segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Um único pecado: corrigir Papa Francisco

FratresInUnum.com

Que miséria! A única pátria que restou aos cães-de-guarda do atual pontificado foi um falso argumento de autoridade, na verdade, uma falácia catalogada entre os argumentos ad hominem, chamada de apelo à autoridade.


A estrutura lógica – ou ilógica – do argumento seria apenas esta: “se Francisco falou, então é porque é verdade, pois ele é o papa”. O apelo chega a assumir contornos cômicos quando seus pregoeiros se disfarçam com vestes de escândalo e dizem: “onde já se viu alguém questionar o papa? Que absurdo, corrigir o Santo Padre!”, enquanto cruzam os dedos para que ninguém perceba o vexame de que acusem aquilo que eles mesmos fizeram com os papas anteriores.

Ora, os outros papas eram menos papas que Francisco? Criticar João Paulo II e Bento XVI foi o ofício dessa gente. Agora, fingem devoção papal, chegam a delírios de fervor, unicamente porque ele diz exatamente aquilo que eles querem ouvir.

Pois bem, o problema é que o argumento de autoridade não é o problema. Ao contrário, é bastante legítimo, desde que seja usado legitimamente, inspirando confiança e retidão.

Durante o Concílio de Trento, o Padre Diogo Laynez — que, depois, foi o primeiro sucessor de Santo Inácio de Loyola na condução da Companhia de Jesus —, que a convite do Papa Paulo III foi teólogo perito do Concílio, fez a seguinte afirmação, digna de nota:

“Como os dogmas da fé só podem ser definidos pelas Sagradas Escrituras e pelos escritos dos Santos Padres da Igreja, eu declaro que não irei citar, em suporte da minha opinião, nenhum texto de nenhum Padre ou Doutor da Igreja, do qual eu não tenha lido as obras completas ou que não tenha extraído todas as passagens que dão provas evidentes de que esta realmente é a opinião do autor” (Daurignac, History of the society of Jesus, Cincinnati, 1865, p. 98).

Isto é um argumento de verdadeira autoridade! Em outras palavras, o argumentador está de tal forma interessado em descobrir a verdade da fé que rastreia nas Sagradas Escrituras e nos escritos dos Padres e Doutores da Igreja aquela coerência verdadeira que debela a dúvida e estabelece, define a verdade!

Ora, isso é exatamente o contrário do que está fazendo Francisco. Ele desautoriza toda a tradição da Igreja para estabelecer o que ele quer. Este não é um uso legítimo da autoridade, mas um autêntico abuso da mesma.

Quando os fiéis manifestam a sua perplexidade e mencionam essa postura autorreferencial e autoritária não estão desafiando a autoridade do pontífice, mas apenas o estão convidando a exercê-la autenticamente. Afinal de contas, o seu ofício não é criticar a fé, mas ser um custódio da mesma, o seu garante e guarda intransigente.

Esse criterioso trabalho de investigação da verdade da fé foi o que fez o Concílio de Trento demorar tanto tempo. Cada proposição devia ser analisada no contexto de toda a tradição anterior, para que não houvesse alteração no sagrado depósito.

Os protestantes romperam com este critério. Passaram a ler as Escrituras não a partir do patrimônio do cristianismo, mas de suas próprias invenções e achismos. Francisco transformou este modus operandi na estrutura mesma de seu pontificado, e colocou a sua autoridade totalmente a serviço deste programa.

Os progressistas sempre relativizaram a verdade e a autoridade; agora, se escondem por trás da autoridade para destruí-la por completo. De fato, Francisco está autoafirmando a sua autoridade para esvaziá-la de sua função mais específica: a de ser defensor fidei, defensor da fé.
Contudo, contrariamente aos progressistas que, através da sua teoria crítica, submetem a realidade inteirinha à relativização mediante uma crítica metódica e implacável, nós não apontamos esses erros com prazer ou por esporte.

De fato, trata-se de um dever de caridade para com Francisco e de um dever de justiça para com a Igreja!

É um dever de caridade porque, com efeito, não sabemos se Francisco age por ignorância, malícia ou fragilidade. Em todo o caso, está fazendo mal à sua própria alma e às dos outros, escandalizando a muitos com sua atitude obstinada. É verdade que muitos, em sua acusação, acabam se destemperando e partindo para a agressão verbal mais grosseira. Não é possível admitirmos uma revolução contra a autoridade. Podemos apontar o erro, mas sempre com o devido respeito e amor, em vista do bem da Igreja e de sua unidade, contra qualquer cisma ou defecção.

Neste ponto, precisamos nos firmar numa objetividade lógica muito rigorosa, pois é comum na atual retórica ostensivamente apologista a este papa o deslocamento do debate para o âmbito pessoal. Querem reduzir a posição católica a uma mera questão de antipatia por Bergoglio ou ampliá-la para uma posição de crítica perpétua, projetando sobre nós aquilo que eles mesmos sempre fizeram.

Lembramos, também, que os apologetas de Francisco, sempre apressados em demonstrar-lhe total subserviência, pouco têm de caridosos ou mesmo virtuosos. Como ensina o Catecismo da Igreja Católica, “deve-se proscrever qualquer palavra ou atitude que, por bajulaçãoadulação ou complacência, encoraje e confirme o outro na malícia de seus atos e na perversidade de sua conduta. A adulação é uma falta grave quando cúmplice de vícios ou de pecados graves. O desejo de prestar serviço ou a amizade não justificam duplicidade na linguagem” (n. 2480).

E, neste caso, vale lembrar aos cleaners que de pouco serve cobrir a nudez de quem rasga continuamente os lençóis com que é coberto e tampouco serve fingir que nada acontece, para continuar apenas pregando a doutrina, quando o próprio Papa se coloca a desmontar a arquitetura mesma da Igreja e a sua constituição divina, o que é flagrantemente não somente contra a doutrina, mas, acima de tudo, impossibilita completamente a sua conservação, visto que o ministério petrino serve justamente para isso.

Além disso, corrigi-lo é um dever de justiça para com a Igreja. Em meio às ambiguidades do seu magistério, é evidente uma direcionalidade muito coerente. Bergoglio não é um papa que fala através das palavras, mas sobretudo através da direção para a qual encaminha a Igreja: de católica, ele a está tornando luterana.

Os progressistas sempre criticaram todos os papas, mas não apenas. Criticam as Sagradas Escrituras, os Santos Padres, os Doutores da Igreja e até eles mesmos. A crítica metódica dos progressistas é implacável. Mas, para que continuem a criticar, precisam demolir todas as autoridades enquanto eles mesmos se imunizam contra a crítica, escondendo-se por trás da autoridade papal de Francisco, à qual apelam como num refrão contínuo.

Para os progressistas, não existe moral objetiva, nem lei, nem pecado. Mas, para isso, eles precisam criar um único pecado, o pecado original do progressismo bergogliano: corrigir Papa Francisco, até no que ele tem de escandalosamente corrigível. 
Título e Texto: FratresInUnum.com, 5-11-2017

Um comentário:

  1. É bom que seja assim: “quebrar as estruturas engessadas da Igreja”, luteraniza-la e enfrentar os constantes escândalos no seio dela... Bergoglio está mandando bala, imprimindo uma segunda reforma....
    Habitz

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-