sábado, 30 de junho de 2018

Uau, Marcelo deu cabo de Donald Trump!

Querer transformar este inconsequente encontro de Marcelo no filme Mrs. Padeira de Aljubarrota Goes to Washington é, pura e simplesmente, patético.

João Miguel Tavares

Foto: Agência LUSA
Breve resumo das coisas que vi serem escritas e ouvi serem ditas sobre a passagem de Marcelo Rebelo de Sousa pela Casa Branca. Marcelo esteve espetacular. Marcelo estava preparadíssimo para os poderosos apertos de mão de Donald Trump e deu-lhe um safanão tão grande que lhe amolgou o braço com que costumava grab them by the pussy.

Marcelo efetuou aquilo que pode desde já ser considerado (aguarda homologação pelo Guinness World Records) o mais incrível aperto de mão da história dos apertos de mão. Marcelo mostrou a Trump de que é feito o verdadeiro português. Marcelo esteve espetacular.

Marcelo deu uma lição de História a Donald Trump, que nem sequer sabia que os founding fathers tinham brindado à independência com vinho da Madeira, o ignorante.

Marcelo meteu Trump no bolso quando ele fez aquela piada sobre Cristiano Ronaldo poder um dia vir a ser Presidente da República Portuguesa: “Há uma coisa que tenho de lhe dizer”, disse Marcelo, o espetacular, “Portugal não é bem como os Estados Unidos”. Uau, que espetáculo!

E aquela pose na cadeira? Marcelo de mãos nas ancas, braços abertos e olhar négligé  (Marcelo fez um olhar em francês só para relembrar Trump que ele não é Macron) – parecia que estava a dar a volta de honra à arena do Campo Pequeno após ter conquistado duas orelhas e um rabo. Já disse que Marcelo esteve espetacular?

E foi isto. Às vezes somos um país tão pequenino e tão ridículo que até dói. Foram ler o que é que a imprensa americana escreveu sobre esse tão grande e heróico encontro? Isto: as respostas de Donald Trump sobre quem deverá ser o próximo juiz do Supremo Tribunal de Justiça após Anthony Kennedy anunciar a sua saída. Nessas notícias made in USA, Marcelo existe apenas como peça decorativa: “Sitting next to the president of Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, in the Oval Office, Trump told reporters that his next nominee will likely come from...” E assim por diante.

Não tem mal nenhum, e é perfeitamente natural que as coisas sejam descritas desta forma: Portugal é um país politicamente irrelevante no xadrez mundial, mas com uma comunidade de certa dimensão nos Estados Unidos (1,5 milhões de luso-descendentes, o único número que Trump memorizou para o encontro) e uma base militar com alguma importância nos Açores, o que lhe granjeia um pequenino naco de uma longa tarde de Donald Trump.

Querer transformar este inconsequente encontro de Marcelo no filme Mrs. Padeira de Aljubarrota Goes to Washington é, pura e simplesmente, patético. Sim, Marcelo tentou aproveitar os quinze minutos de fama na Casa Branca falando muito e depressa. E Trump, a sonhar com o Supremo, tentou ser bem-educado, abanou a cabeça em aprovação enquanto Marcelo desfiava a sua trivia luso-americana, disse várias vezes “that’s right” só para fingir que estava atento, ensaiou uma piada sobre Cristiano Ronaldo, e quando falou de assuntos sérios (acordos de comércio) declarou que os Estados Unidos estão a negociar com os “representantes” de Portugal, ou seja, a União Europeia – que é aquele sítio onde a padeira 2.0 vai comprar pá, trigo e levedura.

Portugal não tem de se rebaixar diante dos grandes países do mundo, e muito menos perante o imprestável Trump. Mas a sobranceria de tantos comentários portugueses a que assisti nos últimos dias não tem pés nem cabeça. Para aquele ser um grande embate mediático entre David e Golias era necessário que o Golias tivesse reparado no David. Deixem-me dar-vos uma má notícia: não reparou.
Título e Texto: João Miguel Tavares, Público, 30-6-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-