sexta-feira, 17 de maio de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Tal mãe, tal filha

Aparecido Raimundo de Souza

Quando não se pode dizer a verdade, mas se diz algo semelhante à verdade, não se está traindo a verdade”.
José Mauro de Vasconcelos – escritor. Autor do livro “O meu pé de laranja lima”.


O TELEFONE TOCOU INSISTENTEMENTE na residência da senhora Viviane Cardoso de Godói. Ao ouvir o som do aparelho se destrambelhando, fez sinal para que a sua filha Tati, de cinco anos, que tomava seu café matinal, atendesse. Antes que a menina tirasse o auscultador do gancho, a mãe insistiu com veemência para que a pequena dissesse a quem quer que estivesse do outro lado da linha (ainda que a figura do papa ou do presidente da república), não importava quem fosse, ela não se encontrava em casa. A guria, contudo, cara de poucos amigos, sem entender bulhufas, contestou:

- Mas a senhora está aqui, mamãe. É feio mentir.
- Faça o que eu digo e não faça o que eu faço. Eu não estou. Não está vendo que eu saí cedo?
- E a senhora foi aonde mamãe, às oito e meia da manhã?
- Invente uma desculpa qualquer. Seja criativa. Sei que arranjará uma boa desculpa. Atenda logo essa porcaria. A campainha dessa droga me irrita os tímpanos e me tira do sério! Vamos, Tati, se mexa... não estou pra ninguém. NINGUÉM!

A menina obedeceu, o semblante fechado:
- Alô?  Bom dia. Quem é?
- Bom dia, aqui é o Pedro das “bugigangas”. Dona Viviane se encontra?
- Não.
- Saiu?
- Mais ou menos...
- Como, mais ou menos? Ela está ou não?
- Não sei não senhor. Dona Rosa, a vizinha aqui do nosso lado esquerdo acabou de me dizer que ela foi abduzida.

- Não entendi. Foi o quê?!
- Abduzida.
- Abduzida?
- Foi o que eu disse.
- Meu Deus, que absurdo. A sua vizinha falou isso pra você?
- Sim senhor...
- Essa senhora que disse essa barbaridade está aí do seu lado? Deixa eu falar com ela. Passe, por gentileza, o telefone. É urgente.

- Não senhor. Dona Rosa deu meia volta e correu para avisar aos outros moradores próximos...
- Mocinha, como é o seu nome?
- O meu?
- É.
- Tati.
- Muito bem, Tati. Lindo nome.
- Obrigada. Foi papai quem escolheu. Se fosse pela vontade de mamãe eu seria batizada Sara.
- Quantos anos você tem, Sara?
- Eu? Cinco. E não é Sara, é Tati.

- Perdão, minha jovem. Tati. Legal. Nossa! A mim está dando a impressão de ser uma garotinha inteligente, criativa e extrovertida. Pretende ser o que quando crescer?
- Olha seu Pedro, estou pensando em Física.
- Professora de educação...?
- Não, física mesmo. Gosto de estudar as coisas absurdas.
- Entendo! - Minha linda, pegando o gancho desse assunto, acaso saberia me dizer, em poucas palavras, o que eu, particularmente, poderia deduzir dessa expressão “abduzida?”. Confesso minha criança, até agora, essa coisa toda é muito nova e desconhecida para mim...

- Saberia sim senhor.
- Estou pasmo! Vá em frente. Sou todo ouvidos. O que é ser abduzida?
- O senhor está fazendo hora com a minha cara. Parece até o tio Pequinês. Tio Pequinês não me leva a sério!
- Quem é esse tio Pequinês?
- O irmão cachorro de meu pai.
Risos.
- Tá bom. O que significa ser abduzida? Juro a você, minha curiosidade não é outra senão a de aprender, claro. Hoje em dia adquirimos conhecimento com os mais novos. Essa juventude tem futuro.
- Tá bom. Pela sua conversa, seu Pedro, isso quer dizer que o senhor nunca foi abduzido! Acertei?

- Com todas as letras, minha princesa. O que é, afinal, ser abduzido ou como sua mãe abduzida?
- Abduzida ou abduzido tanto faz. A ordem dos cavalos não altera a rotina das cocheiras. Abduzida ou abduzido é tudo aquilo que a física ainda não conseguiu responder. E nos engambela afirmando que abduzido é a mesmíssima coisa que ser raptada ou sequestrada.
- E não é? Não entendi. Poderia ser mais explícita?
- No caso da mamãe?
- No caso da sua mamãe.
- Então, seu Pedro, ela foi abduzida (e não raptada, nem sequestrada) quando saía agora cedo, por volta das oito horas, em direção à padaria. Em resumo, ser abduzida é ser levada do nosso planeta terra para outra dimensão. Nossa empregada está de folga hoje e ela resolveu ir às compras por sua conta e risco. Mamãe é muito apressada.

