quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Um ano com Trump

Diana Soller

Transformações desta natureza, que radicam na forma como o Presidente Trump lê o mundo e as novas regras que usa para interagir com os estados tendem a ter um impacto mais profundo e duradouro.

Dois dias antes de partir para o seu périplo asiático, Donald Trump fez uma visita a Pearl Harbor, a ilha no Havaí que foi alvo de um ataque surpresa da esquadra de aviação japonesa em dezembro 1941. O presidente e a primeira dama foram prestar homenagem aos soldados mortos pelas bombas lançadas sobre alvos indiscriminados. Trata-se de uma declaração simbólica: por um lado, apesar do tempo e de saradas as feridas, os americanos não esquecem aquilo que consideram um ataque fora dos códigos de honra e da guerra justa; sabem que não podem contar com nenhum estado para além de si próprios para garantir a sua segurança. Por outro, dê por onde der e por mais que as circunstâncias mudem, a América está primeiro.

Esta ideia de que a América está primeiro é o slogan que sintetiza o que se tem vindo a passar no último ano, com a eleição de Donald Trump. Passadas as indignações de variados sectores político-sociais nos Estados Unidos e um pouco por todo o mundo, agora já vamos percebendo com maior precisão o que isto quer dizer. Há três pontos fundamentais que, tomados no seu conjunto, explicam o gesto de Pearl Harbor e as linhas centrais da política internacional com as quais passámos a conviver.

O primeiro, enunciado pelo presidente no discurso da Assembleia Geral das Nações Unidas, é que a soberania – e o correspondente reconhecimento, pelo menos até certo ponto, das esferas de influência dos estados mais poderosos – passou a ser o valor central da política externa norte-americana. O nacionalismo interno tem o seu equivalente externo. Trump espera que cada estado tome conta de si próprio e que não dependa de terceiros (leia-se a América) para garantir a sua segurança. Assim, o multilateralismo e as instituições internacionais sofrem um duro golpe. Se restassem dúvidas, veja-se a viagem à Europa onde o presidente parou na Polónia para um discurso laudatório a estado também cada vez mais nacionalista e mais cético de eficácia das organizações internacionais – e apontado como um exemplo de parceiro preferencial dos EUA –, em contraste com as duras declarações na cimeira da NATO e o afastamento cada vez mais notório dos aliados tradicionais na Europa.

O que nos leva ao segundo ponto: o que suportava estas relações americanas com o velho continente e com outras democracias espalhadas pelo planeta era uma certa crença comum no excecionalismo liberal americano. Acreditavam, os EUA e os seus aliados, que a intervenção da América no mundo – e a distribuição de bens comuns como a liderança, a segurança e um sistema de mercado estável – trazia efeitos benéficos para todos, mesmo estados terceiros que não estivessem de acordo com os mesmos princípios. Trump rompeu com essa tradição. No seu pensamento a América não tem obrigações ordenadoras nenhumas. É, nesse aspeto, um estado igual a todos os outros. Assim, a política externa deve servir para defender os Estados Unidos de um mundo que lhe tem sido hostil e para fortalecer as suas estruturas internas.

E é isto que permite uma mudança na geometria de alianças (ou a sua destruição, porque agora já não há alianças, há parcerias). Como estado mais poderoso do mundo, Washington deve agora relacionar-se preferencialmente com outras potências, independentemente do seu comportamento com terceiros (estados) ou tipo de regime. O que importa é definir os termos das relações com estados como a China, a Índia ou a Rússia, no sentido do isolamento de Pequim, sem hostilização aberta. Mas deixando claro que a linha vermelha é a defesa intransigente dos interesses norte-americanos. Para Trump, o mundo é um lugar perigoso. E os outros estados têm de cooperar os Estados Unidos para resolver questões segmentárias onde há interesses comuns (como a proliferação nuclear da Coreia do Norte ou o terrorismo) ou então cada um segue o seu caminho, em competição.

Aqui, entra o terceiro ponto – o protecionismo económico. Donald Trump parece conviver melhor do que qualquer outro presidente americano desde os anos 1990 com a ideia de competição entre os estados. E separa cuidadosamente as esferas de segurança e da economia. O que incomoda verdadeiramente o presidente, é que estados como a China façam “batota” no que respeita à economia internacional. Na visão de Trump, as regras do comércio livre prejudicam gravemente os EUA. Sendo uma das maiores obrigações de um presidente provir o bem-estar da classe média e a mobilidade social dos mais pobres, essas mesmas regras internacionais têm de ser mudadas. Trump retirou-se to Tratado Transpacífico de Comércio Livre (TTP) – que ironicamente excluía a China e trazia benefícios para os rivais de Pequim, o que fazia do tratado uma importante ferramenta para equilibrar do poder chinês – e do regime de alterações climáticas de Paris que, segundo Trump, também teria um impacto negativo na criação e manutenção de empregos nos Estados Unidos.

