terça-feira, 27 de abril de 2010

Comissários de bordo


Simpatia e disponibilidade para viajar são duas características imprescindíveis para quem sonha com a carreira, que já teve muito status e hoje atua em nome da segurança dos passageiros. Mercado é mais forte no Sudeste

Raissa Nascimento // Especial para o Diário de Pernambuco

Uma profissão de puro glamour. Assim era vista a carreira de comissário de bordo. Hoje, no entanto, com a popularização do transporte aéreo, que atende às classes sociais das mais diversas faixas, essa área - que para alguns perdeu em glamour - ganhou e muito com a profissionalização. Afinal, são eles que têm que prestar o serviço das aeronaves e estar aptos a qualquer emergência junto aos passageiros. Segurança passou a ser palavra com força de lei. 
Isso porque na prática, o trabalho do comissário de bordo resume-se a garantir a segurança de todos os passageiros durante o voo. O profissional também atua proporcionando comodidade durante a viagem. Mas nem pense que é tudo muito simples. Para encarar a área é fundamental ser uma pessoa pontual, disciplinada e ter facilidade em se adaptar com as mudanças dos fusos horários, e também, com os diversos pensamentos culturais de cada localidade.
Para ingressar no mercado de trabalho como comissário de bordo é exigido apenas idade mínima de 18 anos, ter boa saúde, possuir o ensino médio completo, realizar o curso profissionalizante com duração de quatro meses e passar na prova realizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), depois o profissional se cadastra nos sites das empresas e aguarda a abertura de novas vagas. O salário ainda é considerado baixo, iniciando-se na faixa dos R$ 1.500 a R$ 2 mil. 
Na opinião da estudante do curso profissionalizante de comissário de bordo, Bruna Câmara, de 20 anos, a expectativa é grande em relação à carreira, sobretudo ao ingresso no mercado de trabalho. "Sempre gostei de viajar e me sinto segura com esta minha escolha profissional. Adoro os conteúdos do curso que me preparam para a profissão. Passar na prova da Anac será uma consequência da minha dedicação e estudo. Estou bastante ansiosa para conseguir o meu primeiro emprego", conta a aluna.
Para a estudante Gabryella Fernanda da Silva, 23 anos, a expectativa é muito grande com a carreira de comissária. "O meu pai é aposentado da Aeronáutica e eu tenho muita expectativa em ingressar na área", comenta.
Segundo um dos diretores e professor do Cursos NAV, Marcelo Magalhães, a área apresenta boa empregabilidade para os iniciantes. "As companhias aéreas tiveram um aumento na procura pelas passagens de cerca de 42% em outubro do ano passado. Com isso, houve muitas contratações. Acredito que com a chegada da Copa e da Olimpíada a situação deve melhorar ainda mais", explica Magalhães. 
O estudante Thiago Soares, de 27 anos, saiu de Minas Gerais para estudar no Recife e se diz apaixonado pelo conteúdo estudado durante o curso. "Adquiri um conhecimento amplo sobre a minha área, como funciona um avião e aspectos meteorológicos. Dessa forma, vou me tornar um profissional completo e apto para qualquer situação de emergência", afirma Soares.
Na visão do professor Marcelo Magalhães, a escola deve formar profissionais capacitados para solucionar qualquer situação de emergência. Por isso, ao final do curso, é realizadoum treinamento na mata com todos os alunos. "Levamos os alunos à Lagoa Azul, em Jaboatão dos Guararapes, e realizamos um treinamento de emergência e sobrevivência. Assim, os estudantes praticam as técnicas de primeiros socorros adquiridas em sala de aula", relata o professor. 


Edição de segunda-feira, 26 de abril de 2010
3ª turma de formação de Comissários da Varig, outubro 1972

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-