sexta-feira, 24 de maio de 2019

Um exemplo da canalhice da imprensa brasileira. Reparem bem na INTENÇÃO da manchete de O Globo

No jornal “O Globo”, de 24 de maio de 2019, assinada por Bárbara Nóbrega (presumo que seja jornalista) e Reuters (agência internacional de notícias, presumo que constituída por jornalistas):

'Se sentir que o presidente não quer a reforma, pego avião e vou morar lá fora', afirma Paulo Guedes.
Em entrevista à 'Veja', ministro diz que reforma pouco robusta será só 'remendo' e alertou que Brasil pode quebrar já em 2020

Eis um parágrafo da matéria de O Globo:
“De acordo com a publicação, Guedes afirmou que o presidente Jair Bolsonaro está totalmente empenhado em aprovar a reforma nos moldes em que o projeto foi enviado pelo governo ao Congresso, com expectativa de economia de até R$ 1,2 trilhão nos próximos dez anos.”


Eis o que o ministro declarou à VEJA (os grifos são meus):


Paulo Guedes diz que renunciará se Previdência virar ‘reforminha’
Em entrevista exclusiva a VEJA, ministro adverte que, sem a correção, o país 'vai pegar fogo' e poderá quebrar em 2020

O ministro da Economia, Paulo Guedes, garante que o presidente Jair Bolsonaro está totalmente empenhado em aprovar a reforma da Previdência nos moldes em que o projeto foi enviado pelo governo ao Congresso. A proposta prevê mudanças que gerariam uma economia de até 1,2 trilhão de reais aos cofres públicos nos próximos dez anos. É, de acordo com a equipe econômica, a senha para o Brasil deixar a crise de lado e impulsionar o crescimento. O contrário disso seria o caos, que pode, segundo o ministro, ocorrer já em 2020.

Guedes, em entrevista exclusiva a VEJA, é muito claro: se houver uma mudança muito radical na proposta original da reforma, se aprovarem, como alguns defendem, uma espécie de remendo chamado jocosamente de “reforminha”, ele renunciará ao cargo. “Pego um avião e vou morar lá fora”, avisa. “Já tenho idade para me aposentar.” A seguir, os principais trechos da entrevista, em que o ministro também fala de política, de suas relações com o presidente Bolsonaro e do desempenho do governo, ao qual concede nota 7,5.

Sobre a possibilidade de uma versão desidratada da reforma, Guedes é incisivo: “Se os parlamentares aprovarem algo que represente uma economia menor que 800 bilhões de reais, não há a menor possibilidade de lançar uma nova Previdência. Estaríamos só remendando a velha.

REFORMINHA, NÃO
O ministro sempre insistiu que a reforma da Previdência precisa gerar uma economia de, no mínimo, 1 trilhão de reais nos próximos dez anos. Diante das dificuldades de aprovação no Congresso, Guedes reconhece que há uma margem de negociação, que pode no máximo ir a 800 bilhões de reais. Menos que isso, será um remendo, incapaz de resolver o rombo das contas públicas

“Se os parlamentares aprovarem algo que represente uma economia menor que 800 bilhões de reais, não há a menor possibilidade de lançar uma nova Previdência. Estaríamos só remendando a velha. Não adianta dizer que é melhor assim, que assim não machuca ninguém, que é uma mudança levinha, que vai garantir os quatro anos do presidente e a sua eventual reeleição. Também não adianta quando o Paulinho (da Força, deputado federal do Solidariedade) fala assim: ‘Vamos fazer uma reforma pequenininha para o presidente não ficar’. Paulinho estava falando o que muitos pensam. Ou seja, ele sabe que a reforma da Previdência vai resultar em prosperidade ao Brasil e que o presidente Bolsonaro pode se beneficiar politicamente disso. Eu até usei essa declaração dele numa conversa com o presidente. Disse assim: ‘Presidente, uma reforminha dói pouco, mas ela interessa aos seus opositores’. Ele compreendeu.”

REELEIÇÃO
No Congresso, de fato, há muitos parlamentares que pensam como o deputado Paulinho da Força. Aprovar a reforma da Previdência da maneira como defende a equipe econômica daria ao presidente amplas condições de governabilidade, abrindo a sempre tentadora vontade de sucessivas reeleições — embora Bolsonaro já tenha se mostrado contrário a essa ideia

“Durante a campanha, eu e o presidente conversamos muito sobre isso. Ele chegou a falar várias vezes que não tem apego. Repete até hoje: ‘Eu não tenho apego à reeleição’. Mas o problema não é propriamente a reeleição — é o dirigismo. Se você combater o dirigismo, uma reeleição não é tão nociva assim. Nos Estados Unidos, tem reeleição, porque lá a economia não é estatizada. Bolsonaro, porém, faz uma ressalva. Ele não tem apego ao cargo em si, não pensa em reeleição, mas há um ponto a ser considerado. A posição dele é a seguinte: ‘Se nós estivermos, no meu mandato, longe da situação da Venezuela, eu posso até abrir mão. Agora, se tiver alguma ameaça de acontecer aqui o que se passa lá, estou aqui para servir à população brasileira’.”

SAÍDA DO GOVERNO
No ano passado, Paulo Guedes pensou em não assumir o cargo. Agora, diz que deixará o governo se a reforma da Previdência não for aprovada ou mesmo caso ela saia do papel mutilada, com economia inferior a 800 bilhões de reais

“Deixa eu te falar um negócio que é importante. Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’. Se só eu quero a reforma, vou embora para casa. Se eu sentir que o presidente não quer a reforma, a mídia está a fim só de bagunçar, a oposição quer tumultuar, explodir e correr o risco de ter um confronto sério… pego o avião e vou morar lá fora.”

2 comentários:

  1. "Filhadaputice" é o adjetivo correto!

    ResponderExcluir
  2. Copiei do Twitter:
    "A imprensa brasileira querendo jogar Paulo Guedes contra Bolsonaro chega a ser ridículo. Para os jornalistas não importa que o Brasil vire uma Venezuela desde que eles consigam derrubar Bolsonaro. Esse é o padrão do nosso jornalismo."

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-