domingo, 19 de abril de 2020

Parabéns! Feliz Aniversário!

Hoje, 19 de abril de 2020, comemoramos DEZ anos de existência!


A cada um dos colaboradores (esporádicos e colunistas), dos comentaristas, dos generosos leitores, a cada um de vocês, dizia, o meu Muito Obrigado!

Abaixo, copiei e colei o que escrevi no dia do nosso terceiro aniversário.

Abraços e beijos de carinho./-





Sim, hoje, 19 de abril de 2013, comemoramos TRÊS aninhos!

primeiro post foi no dia 19 de abril de 2010 na plataforma wordpress. Como lembrou Carlos Lira no seu artigo "O 'cão que fuma' defuma a mente do leitor", o blogue surgiu motivado por causa da intervenção no AERUS. Noutras palavrasnaquela época um dos tópicos mais importantes (e visitados e participados) na comunidade orkutiana “Comissários/as Aposentados RG”, AERUS, foi apagado pelo seu criador. Era um documento histórico de inestimável valor, pois lá iam sendo coladas todas as notícias que saíam sobre esse malfadado Instituto e, claro!, os comentários dos membros da comunidade.

Este que vos escreve nunca ligou para blogues. Hoje, como já deu para notar,  liga para O blogue. E lembro-me de duas pessoas que sempre me diziam “abre um blogue”: Antônio Gobbo e Lucila Kalid. Ainda bem que segui o conselho deles.

Atualmente, o Orkut, penso, está meio mal das pernas e as comunidades ‘apagadas’. Por exemplo, lá, você precisa voltar a página para visualizar os posts anteriores à página que está aberta. 

Daí, existia uma ‘prática’ que, confesso, me deixava mal-humorado: a duplicação (ou a triplicação) de posts, quer dizer, o pessoal ia postando as ‘últimas” sem verificar se tal ‘notícia’ já havia sido postada por outro membro… além daquelas postagens que ocupavam a tela inteira pois os espaços em branco entre parágrafos eram enormes. Alguém lembra? Hahaha…

Well, concluindo, foi ótimo vir para cá!
Amável leitor, qual é a sua opinião?

Relacionados:

13 comentários:

  1. POIS É...pois é!
    E cá estava o paizote há dez anos atrás!
    Neste mesmo dia!

    https://www.caoquefuma.com/2010/04/movimentacao-na-terca-feira-13-abril.html?m=0

    ResponderExcluir
  2. E DIZER O QUÊ MAIS ???

    SINCEROS PARABÉNS!!

    ResponderExcluir
  3. E DIAS ANTES ENQUANTO O BLOG VINHA SENDO "CRIADO" UM CURIOSO , JÁ ESTAVA ATENTO!
    MINHA HOMENAGEM AO MESMO!
    http://www.caoquefuma.com/2010/04/kenzo-prestando-muita-atencao.html

    ResponderExcluir
  4. E PARA FINALIZAR uma honesta avaliação...
    Confesso... Sempre gostei de estar aqui....
    E já o "frequentava" na "gestação, no velho ORKUT!
    Por vezes saia aborrecido!
    Sendo que a maior delas foi quando constatei do direcionamento ideológico deste bloge..Senti-me traído,e pensei retirar tudo o que tinha POSTADO desde o primeiro momento! Depois preferi apenas reduzir minha participação,e fugir dos temos políticos, sempre que possível!
     Notei que com tempo fiquei mais tolerante, e hoje não "babo" mais, quando me deparo com algum escrito político mais exacerbado. Entre os primeiros  temas  aos quais me dediquei, -era da hora- foram possíveis acordos,como pode ser constatado acima.
    Por um tempo me choquei com o vocabulário de alguns de nós postávamos, que aqui postávamos. Ainda me choca!
    Outra vez aborrecia-me,   com  algum humor de mau gosto, manifestado!Mas cá estou, e gostando!
    Parabéns ao JIM e ao cão (KENZO)

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Paizote!

    Como já escrevi por aqui, o blogue é imparcial e plural, recebe – e publica – toda a colaboração que lhe chega. O “arrumador” do blogue não! Não é imparcial, nem plural. 😉

    Mas, tem uma coisa que me orgulho, e já é um legado: o absoluto respeito (e incentivo) pela liberdade de opinião.

    Legado que não é fruto de nenhuma genialidade, mas tão somente da vida vivida.

    Até os meus 15 anos vivi em Luanda. Tinha onze anos quando aconteceram os primeiros ataques dos “movimentos pela independência” de Angola. Portanto, saí de Luanda, sem saber o que era democracia, debate, liberdade de expressão.

    Dos meus quinze aos dezessete anos vivi no Porto. Época boa, muitas meninas turistas com quem conversei. Salazar governava, e existiam muitos “bufos” (delatores). Comecei a perceber que faltava alguma coisa...

    Cheguei a Brazzaville em setembro de 1972. O país era marxista-leninista ou socialista-científico. Nunca entendi o que isso significava, mas era o que estava escrito no asfalto, antes dos cruzamentos. Um tempo de milícias populares, jovens com quinze anos, armados, que, evidentemente, mandavam parar todo o veículo conduzido por um branco...

    Ameaçado de expulsão três vezes, na terceira eu exclamei para mim mesmo “Basta!”