Com a retirada do excecionalismo da hierarquia das ideias norte-americanas, as relações internacionais entram num período de normalidade anárquica (i.e. sem liderança internacional formal), como não se via desde antes da II Guerra Mundial. Os Estados Unidos são ainda a maior potência internacional, mas posicionam-se no mundo de forma diferente – dedicada quase inteiramente ao seu interesse nacional – onde não há muito espaço para cooperação pré-programada (é natural que as organizações internacionais não desapareçam, mas que se vão esvaziando pouco a pouco), paulatinamente substituídas por relações bilaterais com base em capacidades, posição geográfica e interesses. Os Estados Unidos (de Trump) aprenderam em Pearl Harbor que não podem contar com estado nenhum de forma permanente, e se não querem que um episódio semelhante se volte a repetir têm que se defender com unhas e dentes. A América primeiro, disse o presidente no simbolismo da visita ao Havaí. E foi nesta disposição que partiu para a Ásia onde agora, devido a mudanças sistémicas, se joga muito dos destinos do mundo.

Tudo isto pode parecer pouco. Afinal se olharmos para o mundo, este parece não ter mudado assim tanto de há um ano para cá. Mas é importante que não haja ilusões. Transformações desta natureza, que radicam na forma como a presidência lê as relações internacionais e as novas (ou muito velhas e recuperadas) regras que usa para interagir com os estados levam tempo a gerar mudanças práticas. Mas uma vez implementadas tendem a ter um impacto muito mais profundo e duradouro que outras mais conjunturais. Donald Trump foi eleito há um ano por uma parte da população que se sentia esquecida pelas elites, com o mandato claro para virar as suas atenções para dentro e usar a política externa para lhes devolver a prosperidade perdida. Até agora tem seguido o plano à risca. Aparentemente sem se preocupar com o impacto a longo prazo que estas transformações terão para o mundo e para os Estados Unidos da América. Como dizia Robert Art, o mundo abomina vazios de poder. Mas é nesta direção que agora se caminha. 
Título e Texto: Diana Soller, Observador, 8-11-2017

Um comentário:

  1. Alberto Freitas

    Chegando ao fim da leitura em que na conclusão se indica que com Trump o mundo caminha para um vazio de poder, fico preocupado em saber onde andaria a autora nos últimos anos.

    Sim, aqueles anos de ouro onde um presidente afro-americano, naquele jeito saltitante ao descer do avião, ia deixando cair os amigos de longa data, assistindo no Médio-Oriente e Norte de África ao desabrochar de aguerridas Primaveras. Em que grupos sem rei nem roque iam lutando uns contra os outros.

    Presidente que enquanto entrega o Egito na mão de um grupo radical islâmico, abandona Israel, quase se genuflexa no beija-mão na Arábia Saudita, reforça o poder dos Castro e perde o respeito do resto do Mundo.

    Como a Diana Soller devia andar em parte incerta do Universo, recordo coisinhas pitorescas:
    O presidente do Egito, aliado de longa data, nem o telefone lhe atende, e para cúmulo compra equipamento militar francês. Quando Obama tenta a chantagem da "doação" anual, a Arábia Saudita oferece-se para pagar.
    Arábia Saudita que em modo provocatório mandou ao aeroporto um funcionário subalterno para receber o dito presidente.
    Mas nada se comparou aos chineses que nem escada mandaram. O dito, desceu pela de emergência na cauda do aparelho.

    Trump, na altura candidato, disse que se fosse com ele, o avião voltava para trás.

    O mundo, com Obama, deixou de ter respeito pela América. Nem medo

    E agora? Vê grande confusão pelo mundo? Não. Agora todos sabem o seu lugar. Quem é ajudado e tem posses, paga a ajuda. Caso dos europeus, dos japoneses e sul-coreanos. Israel deixou de estar só. O Isis deixou de crescer e vê extinguir o território conquistado.
    Cada um, incluindo a Rússia cumpre o papel que a situação obriga.
    A China, pela primeira vez, apoiou e alinhou em sanções à Coreia do Norte.

    O Canadá está a fazer contas à vida, deixando de ser mais um delirante a aturar, enquanto o México apela à renegociação e as manifestações com a bandeira mexicana na Califórnia, acabaram.
    Há mais postos de trabalho na América. As Bolsas sobem. Os negros não têm sido mortos, os latinos também não e Cuba tem que rever as liberdades da população.

    Vácuo, vácuo, pensando bem, só os trans que não têm lugar próprio para fazer xixi...

    PS. Por isto, se e há coisas que não posso perder, são os artigos de Diana Soller...
    Alberto Freitas

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-