segunda-feira, 22 de maio de 2017

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

O país teve um chilique: o Correio da Manhã divulgou um vídeo em que se verá uma agressão sexual – ou que se presume ser tal – e logo surgiu um vozear unânime de condenação. Pelos excessos a que os jovens da geração mais preparada de sempre são capazes? Não, de modo algum. Como se sabe os festejos dos jovens são assim uma espécie de inquérito à CGD: aconteça o que acontecer só se deve divulgar uma pequena parte porque se conhecêssemos a realidade ficaríamos muito traumatizados. E assim o ónus da questão recaiu sobre o Correio da Manhã numa tal onda de indignação que até a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) entendeu adequado “Apresentar queixa no DIAP da Comarca de Lisboa, contra o Jornal “Correio da Manhã”, no sentido de proceder às diligências que considere necessárias, tendo em vista o apuramento de responsabilidade criminal, uma vez que as imagens divulgadas indiciam a prática de crime contra a honra ou contra a reserva da vida privada.” Portanto a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género apresenta queixa contra o jornal que divulgou as imagens onde alegadamente se vê uma agressão sexual a ser praticada por um homem contra uma mulher. Mas não foi precisamente para lutar contra estas situações que foi criada a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género? Quanto à “reserva da vida privada” que tanto preocupa a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género chamo a atenção que o Correio da Manhã ocultou a identidade dos protagonistas.

Dir-se-á que era bem escusada a divulgação das imagens e que o Correio da Manhã apenas queria aumentar a leitura das suas páginas. Do último ponto não tenho dúvidas. Quanto ao primeiro vamos lá deixar de ser hipócritas: o que está aqui em causa é apenas a divulgação dessas imagens ter sido feita pelo Correio da Manhã, um jornal popular detestado pela elite progressista e pelos meios ativistas do costume.

Estes últimos consideram-se detentores do monopólio da indignação, logo não só determinam aquilo com que nos devemos indignar, mas também o quando e em que moldes. O problema do vídeo divulgado pelo Correio da Manhã é mesmo esse: ter sido divulgado pelo Correio da Manhã.

A gestão do monopólio da indignação está em Portugal naquela faixa em que se aglutinam o velho jacobinismo ao marxismo praticante ou transmigrado para os universos das causas. Da importância política desse monopólio temos sinais todas as semanas. Por exemplo, voltemos mais uma vez à vinda do Papa Francisco a Portugal. Comecemos pelo momento em que o Papa foi recebido pelo Presidente da República. Este recebe-o com vénia e beija-mão. O silêncio que caiu sobre esse gesto contrasta com o sururu que acompanhou outro aquando da vinda a Portugal de Bento XVI: Maria Cavaco Silva fez uma vénia ao então papa. Convém recordar que Maria Cavaco Silva não era Presidente da República, não tinha qualquer cargo oficial, mas era tão só casada com o então Presidente da República. Mesmo assim esse seu gesto logo gerou indignação e artigos a criticá-la e também ao seu marido. Agora foi o próprio chefe de Estado quem na base aérea de Monte Real, no momento em que recebia outro chefe de Estado, fez uma vénia acompanhada de simbólico beija-mão. Alguém viu?

O que aconteceu entre 2010 e 2017 para que aquilo que teria sido um escândalo há sete anos fosse agora ignorado? Apenas que os monopolistas da indignação além de acharem que também os papas devem ser submetidos ao seu exame prévio, não viam, em 2010, o então Presidente como um aliado e agora veem o seu sucessor como um parceiro. Parceiro instrumental e a prazo, mas por agora parceiro.

Mas o momento mais revelador desta espécie de bitola que desliza sobre a realidade tornando-a execrável ou aceitável consoante assim o decidem os monopolistas da indignação teve lugar quando, segundo o Público, António Costa “tomou mesmo conta dos filhos de João Miguel Tavares”. Independentemente do paradoxo subjacente ao facto de as escolas católicas funcionarem no dia da vinda do Papa enquanto as públicas encerram, aquilo a que nesse dia se assistiu em São Bento foi um daqueles momentos em que se percebe a mais valia do monopólio da indignação. Em primeiro lugar jamais um primeiro-ministro que não estivesse coordenado com esse sector arriscaria dizer que tomava conta dos filhos de um colunista que se sentisse prejudicado pela tolerância de ponto dada às escolas públicas pois de imediato dezenas de comissões de pais ameaçariam levar os seus rebentos para São Bento. Também não faltariam os psicólogos, sociólogos e especialistas em segurança infantil a dizer que São Bento não reúne as condições de segurança indispensáveis à guarda de crianças sejam elas três, quatro, dez ou vinte. 

Desde as escadas à necessidade da sesta tudo seria visto ao detalhe. Em seguida, viria a denúncia do óbvio: o primeiro-ministro só estaria por breves momentos em São Bento pois tinha compromissos inadiáveis de agenda, no caso receber o Papa, logo alguém – quem? Com que formação? Faz parte das suas competências? O que disseram os respectivos sindicatos? – teria de ficar com as crianças. Por fim, concluir-se-ia, com notória clarividência, que o primeiro-ministro era um demagogo que depois de ter querido comprar o voto dos funcionários públicos com a tolerância de ponto nem hesitava em recorrer ao populismo mais óbvio para conseguir os seus objetivos. As redes sociais não tardariam a tornar viral o lema “Com os meus filhos não!” desenhado sobre a cara do dito chefe de executivo cuja cabeça já seria pedida em altos gritos pela oposição e em sussurro pelos seus pares.

A gestão da indignação ou da ausência dela fazem parte da propaganda. Boa parte do que para aí anda de causas e causinhas são propaganda no velho sentido termo. E tal como nos velhos tempos o reverso da indignação são a bajulação e a omissão. Aparentemente espumas do tempo. Na prática factos selecionados que nos distraem do essencial. É esse o vídeo da nossa vida e tem cenas mesmo chocantes.

PS. A propósito do monopólio da indignação quantos debates, fóruns e textos se farão sobre as escolhas do PS para o Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais e para o Conselho de Fiscalização do Sistema Integrado de Informação Criminal? Para o primeiro, o Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais, foi indicado pelo PS, segundo leio mas tenho dificuldade em acreditar que tal possa ser possível, o advogado Ricardo Rodrigues entre outras coisas conhecido por numa entrevista que não lhe estava a correr de feição ter subtraído os gravadores aos jornalistas, gesto que lhe valeu ser condenado (pena confirmada pelo Tribunal da Relação). Para o Conselho de Fiscalização do Sistema Integrado de Informação Criminal o eleito foi o advogado António Gameiro, condenado a restituir 45.000 euros a uma cliente (pena confirmada e agravada pelo Tribunal daRelação). Nestas escolhas ou há falta de critério ou a haver critério ele é assustador.
Título e Texto: Helena Matos, Observador, 21-5-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-