    Consegui o acordo dos meus pais. Meu projeto era a Austrália ou a Nova Caledônia. Meu pai sugeriu o Brasil. Para evitar mais ‘debates’ concordei.

    Cheguei ao Brasil em 29 de março de 1972. Um tio meu, junto com o filho, foram me esperar no Galeão. Após deixar a minha bagagem num apartamento em Higienópolis, me levaram até ao centro do Rio.

    Quando vi na Praça Mauá outdoors “Brasil, ame-o ou deixe-o” e “Sesquicentenário da Independência”, algo badalou na minha cabeça. Alguns meses depois o som desse badalo ficou claríssimo.

    Também no Brasil, inclusive em empresas privadas, existiam os dedos-duros (que reportavam ao SNI). “Onde é que eu vim me meter? Saí de uma ditadura para me meter noutra!!”. Mas esta, inegavelmente, era diferente da de Brazzaville: não me paravam na rua, o Rio de Janeiro ERA lindo, nunca me ameaçaram, conheci universitários num encontro num apartamento da Rua Toneleros, Copacabana, favoráveis ao regime militar que me explicaram a bondade do FGTS...

    Todavia, liberdade de opinar, não havia.

    Enfim, só em 1989, TRINTA E NOVE anos após o meu nascimento, fui votar. No Collor.

    De lá para cá, o Brasil se tornou, ao lado dos Estados Unidos da América, uma das maiores democracias do mundo, onde a liberdade de expressão alberga até as piores grosserias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correção:
      "Cheguei a Brazzaville em setembro de 1967".

      Excluir
  6. Parabéns pela primeira década, e que venham outra e outras.
    Antonio Augusto.

    ResponderExcluir
  7. A sua determinação está de parabéns!
    beijos,
    cd

    ResponderExcluir
  8. Jim, meu amigo, parabéns pelos dez anos de trabalho a frente da Cão que fuma. E parabéns, igualmente à revista, pelo seu dinamismo e eficiência no tocante as informações que publica. E a você, meu obrigado especial por ter me dado a oportunidade de escrever para a revista. Peço desculpas pelas raivas que às vezes faço o amigo passar, com meus textos escritos, muitas vezes no calor da emoção, e enviado para você sem as devidas correções. Meu primeiro trabalho saiu publicado aqui em 06.12.2016 e, desde então, tenho estado presente, sem falhar um dia. Que a revista continue assim, trazendo informações, alegrias, conhecimentos, divertimentos, passatempos e que dentro de dez anos eu possa voltar a renovar as felicitações, não só a você, como à família maravilhosa da Cão que Fuma da qual tenho imenso orgulho em fazer parte.
    Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha no Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  9. Meu aforismo como contribuição às nossas preferências políticas

    O PTSMDB e A TOLHA de dois lados iguais
    Existem certas regras na higiene que poderíamos aplicar na política.
    Ou usam-se duas toalhas, ou não se usa uma tolha de dois lados iguais.
    Eu afirmo que o PT e o PSDB são os dois lados de uma toalha de lados iguais.
    Devemos sempre usar uma toalha de dois lados diferentes, porque enxugamos o corpo com um lado, e secamos com o outro lado, o ânus.
    Óbvio que teríamos de lavar a toalha após cada banho.
    Por isso, higienicamente falando usa-se uma toalha e um paninho higiênico.
    O PMDB nada mais é que o paninho higiênico da política brasileira.
    Claro que somente famílias abastadas dão-se ao luxo de possuírem o famoso “bidê” de banheiro para lavar o ânus e a genitália.
    Entendo por genitália a parte frontal do púbis, apesar de alguns teimosos limpadores de esgotos acharem que o ânus é parte da mesma e de agrado sexual.
    Não existe nada mais anti-higiênico do que papel higiênico.
    Ele retira excessos, mas não limpa.
    Eu diria que o DEM e o resto dos partidos nanicos seriam os papeis higiênicos da política brasileira.
    Fazendo analogias, usar uma toalha por dia, ninguém o faz.
    Então significativa porção do povo acaba enxugando o corpo com merda mais dia ou menos dia.
    O ânus é o único lugar do corpo que lavou, está sujo.
    Então é justo dizer que quem se alia ao PMDB está sempre sujo.
    Vai haver uma troca no governo e porque não dizer que um grande partido governará.

    O PTSMDB além de ser o maior partido político brasileiro é uma toalha que engana e qualquer dia desses vocês limpam o rosto com o lado mal cheiroso.

    ResponderExcluir
  10. "ORRA "MEU , TER QUE CONCORDAR!
    Mas, política,politicos e" merda"  transitam juntos ,pelas mesmas vias!
    Geralmente juntas e misturadas!
    Plagiando o português Ruy Miguel , com um pequeno adendo particular, eu diria que...
    "Filosofar sobre a merda, nos dias atuais  poderá ser considerado filosofismo, mas, falsa ou não, a filosofia neste caso não é mais do que uma análise ..."politica "Nunca pensei que as palavras "peido", "cu", "Bunda" ",merda" , um dia seriam usadas na literatura como pseudo cultura, e de gosto muito duvidoso!!
    Só posso esperar que as mesmas não virem uma obsessão, e continuem como tema preferido de piadas de adolescentes impúberes,ou humoristas frustrados de "zona". Ou não!?¹

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-