domingo, 3 de abril de 2016

Congresso do PSD – conclusão

Vitor Cunha

A excitação foi crescendo, pronta para parir um rato, ou, mais propriamente, os desejos do Rato, numa osmose perfeita com o mata-e-esfola dos média em concubinato com a geringonça – ou seja, em diferentes graus, quase todos, uma espécie de aberração estatística à portuguesa – à medida que o início do congresso se aproximava. 

Morais Sarmento discordava sem especificidade;

Rio anunciava que ficaria, mais uma vez, em casa, de pantufas, para não causar uma guerra termonuclear por requisição de autógrafos – “não é para mim, é para o meu sobrinho, que estuda jornalismo, ramo vocacional de causas” -;

Pedro Duarte, que se terá dividido por todos os canais de noticias e que acabaria a fazer uma curta intervenção sem história;

e José Eduardo Martins, que entre queixas esotéricas sobre “divisão internacional de trabalho”, “escassez de sensibilidade social” e, omitindo deliberadamente os sistemáticos chumbos do tribunal da corte, vulgo Tribunal Constitucional, além do soundbyte adoptado à geringonça que aumenta combustíveis como se restassem meras três gotas do “brutal aumento de impostos”, uma caracterização vil aos necessários cortes das pensões mais elevadas como “frio e burocrático”.

Se, por um lado, Paulo Rangel acabou por suceder a Martins com o maior anti-clímax desde que a RTP anunciou que a sua grande contratação de 2016 era um tal de Adão e Silva, Santana Lopes conseguiu o feito de apoiar Passos Coelho sem deixar de ser Santana Lopes.

Na sexta-feira, no Contraditório da Antena 1, Ana Sá Lopes caracterizava Passos Coelho como tendo “líder derrotado e a prazo totalmente colado à pele”. É a contínua repetição do “discurso PEC 4”, o de que repetindo a mesma lenga-lenga se consegue reescrever a realidade. “Passos está agarrado ao passado e a gente quer é futuro”. Pois bem, se a Ana Sá Lopes e todos os que “querem é futuro” deixarem de ansiar tanto para que este assuma a forma de um sereno seguro de vida para a geringonça, poderão relaxar e perceber que o presente ao PS pertence, o grande responsável pelo que vier a acontecer quando sedentos de poder a qualquer preço se unem a lunáticos.

Passos Coelho, no discurso final, não conseguiu dissipar a teoria do líder a prazo. Porém, não foi por culpa própria ou dos congressistas, que demonstraram a quem quis ver que o partido está com o seu líder; a culpa é dos ‘opinadores de causas’ que, tendo já decidido que Passos seria líder a prazo, demonstram serem bem mais obstinados que ele através da bizarra indivisibilidade nacional entre ‘artigos de opinião e anseio’ com jornalismo de factos.

A Ana Sá Lopes, Passos Coelho pareceu ser “um líder deprimido”. Daqui concluo que devo abster-me de tentar caracterizar o estado de saúde mental das redacções dos jornais, de tão persistente que a maleita é.
Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 3-4-2016
Marcação: JP

Ontem, sábado, este editor, acrescentou um comentário a este post Congresso PSD – Objectivos

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-