- Que loucura! Estou passado, Tati. Conte todos os detalhes.
- Segundo dona Rosa...
- Calma lá. Você falou nessa dona Rosa não tem dois minutos. Quem é dona Rosa? Sua empregada?
- Dona Rosa é a vizinha aqui do lado, dois portões abaixo do nosso... e a nossa empregada se chama Elzira. Hoje é folga dela.
- Continue...
- Segundo dona Rosa, desceu uma nave espacial num campinho de futebol aqui pertinho, colada ao supermercado. O supermercado (não sei se o senhor conhece aqui onde a gente mora) fica uns duzentos metros, mais ou menos da padaria onde mamãe pretendia ir...
- Não, não conheço. Só falei duas vezes com a sua mãe por telefone e umas quatro, via WhatsApp.
- Entendi. Como dizia, de dentro dessa geringonça saíram vários seres pequenininhos todos verdes.


- Todos verdes?
- Sim senhor. Verde-musgo. E tinham anteninhas amarelinhas e compridas com bolinhas brancas no alto de suas cabeças. Pareciam os anõezinhos da Branca de Neve. O senhor se lembra dos anõezinhos da Branca de Neve, não lembra?
- Mais ou menos. Mas deixa pra lá. Prossiga...
- Assim! Essas criaturinhas simplesmente chegaram, viram a mamãe na rua, sozinha e sem mais nem menos, sem nenhuma explicação, “botaram ela” pra dentro da tal espaçonave.
- Meu Deus! Que coisa! Inacreditável!... e depois?
- Depois seu Pedro, quando a dona Rosa deu o alarme os tais seres verde-musgo acho que se assustaram. Nisso se apressaram (arrastando a mamãe pelos cabelos) e sumiram de vez.

- Su... sumiram de vez?
- Sim e nesse sumiço...
- Minha princesa desculpe interromper. De onde você tirou essa historinha fantasiosa? Da sua imaginação, suponho?
- Não tirei. Aconteceu...
- Agora cedo?
- Cedinho mesmo. Tem uns quinze ou vinte minutinhos. A rua aqui onde eu moro, virou, num piscar de olhos, uma feira livre. O bairro em peso está sem saber o que fazer. Todo mundo abalado e em polvorosa.
- Com a chegada da tal nave?
- Não senhor. Com a levada à força e contra a vontade da mamãe por essa cambada vinda do espaço. Como disse, ela acabou de ser abduzida. Abduzida não raptada... ou sequestrada. 

- E seu pai? Cadê seu pai?
- Está trabalhando. Ia falar com a senhorita Norma do escritório dele avisando justamente na hora em que o senhor ligou.
- Meu Deus, criança! Vamos por etapa. Calma. Respira. Conta até dez. Quem é a senhorita Norma?
- A senhorita Norma é a secretária de meu pai.  Quando dona Rosa me deu a notícia de mamãe, ia exatamente fazer isso. Ai então o telefone berrou. Saí aos tropeções da mesa, onde tomava meu café para atender. Era o senhor! Nem sei o que vou dizer a ele...
- A ele? A ele quem?!

- Ao meu pai...
- Não entendi.
- É que ele ainda não sabe.
- Tati, minha linda, o que ele, seu pai, ainda não sabe?
- O que eu disse ao senhor...
- Nossa, Tati, você me disse tantas coisas. Estou boquiaberto... queixo caído... tremendo... juro por Deus. Se pudesse me ver...
- Eu estou me referindo ao que lhe disse até agora de mais importante...
- OK! De mais importante?

- Sim senhor...
- E o que foi? Desculpe. Você me falou tanta coisa, me encheu de informações, contou uma novela, me enredou de tal forma... perdi o rumo. Não consegui digerir toda essa babel. É muita coisa pra minha cabeça... 
- Seu Pedro, eu estou me referindo, repetindo o que informei ainda agorinha. O que eu disse de mais importante. Aliás, disse isso (o mais importante), se não me engano, pela segunda vez.
- Tá legal, desculpe. Falha minha. O que foi mesmo?! Me deu um branco áspero. Viajei como diz meu filho, na maionese...
- Eu disse que a mamãe não está. A mamãe como falei há pouco, foi A B D U Z I D A...

Tati tão convincente se fez no que abordava na conversação entabulada, que dona Viviane Cardoso de Godoi (que a tudo assistia e ouvia, diga-se de passagem, incrédula e estupefata), teve um piripaque momentâneo. Emoção, talvez. Caiu desmaiada. A menina largou o fone fora do gancho, com o tal do Pedro das “bugigangas” falando à deriva, dependurado no vácuo da sua ausência e se precipitou porta da frente, se esgoelando, literalmente por dona Rosa. Dona Rosa, desta vez, chegou, de fato, carne e osso, com meia dúzia de vizinhos, num alvoroço medonho. Alguém (da tropa que a acompanhava) ligou para o marido de dona Viviane. O pai de Tati chegou escoltado do doutor Marcos Capiloto (médico da família), vinte e cinco minutos depois.  
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Paraty, no Rio de Janeiro. 17-5-2019

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Tenho uma ligeira impressão que qualquer dia desses serei abduzida. Tem uma nave espacial rondando a minha porta.
    Carina
    Ca
    de Paraty RJ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DIGA-ME O QUE FUMAS, OU QUE TOMAS!
      ESTÁS FORA DA CASINHA.
      LOL....

      Excluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-