sábado, 8 de junho de 2019

[Pernoitar, comer e beber fora] Maria Azeitona

O nome estraçalha o modernismo pacóvio. “Maria Azeitona”, nada mais comum, lembra até aquele boteco de Bonsucesso ou de Olaria, no final da Rua Uranos. Mas não é um boteco, não é lanchonete, é um restaurante. E dos bons, como veremos ao longo desta postagem.


Fica na Amadora, não aceita cartões (de débito ou de crédito).

Fomos, o casal LT/CF e eu, à “Maria”.

Chegamos no horário reservado: 20h. Dez minutos depois, o restaurante estava cheio. Isto sustenta a necessidade de reserva.

Pedimos dois petiscos para acirrar o apetite: camarão ao alhinho e ovos rotos.


Ótimos!

E como prato principal, o casal pediu: ele, ‘Albanicos do lombo de porco com purê de maçã’; ela, ‘Risotto de camarão com cogumelos frescos’; eu, ‘Polvo da costa à lagareiro’. Os três se encantaram pelos pratos, I mean, pelo sabor.


 
 


Não conhecemos os banheiros.

O atendimento foi gentil, porém não tão eficaz quanto deveria. LT exercitou o braço esquerdo... em busca de um chopp.

Pelo que observamos, havia somente duas pessoas atendendo.

Até às 22h, o restaurante tinha fila de espera.

O vinho escolhido foi um Douro "Dom Bella", cuja temperatura de consumo recomendada pelo produtor é de 18º (alta, by the way). O Dom Bella, entre outros, está exposto aqui, exposto, não conservado, se é que me entendem.


Mas o garçom entendeu perfeitamente.

Se lá voltarei? Com certeza!

Anteriores:

Um comentário:

  1. Esqueci de mencionar que as batatas que acompanhavam o polvo estavam deliciosas.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-