificar a decisão de Edson Fachin, que enviou ao plenário o pedido de liberdade do presidiário.

    Moraes também não quis saber de reencaminhar o caso para redistribuição na Segunda Turma.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-