quinta-feira, 14 de junho de 2018

“Esterilização forçada”? Foi fake news

Flavio Morgenstern

A notícia de uma usuária de crack que teria sido "esterilizada sem defesa contra a sua vontade" foi fake news da Folha. E logo a seguir, o jornal tentou associá-la a Bolsonaro.


O Brasil se assustou nesta segunda-feira com a notícia de que Janaina Aparecida Quirino, usuária de crack, teria sido submetida a uma “esterilização forçada”, sobretudo pela forma como jornais como a Folha de S. Paulo escolhia cuidadosamente as palavras usadas na manchete, sabendo-se que raros leitores vão ultrapassar tal limiar. Na mesma sacada, a Folha desenterrou um antigo projeto do presidenciável Jair Bolsonaro que visava facilitar o acesso à vasectomia para o chamado planejamento familiar. Sua manchete: “Bolsonaro defendeu esterilização de pobres para combater miséria e crime” (sic).

Assim, dois sentimentos já estavam trabalhados: a ideia do horror que seria o Estado exigindo esterilização forçada de uma mulher, apenas por ser pobre e usuária de drogas, e também a idéia de que Bolsonaro teria, naquele mesmo dia, aprovado esterilizar os pobres em massa à força, num projeto higienista que, é claro, seria comparado ao Terceiro Reich de Adolf Hitler, como é a única crítica que é feita a Bolsonaro.

Um próprio colunista da Folha, Oscar Vilhena, envidou seus melhores esforços para denunciar o “higienismo” que é uma esterilização forçada, e logo estavam até setores anti-petistas (o eleitorado preferencial de Jair Bolsonaro) horrorizados com a ideia de alguém, sobretudo o poder estatal, exigir uma esterilização à força de pobres.

As pessoas que se acham independentes, críticas e que “pensam com a própria cabeça”, sem serem “manipuladas pela mídia”, costumam com facilidade assombrosa largar tudo isso quando se invoca o nome de Jair Bolsonaro no meio de uma notícia.
(...)
As agências de “fact-checking” Lupa e Aos Fatos, tão empenhadas em atacar tudo de Bolsonaro e considerar falas piores de Ciro Gomes meramente “exageradas”, censurando o alcance de quem divulga notícias falsas no Facebook, não deram um pio sobre o assunto que mais exaltou ânimos no Twitter nos últimos dias (já que o encontro histórico de Donald Trump e Kim Jong-un só pôde ser completamente ignorado pela extrema-esquerda para não morrer de vergonha).


2 comentários:

  1. o Flávio, por incapacidade, incompetência, desonestidade e preguiça intelectual] me bloqueou no SI, então eu vou comentar aqui. O pessoal de direita [geralmente conservador e cristão] acha certo que essa mulher passe por esterilização forçada. legalmente, juridicamente, moralmente e eticamente a decisão é questionável. o que é curioso é que essa gente que defende o acerto da decisão de proceder à esterilização forçada é a mesam que grita quando se fala em legalização do aborto.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-